Mostrando postagens com marcador América Latina. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador América Latina. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Polaris

Não é rotular, nem ideologizar. A oposição socialismo x capitalismo tem erro de natureza do julgamento. Não se trata de moeda, mas de outros valores que uma certa leitura/agenda liberal não encontra tempo (tempo é dinheiro) para refletir. O conceito de América Latina é mais complexo que uma nota do Radar:  não dá conta de que transformações culturais são mais importantes que crescimento econômico. O ser humano não precisa de dinheiro, precisa de Tecnologia. Inclusive na política. É bom que os dois lados, esquerda e direita, se acostumem à tecnopolítica. É o que farão no momento em que socializarem as ideias, o conhecimento, a lógica. Isso está além de sustentar um mercado fictício que não tem outro destino além da quebra. A sociedade é, naturalmente, socialista. Sem entrar no mérito político ou econômico. É um relacionamento, uma forma de convivência natural que surgiu do convívio. O capital é artificial e, pior ainda, fictício.

domingo, 26 de julho de 2015

Eduardo Galeano

Faz pouco mais três meses, deixou-nos Eduardo Galeano, o mestre uruguaio que dedicou a vida a retratar o continente latino-americano sob uma perspectiva histórico-humanista como poucos conseguiram fazer. Texto econômico, jornalismo de profundidade, maestria acadêmica lhe caracterizavam. Era capaz de falar sobre qualquer coisa, desde que tivesse importância suficiente para desestabilizar os inertes e deleitar seus muitos fãs com análises precisas sobre sociedade, consumo, política, história. Seu legado permanece. Poucos seres humanos reuniram tantas qualidades ignoradas. Não troco minha vida por nenhuma outra: repleta de aventuras, viagens, paisagens e amigos que me fazem vivo e relevante. Trabalho com a palavra e não conseguiria fazer outra coisa. Tenho poucos desejos, porque estes são sofrimento. Mas um dia espero escrever como Galeano.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

José Mujica, presidente do Uruguay
Boa Vista - O ideário da direita é todo pescado da esquerda, menos a parte de legitimar a democracia e a liberdade individual. A capacidade de ser uma esponja tardia dos desejos da sociedade faz da direita e sua moral auto-reprimida um organismo que busca sobretudo a própria sobrevivência: capitalismo e repressão como alimento físico e a planificação do pensamento como bússola espiritual. No Brasil, assistimos com indiferença e preconceito José Mujica e outros líderes latino-americanos enfrentar com coragem o monstro dos oleodutos e limusines. Mas eles não estão sozinhos. Representam pequenas nações e pensamentos universais inaceitáveis para o padrão estabelecido. Se fossem de direita, suas ideias seriam louvadas pela mídia e compreendidas pelo "cordial" cidadão brasileiro. 

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Rafael Correa, presidente do Equador
Boa Vista - Sou de família transnacional e torço pela integração latino-americana. Nosso continente já foi vítima do extremismo dos colonizadores e não precisamos fazer o mesmo entre nós. Nossa diversidade étnica, política, mística e antropológica é rica demais para ficarmos presos ao debate polarizado esquerda-direita que as grandes potências criaram para nos fazer perder tempo. O capitalismo é uma ilusão autofágica. Faz pensar que sua hegemonia é definitiva e que não há limites para o crescimento, promovendo a barbárie em nome de um pseudoliberalismo. Vejo como um projeto fadado ao esgotamento, ao fracasso e à desmoralização, pois a História é implacável com as civilizações estúpidas. Mas esta é apenas minha opinião. O socialismo venezuelano é um experimento. O socialismo chinês, um arremedo. Sabem onde vejo socialismo? Finlândia, onde a educação é integralmente pública. Enfim, nada é estanque ou perfeito. Nenhum conhecimento é permanente e nenhum império se perpetua. Apenas a estupidez humana de querer um mundo melhor sem esforço.

Dia da Europa. Uma embarcação com 400 pessoas, refugiados sírios, tenta chegar à costa italiana. A gravação com vozes desesperadas, via rá...