Skip to main content

Posts

Showing posts with the label Polônia
Faro - "Polônia?!". A pergunta sobre o local para minhas férias, já encerradas, partiu de vários amigos e parentes, curiosos sobre o destino insólito. Bom, a Polônia conserva uma paixão inarredável pelas ciências e pelas artes clássicas. Graças a Nicolau Copérnico, o mundo descobriu que girava em torno do Sol e não o contrário. Uma das descobertas mais importantes da História, que permitiu trabalhos revolucionários e influenciou Isaac Newton e Albert Einstein, para não citar milhares de outros cientistas.
A Polônia havia sido um reino importante no século XV, o maior da Europa, mas passou por maus bocados nos 500 anos seguintes. Foi retalhada por Prússia, Áustria e Alemanha; conquistou a independência em 1918, mas foi invadida pela Alemanha Nazista em 1939. Teve seis milhões de habitantes exterminados no período, até que em 1944 vira república. Três anos depois, entra para a Cortina de Ferro por quase meio século. Foi num estaleiro de Gdansk que o Sindicato Solidariedade deu…
Varsóvia - A 9.163 quilômetros de casa, mas a apenas 8.599 quilômetros de Tóquio.
Ždiar - Na paz deste lugarejo encravado sob os Montes Cárpatos e um céu absurdamente azul, sento na colina e observo o passar do tempo. Silêncio. Dois falcões planam 300 metros acima de mim. Um homem empilha pedaços de lenha. Crianças passam de bicicleta. Carros na estrada, os faróis acesos sob o sol brilhante. Silêncio. Nenhum som. Meu corpo afunda lentamente entre pedras, grama e restos da neve que a primavera conservou em consideração ao inverno. Não sou ninguém. Não sou Avery Veríssimo. Não, este não sou eu. Avery Veríssimo é um canalha egoísta, uma aliteração desagradável. Um viajante solitário metido a Jack Kerouac. Lobo da estepe. Um escritor medíocre, um professor relapso, péssimo pai, filho e amigo. Inútil acúmulo temporário de átomos que um dia será completamente esquecido. Átomos que começam a se desintegrar. Homogênese com plantas, folhas e larvas de insetos à espera do calor que lhes permita voar. A grama cresce nos meus braços, peito, pernas e olhos. Desapareço lentament…

A vida em alerta laranja

Varsóvia - As coisas estavam calmas pela manhã. Bandeiras da Bélgica, poucas, pendiam das sacadas. A Grand Place esvaziada devido aos últimos acontecimentos. Os mesmos mendigos de anos atrás, nos mesmos lugares. Turistas visitavam o Atomium. Uma feira multiétnica coloria as ruas próximas da estação Carmelite. Garotos exibiam a nova moda do Cabelo Boi Lambeu.

Um pouco desbotada, a lateral do edifício com o Tintin gay gigante guardava a área GLS. Soldados patrulhavam as estações de metrô, prédios públicos e outros pontos nevrálgicos da capital belga. Gentis, posavam para fotos.

Por volta das 13 horas, as sirenes começaram. Inicialmente, poucas e raras. Depois se multiplicavam, se sobrepunham, soavam em uníssono. Carros da polícia e de forças especiais percorriam velozmente a Boulevard, principal avenida do centro. Sim, havia algo de errado. Instalado num hotel a 1,5 quilômetro da estação Malbeek, evitei o local porque dentro de cinco horas deveria estar de cinto afivelado na fileira 32 …