sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Resultado de imagem para bertrand russell
"Nos homens e nas  mulheres comuns há uma certa quantidade de ativa maldade, sob forma de uma má vontade dirigida contra possíveis inimigos e de satisfação espontânea perante o mal alheio. Habitualmente, isso é simulado sob a capa de frases amáveis - metade da moral convencional não passa de uma máscara. É necessário tomar plena consciência de tal fato se se pretende realizar a finalidade da moral: melhorar a nossa conduta. A maldade revela-se de mil maneiras, umas importantes, outras insignifcantes: na satisfação manifestada pelos que propalam e acreditam no escândalo; no modo deplorável como se tratam os criminosos, quando se sabe que um melhor tratamento seria mais benéfico à sua reabilitação; no barbarismo incrível com que os negros são tratados pelos brancos. Essa maldade ativa é um dos aspectos mais desagradáveis da natureza humana, que se torna necessário modificar para tornar o mundo mais feliz. É verossímil que ela represente uma das causas mais vulgares da guerra, sobrepondo-se à conjugação das razões económicas e políticas." 
(Bertrand Russel, filósofo galês.)

domingo, 29 de janeiro de 2017

Foto de Avery Veríssimo.

"De fato, se desejamos escapar à crença de que esse mundo assim apresentado é verdadeiro, e não queremos admitir a permanência de sua percepção enganosa, devemos considerar a existência de pelo menos três mundos num só. O primeiro seria o mundo tal como nos fazem vê-lo: a globalização como fábula; o segundo seria o mundo tal como ele é: a globalização como perversidade; e o terceiro, o mundo como ele pode ser: uma outra globalização. "


(Milton Santos, geógrafo brasileiro)

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Foto de Avery Veríssimo.

"Como os mercados se transformam cada vez mais em estruturas e tecnologias algorítmicas, o único conhecimento útil será algorítmico. Em vez de pessoas com corpo, história e carne, inferências estatísticas serão tudo o que conta. Como resultado da confusão de conhecimento, tecnologia e mercados, o desprezo se estenderá a qualquer pessoa que não tiver nada para vender. A noção humanística e iluminista do sujeito racional capaz de deliberação e escolha será substituída pela do consumidor conscientemente deliberante e eleitor. Já em construção, um novo tipo de vontade humana triunfará. Este não será o indivíduo liberal que, não faz muito tempo, acreditamos que poderia ser o tema da democracia. O novo ser humano será constituído através e dentro das tecnologias digitais e dos meios computacionais."
(Achille Mbembe, historiador camaronês)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017



"Nas sociedades capitalistas em que vivemos e que, aliás, além de serem capitalistas, são colonialistas e patriarcais, não é possível democracia plena porque ela só opera (e mesmo assim com muitos limites) ao nível do sistema político, enquanto as relações sociais diretamente decorrentes dos três modos de dominação (capitalismo, colonialismo e patriarcado. Ou seja, as relações patrão/trabalhador, branco/negro ou indígena, homem/mulher) só muito marginalmente podem ser democratizadas a partir do atual sistema político. A democracia brasileira tinha mais intensidade antes do golpe parlamentar-midiático-judicial do que tem agora. A simples composição do governo mostra como a democracia é agora mais capitalista, colonialista e patriarcal."


(Boaventura de Sousa Santos, sociólogo português)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017



Roger Waters não é exatamente o maior fã de muros. Para demonstrar isso ao presidente dos Estados Unidos, a digressão Us and Them percorre os Estados Unidos de norte a sul em 2017. O recado do comunista e criador do Pink Floyd foi curto: "A resistência começa hoje".


"Você pode protestar com palavras o quanto quiser. Há apenas uma condição associada à liberdade que nós gostaríamos muito de encorajar: seus protestos podem ser tão barulhentos quanto possível, desde que continuem a ser ineficazes... Qualquer tentativa de remover seus opressores pela força é uma ameaça à sociedade civilizada e ao processo democrático... Se vocês recorrerem à força, nós vamos, se necessário, tirá-los da face da terra pela resposta comedida que faz chover fogo dos céus".
(Barrington Moore, sociólogo norte-americano sobre o poder da máquina em 1968)


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017



Chegamos finalmente a uma era em que todo debate é inútil. A conjuntura internacional demonstra que chegamos a um ponto de ruptura. Polônia, Hungria, Turquia e Estados Unidos já estão sob as mãos da direita. A França pode ser a próxima. E se houver não reação ao fenômeno, em 2018 será a vez do Brasil.


A classe trabalhadora, que é historicamente ( e estoicamente) conservadora, não entendeu as conquistas sociais que a deixou numa nuvem de felicidade, se comparada ao século 19. A classe trabalhadora não apenas ignora, mas detesta história. Alega que o passado não interessa porque é passado. Pensa no futuro na forma de dívidas de longo prazo.


O poder de comunicação da velha direita supera qualquer capacidade de diálogo. O fascismo vai grassar por todo o mundo ocidental nos próximos anos. Depois de sofrer bastante por nossa causa, nossos descendentes conseguirão remover essas barreiras porque aprenderão com o banco de dados, A história e seus ensinamentos vão se impor graças à internet.

Satanistas são clientes insatisfeitos.