Mostrando postagens com marcador política. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador política. Mostrar todas as postagens

domingo, 30 de julho de 2017

En mi país la democracia no corre riesgos porque los muertos no se arriesgam. Acostumbrate, brasileño que baila.

domingo, 20 de novembro de 2016

Querido diário, hoje uma significativa parcela da população com muito ódio represado aprendeu a alegar censura para seus pontos de vista radicais e reclamam direito de expressão. Sem saber o que é direito ou o que é expressão. Que expressão é uma síntese e só se faz síntese após o pensamento. E que o pensamento não é instintivo, mas o final de um processo interno. A falta de abertura para o diálogo que caracteriza esse novo homos politicus é uma anomalia (ou ajuste) na matrix que destruiu o debate dos últimos 100 anos. E vejo pessoas nesta rede intimidados por amigos e parentes de discurso radical, numa tentativa de silenciar pelo grito que muitas vezes funciona. Estamos submetidos à autocensura para tentar costurar, remendar, recuperar vínculos que foram cortados por outras pessoas declaradamente contra os direitos humanos. Algo que encerra qualquer negociação. Mas tudo tem suas vantagens. Chegou o momento de reconhecer o que é recuperável e o que é irrecuperável nessa luta.  Guardemos as energias para o que tem conserto.

terça-feira, 15 de novembro de 2016








Pierre-Joseph Proudhon (18091865)



"Consultei os mestres da ciência, li centenas de volumes de filosofia, de direito, de economia política e de história: e queira Deus que eu tivesse vivido num século em que tanta leitura me fosse inútil! Fiz todos os esforços para obter informações exatas, comparando as doutrinas, opondo às objeções as respostas, fazendo sem cessar equações e reduções de argumentos, pesando os milhares de silogismos à luz da lógica mais escrupulosa. Neste penoso caminho, reuni vários fatos interessantes, de que darei conhecimento a meus amigos e ao público assim que tiver tempo. Mas, é preciso que eu o diga, primeiramente julguei reconhecer que nós jamais compreendemos o sentido destas palavras tão vulgares e tão sagradas: justiça, igualdade, liberdade; que sobre cada uma destas coisas nossas ideias eram profundamente obscuras; e que enfim esta ignorância era a única causa do pauperismo que nos devora e de todas as calamidades que afligiram a espécie humana." (Pierre-Joseph Proudhon escreveu isso há duzentos anos, talvez a imaginar que a mensagem fosse compreendida no futuro. O que não imaginava era a inutilidade da leitura no século 21. Perdeu, Proudhon. Perdeu.)

domingo, 24 de abril de 2016

Brasil redefine o conceito de escravidão

Faro - Enquanto o brasileiro neo politizado celebra ruralistas, pentecostais e torturadores, avança na Câmara o projeto mais nefasto desde que se decretou o fim da escravidão em 1888. Vejamos seus personagens:
Princesa Isabel do Brasil foi a primeira mulher a administrar o país. Há anos D. Pedro II tentava dar fim à escravidão, mas não obtinha sucesso porque os ruralistas não deixavam. Havia muita pressão internacional. O país era visto como atrasado. Isabel sancionou durante viagem de D. Pedro ao exterior. Isso foi nos estertores do século 19, época em que ainda vivem nossos congressistas e o povo.
Deputado Moreira Mendes (PSD-RO)

Deputado Rubens Moreira Mendes (PSD-RO) foi condenado em 2014 a perda de direitos políticos por fraude a licitação e improbidade administrativa: vendia passagens aéreas à Assembleia Legislativa de Rondônia ao mesmo tempo em que era procurador da casa. Sua mulher também era funcionária de lá, talvez por coincidência. Ele é pai do ex-vereador de Porto Velho, Guilherme Erse (PPS-RO), tio do deputado estadual Davi Erse (PC do B) e cunhado do ex-prefeito de Porto Velho, Chiquilito Erse.

Família é a base de tudo. O filho de Moreira Mendes, o ex-vereador de Porto Velho, Guilherme Erse (PPS-RO), teve sua candidatura a deputado cassada pelo TRE-RO.  Ele comprava eleitores com cursos na área de informática oferecidos pelo Instituto Guilherme Erse Moreira Mendes, uma entre milhares de entidades "sem fins lucrativos" mantidas por políticos para financiar suas campanhas em todo o país.

Moreira Mendes tem um sobrinho, o deputado estadual Davi Erse (PC do B), que já foi cassado por infidelidade partidária. Ele foi eleito vereador pelo PSB, mas resolveu "virar à esquerda" e pulou para o Partido Comunista do Brasil, que conhecemos apenas como PC do B. Perdeu o mandato e deixou o TRE em prantos, alegando injustiça. Essa mudança "ideológica" também é coisa de famiglia, Seu falecido pai foi prefeito de Porto Velho. Chamava-se Chiquilito Erse.

Chiquilito pertenceu ao PDS, partido de sustentação da ditadura militar. Ele é o motivo pelo qual o último presidente general, João Batista Figueiredo, passou a manter um gravador em cima da mesa. Figueiredo estava cético em relação ao candidato dos militares a presidente, Paulo Maluf. Confidenciou a sensação a Chiquilito, que botou a boca no trombone e usou a informação para mudar de lado e votar em Tancredo Neves. O general ficou em maus lençois e nunca mais confiou em ninguém.

Por algum motivo, o exemplar Moreira Mendes manteve seus direitos políticos, já que é deputado federal. Ele assina o PL 3842/12, que redefine o conceito de trabalho escravo. A semântica é simples: a pessoa não será considerada escrava se tiver buscado o trabalho (?). Ou seja, não poderá alegar que foi enganada e desconhecia as condições degradantes definidas em leis e acordos internacionais. Só se tiver sido sequestrada, amarrada e jogada na senzala.


Luís Carlos Heinze: mudanças são
 para impedir desapropriação de imóveis rurais.
O projeto foi aprovado na íntegra pela Comissão de Agricultura. O relator é Luís Carlos Heinze (PP-RS), sucesso no Youtube, onde afirma que quilombolas, índios, gays e lésbicas são "tudo que não presta". Heinze quer mudar a lei para impedir a desapropriação de imóveis rurais. O projeto já está na Comissão de Trabalho. Depois vai à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, e se aprovado, irá a Plenário. Como os latifundiários que dominam o Brasil desde o Império são maioria no Congresso, as chances de aprovação são grandes.

E finalmente, o último personagem, aquele incapaz de chegar ao segundo parágrafo de qualquer texto. O eleitor neo politizado que se diz escravo da corrupção pode acessar a íntegra do projeto aqui. Custa o mesmo que curtir a página de Jair Bolsonaro no Facebook: um simples clique.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Faro - Vamos polemizar. O destituído FERNANDO COLLOR fez duas coisas boas e importantes em seu governo: modernizou a indústria automobilística, o que gerou competitividade e empregos. E criou uma gigantesca zona protegida na Amazônia, a Terra Iindígena Yanomami, com 96.650 km². A BURGUESIA RURAL de Roraima, acostumada a SURRUPIAR terras indígenas PIRA COM ISSO e até hoje não se recuperou.

O vice-presidente ITAMAR FRANCO, que assumiu no lugar do impedido, brecou a hiperinflação com um fusca. Criou uma equipe de técnicos que conseguiu fazer a transição de uma moeda podre para outra mais forte que o Dólar.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO manteve a estabilidade da moeda e usou seu prestígio acadêmico para colocar o Brasil no mapa mundi. As portas se abriram, as exportações cresceram e ganhamos uma estabilidade econômica que apesar do crescimento inflacionário, AINDA se mantém.

O ex-torneiro mecânico LULA DA SILVA mostrou que, contra todas as evidências, podemos eleger um operário presidente. Lula estabelece o BRAZILIAN DREAM e promove a maior distribuição de renda (sem ironias) que já houve: alterou definitivamente a pirâmide social. Lula criou a TI Raposa Serra do Sol, com 103.415 km². Os parentes hoje têm um país maior que a Islândia. E, sim, A BURGUESIA RURAL de Roraima, acostumada a SURRUPIAR terras indígenas, PIRA COM ISSO.

A primeira mulher a assumir o governo, DILMA ROUSSEFF, promoveu mudanças importantes nas relações de gênero e etnia. A burguesia rural de Roraima, acostumada a DIFAMAR OS ÍNDIOS NOS JORNAIS, pira com isso. Dilma comanda o segundo maior programa habitacional do mundo. O primeiro é conduzido por Nicolás Maduro.

É muito fácil promover uma agenda negativa. Difícil é observar sem paixões, perceber que o país melhorou, independente de siglas e hienas, porque os brasileiros assim DECIDIRAM. A noção de nação é mais importante que nossas vãs filosofias. Com ou sem Impeachment.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Impeachment?!

Faro - Tornei-me oposição ainda no primeiro mandato de Lula. Não voto há várias eleições. Não acredito que um partido com 15 segundos na TV tenha chances contra os 10 minutos de outro. Não acredito no presidencialismo. Não acredito em 37 partidos políticos, essa diversidade ideológica inexiste.

Fernando Collor não era o único vilão no primeiro impeachment. Dilma Rousseff não é a única no segundo. Não acredito em boas intenções da Câmara ou do Senado, porque seus integrantes são abjetos. Acredito que neste domingo haverá uma distribuição de dinheiro como nunca houve na história desse país.

Nem Privataria, nem Mensalão e muito menos o primeiro impeachment podem ser comparados. Deputados e senadores recebem dos dois lados. Negociarão até o último minuto e como terão sido regiamente pagos pela ala pró e pela ala contra, estarão livres para votar com suas consciências. De ratos que são.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Impeachment

Faro - O programa 360 Graus (SIC) deu amplo destaque ao processo de Impeachment esta noite. Foram destacados o fato de Dilma Rousseff não ter sido responsabilizada criminalmente e o discurso antecipado de Michel Temer como novo presidente (Frank Underwood curtiu isso).

Além da impossibilidade de Rousseff governar, caso o impedimento não passe. O professor do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Andrés Malamud, convidado para comentar o caso, parece conhecer a situação brasileira melhor que os nativos. Analisou a crise sob diversos aspectos e suas possíveis ramificações no continente. Atestou que a democracia não corre risco, que generais não governarão o país, mas que não há na lista de sucessão, ninguém confiável.

 "O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, é o mais corrupto de todos", destacou. Acrescentou que a luta de classes é definitiva num país que tem 7 milhões de empregadas domésticas. Pelo conteúdo, é provável que os portugueses estejam mais informados que os brasileiros a respeito do tema.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Professor é agredido por dizer que é petista

Bruxelas - Salomão Nunes Santiago​ está sempre de bem com a vida. Ele é querido por todos no ANDES-SN por sua capacidade de trabalho e simpatia. Quando uma pessoa assim é atacada gratuitamente por quem perdeu o controle das finanças "graças ao PT", devemos reconhecer um princípio de convulsão social. Um episódio de desequilíbrio mental que não é isolado de outros, como o desequilíbrio moral do deputado que defende a suspensão armada da democracia ou o desequilíbrio ideológico de uma população repetidora de discursos de ódio, que adora televisão, mas odeia professores. A sequência de uma convulsão social é o estado de sítio, como o que vive esta cidade repleta de soldados do exército à caça de pessoas incapazes de conviver com as diferenças. A sequência de um estado de sítio é a anomia, a guerra civil. Os brasileiros que se cuidem: os canibais estão na sala de jantar. E eles são nossos vizinhos, colegas de trabalho, amigos e parentes. Os atentados de Bruxelas demonstraram que o inimigo não é mas externo. Ele está no meio de nós. Leia no Pragmatismo Político

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Sobre Impeachment

Varsóvia - Informação nunca é demais. O texto de Felipe Pena, entretanto, é mais que isso. É educativo. Dialogar sobre a crise política exige conhecimento e desprendimento de preconceitos para os quais a maioria dos brasileiros neopolitizados está incapacitada porque é da nossa natureza ler pouco e assistir muita televisão. Quem gosta de aprender, lê Mein Kampf, Alcorao, bula de remédios, O Globo, Voltaire e o escambau. Quem não gosta, fica na plateia, assiste e levanta com a ola. Quem não gosta, veste o abadá, segue o trio elétrico, levanta a mãozinha, tira o pezinho do chão e grita. Mas, falando, sério, toda crise gera oportunidades, inclusive a de produzir textos excelentes e esclarecer o público. Esse é o papel de professores, jornalistas e intelectuais: porque um pouquinho de aufklarüng nunca fez mal a ninguém. Leia "Não é golpe, é muito pior", aqui.

domingo, 3 de abril de 2016





Zakopane - Faz 15 anos que Canaimé, o Espírito Vingador, deixou "correndo da sala pra cozinha" políticos e empresários de comunicação (mesma coisa) de Roraima. Durante hum ano, o pioneiro Wikileaks macuxi denunciou corrupção, jornalismo puxa-saco, conluios entre associações de bairros e vereadores e muito mais. Os políticos ficaram enfurecidos e seus assessores faziam ameaças nos dois jornais - os mesmos de hoje, oposição e situação. Diziam que a Polícia Federal nos investigava, que seríamos expostos e encarcerados, mas nossos cypherpunks estavam sempre um passo à frente. Além de o número de colaboradores anônimos crescer a cada dia.


As páginas do Canaimé foram impressas e distribuídas. O projeto inspirou a criação de vários blogs (novidade na época), mas teve fulano que tentou se promover com ele. O Canaimé deu o troco. Outros foram localizados em Boa Vista e terminaram retratados como suínos (rarara) em charges. Só decidimos parar por tédio e para provar que certo espertinho não fazia parte de nosso spotlight.


A História é implacável, senhoras e senhores. Os criadores do Canaimé estão vivos, fortes, bem nutridos e em atividade. Mas como os jornais seguiram fazendo seu trabalho sujo, os mesmos políticos de 15, 20 anos atrás continuam no poder. O que ninguém sabia até hoje, é que havia três hotspots (em Roraima, São Paulo e Minas Gerais) e que o Canaimé foi criado durante uma seção de rockabilly e cervejas bock no bar Little Darling, em Indianópolis, num já distante inverno paulista.

Evoé, irmãos Canaimé!

(O vôo do Canaimé)

terça-feira, 29 de março de 2016

Amsterdam - Nas últimas semanas cultivo um silêncio misto de perplexidade e arrependimento. Perplexo pelo momento político brasileiro, que inspira cuidados. O arrependimento: como é que não percebi isso antes? O Experimento Brasil, realizado com sucesso há 50 anos pelas Organizações Globo, ensina como criar artificialmente a identidade nacional via futebol, jornalismo e telenovelas. Uma combinação que consegue integrar a nação dividida com pequenos mimos, pequenos memes, hashtags mordazes.

Novelas de temática emocional estimulam o telespectador a contribuir com doações, dinheiro e até sangue. Basta a TV mandar e teremos uma nação de solidários. Basta a TV mandar e teremos uma nação de jihadistas. Nesse experimento nazistóide-orwelliano, a nação teleguiada aprende a odiar os vilões de telenovela  como aprende a odiar as personae non gratae do telejornalismo. E aprende a polarizar opiniões, ideologias e conceitos como nos Fla-Flu de domingo.

Essa experiência, transferida para a realidade, não causará alterações perceptíveis na psique geral. Um programa da TV Globo que se define como "show de realidade", apresentado por um ex-jornalista, dá a medida desse pesadelo. Teleguiados acompanham cada movimento do tal programa. Gastam bastante dinheiro pagando a versão pay-per-view e PAGAM para "votar" nos seus preferidos, numa inversão de valores, já que a cada eleição, os mesmos telespectadores VENDEM seu voto. O desconhecimento programado da linha que separa realidade e ficção leva o brasileiro neopolitizado a amar o Grande Irmão, ainda que não entenda seu significado. Enquanto isso, Fátima Bernardes dança, dança, dança.  

terça-feira, 15 de março de 2016

Boa Vista - Meu livro "Índio na Rede: Ciberativismo e Amazônia" será lançado oficialmente em 19 de abril (Dia do Índio), na Alemanha. A primeira leitura ocorre daqui a pouco na sala 140 do Bloco I (CCLA) da UFRR. No Colóquio "Ciberativismo e Amazônia", teremos a participação de profissionais de diversas áreas do conhecimento. Debateremos ambiente, povos originários e tecnopolítica.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Polaris

Não é rotular, nem ideologizar. A oposição socialismo x capitalismo tem erro de natureza do julgamento. Não se trata de moeda, mas de outros valores que uma certa leitura/agenda liberal não encontra tempo (tempo é dinheiro) para refletir. O conceito de América Latina é mais complexo que uma nota do Radar:  não dá conta de que transformações culturais são mais importantes que crescimento econômico. O ser humano não precisa de dinheiro, precisa de Tecnologia. Inclusive na política. É bom que os dois lados, esquerda e direita, se acostumem à tecnopolítica. É o que farão no momento em que socializarem as ideias, o conhecimento, a lógica. Isso está além de sustentar um mercado fictício que não tem outro destino além da quebra. A sociedade é, naturalmente, socialista. Sem entrar no mérito político ou econômico. É um relacionamento, uma forma de convivência natural que surgiu do convívio. O capital é artificial e, pior ainda, fictício.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Bolsomita

http://www.msn.com/pt-br/noticias/nacional/bolsonaro-chama-refugiados-de-esc%C3%B3ria-do-mundo/ar-AAeCfze?li=AAaB4xI&ocid=mailsignoutmd

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Sobre Política

Brasília - Definitivamente não entendo o eleitorado de Roraima. Talvez queira ultrapassar o de São Paulo como o mais irresponsável do país. Não vai ser fácil barrar uma cidade que elege Titirica, Paulo Maluf, Netinho de Paula, Afanásio Jazadji, Celso Russomano e terá Zé Luís Datena como candidato a prefeito. Mas os roraimenses se esforçam: elegem pastores e mais pastores, apresentadores de 'pograma de puliça', semi-analfabetos (há os que reúnem essas três virtudes), parentes de políticos e outras figuras aberrantes. O que esses políticos têm em comum em seu favor chama-se TELEVISÃO. O povo elege qualquer idiota que aparece na tela achando que o idiota é quem está na tela.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Sobre a juventude

Os estudantes não deixaram de ser a vanguarda do pensamento, da liberdade e das artes para defender futilidades. Quem se perdeu foi a sociedade, auto-incapacitada para discernir educação, política, liberdades, moda, economia, música e cozinha sem a orientação da mídia. Transforma suas crianças em filhas da tela. Rouba revistas dos consultórios e os talheres da Varig (Varig?!) mas culpa os políticos pela corrupção arraigada. Quem se perdeu foram papai e mamãe, crianças. Quem se perdeu foi o jornalismo. Quem se perdeu foram nossos representantes. Os jovens não se perdem. Se encontram. E viram as coisas de cabeça pra baixo, sempre que querem.

sábado, 8 de agosto de 2015

Dilma em fuga

Boa Vista - Neste momento, são apenas 32 graus à sombra. Mas a sensação térmica sob o toldo de lona facilmente ultrapassava os 40, quando a presidenta discursou aos povos. Havia movimentos sociais "casca grossa", como o MST, quietinho, quietinho. Havia indígenas em seus trajes, LGBTs em tons dourados aproveitando a alta luminosidade e um punhado de servidores da Educação, Justiça Federal e Previdência. O protesto quase não se ouviu. Defensores do governo, olhar misto de espanto e indignação, vaiaram. Pedir "Justiça e Educação" aqui, com esse calor, onde já se viu?! 

Os clientes do plano habitacional de maior sucesso na-história-desse-país exultavam. E havia a imprensa. E convidados VIPs, cujo critério de escolha é mistério. E finalmente o palco, onde os donos do poder dividam a mesa principal. Dois senadores e uma senadora eleitos por Roraima conversavam alegremente num evento quase privado, dado o esquema de segurança. Não fosse o Exército, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, seguranças oficiais e espiões em meio à turba suada, facilmente se confundiria com espetáculo de música. Tipo Wesley Safadão ao vivo no Mané Garrincha. 

Antes da presidenta, houve falas. A prefeita foi simpática e gentil. Same as it ever was. A governadora exigiu menos terras indígenas e áreas de proteção ambiental. Same as it ever was. Um ministro/pastor perguntava à plateia quem pagava aluguel acima de 500 reais. E 400 reais?! E 300?! E 200?? E 100, quem pagava mais de 100 reais de aluguel, minha gente? Braços suados em riste. Assessores políticos de bracos erguidos também. Leni Riefenstahl se refestelaria. Leques com a logo do Município foram distribuídos. Ventos a 4km/h. A presidenta falou até as 13h, abatida pelo calor. Disse que já resistiu a muitas dificuldades e não admite que haja desestabilização política. Só econômica. E só um pouco. O Brasil é forte. E já esteve pior. Quando a oposição foi governo, por exemplo... 

Depois entrou num helicóptero e se mandou sem falar com jornalistas. Parecia ter adivinhado que entre microfones, filmadoras e bloquinhos de papel havia um não-credenciado que cruzou cada uma das barreiras de acesso, sem crachá, como o alien de Gilberto Gil. Ou talvez o assessor tenha notado a camiseta vermelha do Comando Nacional de Greve do ANDES num jornalista que por acaso é professor federal em greve, portanto gente da pior espécie. Cinejornalistas frustrados, fotógrafos suados e decepção geral para quem entrevistaria a primeira celebridade. Repórteres maquiadas e lívidas, perderam a paciência e silenciosamente decidiram não votar em Dilma na próxima eleição.

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Eduardo Galeano

Não digo adeus (Eduardo Galeano)
Em 1872, por ordem do presidente do Equador, Manuela León foi fuzilada. Em sua presença, o presidente chamou Manuela de Manuel, para não deixar registro de que um cavalheiro como ele estava mandando uma mulher para o paredão, embora fosse uma índia bruta.
Manuela havia alvoroçado terras e povoados e havia alçado a indiada contra o pagamento de tributos e contra o trabalho servil. E como se tudo isso fosse pouco, havia cometido a insolência de desafiar para um duelo o tenente Vallejo, oficial do Governo, diante dos olhos atônitos dos soldados, e em campo aberto a espada dele tinha sido humilhada pela lança dela.
Quando este último dia chegou, Manuela enfrentou o pelotão de fuzilamento sem venda nos olhos. E perguntada se tinha algo a dizer, respondeu, em sua língua:
- Manapi (Nada)

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Bola ao cesto


Boa Vista - Já temos dois campeões brasileiros na NBA: Leandro Barbosa e Gustavo Splitter. Na próxima temporada estreiam Cristiano Felício (que assinou hoje com o Chicago Bulls) e Raul Neto, que jogará pelo Utah Jazz, time que não anda bem das pernas desde o fim da era Malone-Stockton no começo dos 1990. 
Sou fã de basquete desde que me entendo por gente e não conheço esporte mais emocionante, estratégico, veloz, aéreo. O Brasil já foi uma potência do basquete, mas nos últimos anos, por força de uma Mídia comprometida e de uma sociedade indiferente, parece que praticamos apenas um esporte coletivo. Enquanto o primeiro é jogado com a cabeça, o segundo é conhecido por tirar meninos das escola
Sim, o Brasil já foi uma potência do basquete. Nossa seleção masculina estreou em 1922: antes do rádio! O Brasil foi vice-campeão mundial em 1954; campeão mundial em 1959 e em 1963, quando derrotamos os EUA por 85 a 81. Os ex-jogadores, treinados pelo lendário Kanela, ainda se encontram uma vez por ano.
Nas Olimpíadas, temos uma medalha de prata e quatro de bronze, além de outras quatro semifinais. Em Jogos Pan-Americanos, temos Medalha de Prata em 1963 e Medalha de Bronze em 1951, 1955 e 1959. Em 1970 conquistamos o vice-campeonato mundial. Em 1971, vencemos o Pan-Americano de Bogotá. Temos medalha de Bronze nos Jogos Olímpicos de 1960 e de ouro no Sul-Americano em 1959, 1960, 1961, 1963 e 1971. Ubiratan, "o rei do tapinha", foi nosso primeiro jogador a atuar no exterior, pelo Sprungen, da Itália. Foi eleito para o Basketball Hall of Fame da FIBA há cinco anos.
Em 1985, detonamos os EUA no pan-americano por 120 a 115, com brilhante atuação de Oscar Schmidt, considerado o maior pontuador deste esporte, com cerca de 49,7 mil pontos. Oscar já media 1,85 metro aos 13 anos. Foi campeão brasileiro e sul-americano inúmeras vezes. Jogou onze temporadas na Itália (algumas com o Joe, pai de Kobe Bryant) e outras duas na Espanha. Não ingressou na NBA porque até 1989 a liga não permitia que estrangeiros atuassem por suas seleções. Oscar pertence a dois Basketball Hall of Fame: da FIBA e da NBA, mesmo sem ter jogado nos EUA.
Em 1994, nossa seleção feminina ganhou o campeonato mundial. Dois anos depois, foi medalha de prata na Olimpíada de Atlanta. No sul-americano ganhamos medalha de ouro "apenas" em 1954, 1958, 1965, 1967, 1968, 1970, 1972, 1974, 1978, 1981, 1986, 1989, 1991, 1993, 1995, 1997, 1999, 2001, 2003, 2005, 2006, 2008, 2010, 2013 e 2014.
Cabem algumas perguntas: Por que o Ministério dos Esportes não investe no nosso basquete? Por que as grandes empresas não financiam o Novo Basquete Brasileiro? Por que não vemos notícias sobre esse esporte nas principais emissoras de TV aberta? Por que as quadras são tão poucas nas cidades e as que existem estão deterioradas?
No basquete, tudo pode mudar numa fração de segundos. É o mais competitivo e equilibrado (por conta dos tempo restrito de ataque) dos esportes coletivos. Pratiquei na escola e acompanho o que posso, da NBA à NBA; da Euroliga às peladas no Complexo Ayrton Senna. Infelizmente, pouco significa no Brasil contemporâneo, da uniformidade religiosa, cultural e política que nos esmaga.
O futebol brasileiro, corrompido e cheio de mazelas, programado para ter os mesmos campeões ano após ano, é nossa aposta equivocada de unidade nacional: nos identificamos com nossos craques semi-analfabetos; com cartolas mafiosos e com o jabaculê midiático que promove jogadores folgados e incapazes. Nosso futebol foi eliminado (7 a 1!) em casa pela Alemanha no ano passado e defenestrado há poucas semanas da Copa América pelo Paraguai. E ainda nos achamos os tais. Infelizmente, o Brasil continua a falhar gravemente em todos os campos. E em todas as quadras.