Skip to main content

Posts

Showing posts with the label george bush

Publicado aqui

Boa Vista - O tempo voa. Publiquei aqui em novembro de 2004 um post sobre a eleição americana (for English readers):

Sad, sad day That's it. Intollerance wins. Homophobia wins. Barbarians win. Fundamentalism wins. Rich people wins. Ignorant people, also. So, good-bye rock n' roll, hello Garth Brooks. Good-bye books, hi E! Entertainement Television. Good-bye yellow brick road, what's up, oil fields? We're living The Days of Our Lives and the president seems like an hibrid of Doctor Drake Ramoray (Friends) and Doctor Strangelove.

Sorry, dears readers, but unhappiness and rock n' roll are better told in english.

Miudezas

Boa Vista - Jornalistas brasileiros e de outros países discutem em fóruns pela web as razões ou a ética jornalística da sapatada anti-Bush.

Os coleguinhas deviam se importar com a segurança de Muntadar al-Zaidi, isso sim. Com Bush não aconteceu nada, mas será que o jornalista ainda está vivo???

Na imagem ao lado, a brutalidade dos seguranças na entrevista coletiva.

Aqui, uma comunidade pró al-Zaidi, no Orkut.

Salvem al-Zaidi

Boa Vista -
O jornalista Muntadar al-Zaidi teve costelas e mão quebradas durante sessão de espancamento ao vivo e depois numa masmorra iraquiana, a mando do presidente dos Estados Unidos. A informação é de Dhirgham al-Zaidi, irmão do jornalista, que até esta manhã não havia conseguido a visita de nenhum advogado, apesar de muitas tentativas.

Entidades de direitos humanos e a imprensa européia tentam contato com o jornalista, mas ele está incomunicável. Será que vai sobreviver? A foto é da Associated Press.

Muntadar al-Zaidi para presidente!

Boa Vista - Muntadar al-Zaidi é um dos homens mais admirados do planeta. O jornalista que jogou um sapato em George W. Bush e ainda o chamou de cachorro fez a alegria de pelo menos um bilhão de pessoas mundo afora.

Desde o "incidente" em Bagdá, dezenas de games
e vídeos criativos (como esse, ao estilo Austin Powers) se espalharam pela internet.

Ao lado, as imagens originais do "atentado" ao homem mais detestado da era da informação.

Barack Obama

Boa Vista - Apóio, mas com reservas, Barack Obama, cidadão que quase nos faz desejar que o império dure mais tempo.

O discurso moderado e sem revanchismos do senador foi compreendido no resto do mundo antes de ser entendido na America.

O que, de certa forma, não supreende. O povo mais ignorante do mundo nunca ouviu, até agora, o resto do mundo. Nós, o resto do mundo, já considerávamos Bush Jr. o presidente mais impopular por suas ações unilaterais e waspismo exacerbado, sem falar das dificuldades cognitivas.

Obama pode não ser a salvação do "mundo livre" (esse é o Bush), mas cria indícios de multilateralismo, apoio a causas sociais e o fim de algumas guerras. Estamos na torcida.

Chávez

Boa Vista - Chávez erra ao fechar a RCTV e ameaçar a Globovisión. Não à toa a direita do continente considera o presidente da Venezuela insuportável. Acham-no defeito da democracia, etcetera. Como George Bush, que foi eleito no tapetão.

Esses "defeitos" da democracia, entretanto, têm currículos diferentes. Chávez melhorou a saúde e reduziu o preço da cesta básica à custa da estatização e do totalitarismo midiático, medidas reversíveis. Bush nos legou guerra, terrorismo, democracia de falácia, crimes contra a humanidade e caos ambiental. Todos dificilmente recuperáveis.

Reacionário

Ver Pete Townshend na Rolling Stone apoiando o sionismo armado e George Bush; destratando fãs e detonando companheiros de banda (Roger Daltrey seria um não-músico e o falecido John Entwistle, um junkie dominado pela namorada) é prova que do artista devemos reverenciar apenas a obra. Pessoas são imperfeitas.

Carta ao Ansar Alsunnah

Divinópolis - Caros membros da resistência iraquiana, não confundam as coisas: o Brasil não apoiou a invasão norte-americana ao Iraque. Não mandou soldados vigiar os poços de petróleo que lhe pertencem por direito. O Brasil não mata civis desde a Guerra do Paraguai. O Brasil não anexa territórios desde a Bolívia. Qualquer aspirante a terrorista detém mais conhecimento histórico que o presidente dos Estados Unidos. Em matéria de violência inexplicada, no entanto, vocês se parecem.

Não se igualem a déspostas não-esclarecidos. Libertem o brasileiro João Vasconcelos. Não somos como Japão, Coréia do Sul, Dinamarca e outros parceiros da coalizão anglo-americana, dispostos a sacrificar até o último dos seus filhos em apoio a Bush. O Brasil é (ou tenta ser) diferente. Aqui construímos uma nação multi-étnica que é exemplo mundial de tolerância. Por aqui convivem em relativa paz judeus, árabes, católicos, pentecostais, corintianos e palmeirenses. Ainda devemos maior respeito aos índios, mas com…

A little bit more

Divinópolis - At least, we discover that Bush electors ignore history, politics and human rights. Stupid White Man. Perhaps Michael Moore is understood only abroad. Perhaps we all are wrong. But, if happiness is a warm gun, what is unhappiness?

Vengeange means a cold dinner.

Check it out.

Sad, sad day (ou como Bush estragou o dia)

Divinópolis - Sorry, dears readers, but unhappiness and rock n' roll are better told in english.

That's it. Intollerance wins. Homophobia wins. Barbarians win. Fundamentalism wins. Rich people wins. Ignorant people, also. So good-bye rock n' roll, hello Garth Brooks. Good-bye books, hi E! Entertainement Television. Good-bye yellow brick road, what's up, oil fields?

Choosing racism, greed and self-destruction, american people proofs, time after time, that 'civilization' as we know is going down. The president seems like an hibrid of Doctor Drake Ramoray (Friends) and Doctor Strangelove.

Na Tela

Divinópólis - Bowling for Columbine ou o debate Kerry x Bush? Por um momento, a dúvida. Os dois programas trariam o belicismo à sala de TV. Escolho o debate: a transmissão em inglês é recebida mais rápido que e a traduzida para o espanhol e esta, por sua vez, chegava antes da versão traduzida da Bandnews. Sugestivo.

Kerry é um gentle giant, veterano do Vietnã que gosta de jactar-se quanto à capacidade guerreira e superioridade estratégica. Disse que existe uma maneira certa e uma maneira errada de defender Uncle Sam. Bush estaria insistindo na errada. No contra-ataque, Bush lançava olhares sibilinos e desqualificava o discurso do democrata. Em todas as suas falas (transmitidas para um palmtop no púlpito e um ponto eletrônico produzido com o melhor da nanotecnologia) insistiu que Kerry muda de idéia facilmente, assumindo a máxima de que só os idiotas não mudam de idéia. Como troco, Kerry ironizava a queda nos investimentos na segurança interna e os gastos montruosos nas guerras de expa…

Roma, revisitada

São Paulo - Não há dúvidas de que Bush 2 compartilha o estadismo de Nero, Calígula e outros "líderes" da fase decadente do Império Romano.

As semelhanças, agora, são mais políticas e bélicas do que mentais. A análise de Gore Vidal e historiadores sobre as semelhanças entre a nação imperialista do Século 21 (perdão, XXI) e a Grande Roma estão num documentário, onde são ouvidos especialistas sobre o assunto. Leia no Guardian.

A Bruxa de Blair é Saddam Hussein

George Michael, que no clipe de Shoot the dog transforma o primeiro ministro da Inglaterra em cãozinho do governo dos Estados Unidos, está absolutamente certo. Como fiel animalzinho do presidente Bush 2, Tony Blair segue à risca a cartilha da guerra fria e deu agora pra dizer que o Iraque pretende uma cadeira no clubinho atômico.

Na anômala ética da guerra, bombas atômicas são menos covardes que armas químicas, quando não passam da mesmo coisa em diferentes doses. "A América não deve enfrentar essa questão sozinha", disse, solícito.

O mundo livre de Bush

São Paulo -
Há textos radicais e fotos horripilantes em Nuestro Mundo , endereço pacifista que mostra, sem reservas, o significado de "Mundo Livre" defendido por Bush 2.

Por falar nele, este alcoólatra e assassino (matou mais de 100 pessoas, a maioria negros, quando governador do Texas), que teve duas filhas menores de idade detidas com droga legal a partir dos 21 e uma sobrinha proibida de tomar anti-depressivos e que vê tudo isto como sinais da ruína familiar quando na verdade ele e o pai criaram esse paradigma, é um dos grandes caloteiros do sistema financeiro. É esperar pra ver.

Terror

São Paulo - Lançar míssil sobre área residencial palestina é terrorismo oficial. Israel não é o melhor exemplo do Oriente Médio. A imprensa precisa ser avisada. Bush 2 também.

Tire sarro do presidente

Do presidente norte-americano. Figura sempre presente nessas Epístolas, não poderíamos deixar de divulgar este site, onde tal fóssil pode ser admirado em toda a extensão da sua incapacidade de raciocínio. Na capa da última edição, uma fato que a diplomacia e a imprensa americana tentaram esconder, mas saiu na Der Spigel: Bush, estarrecido, perguntou a FHC se no Brasil também havia negros. Aqui há uma tradução em inglês do mico.

Chavo

São Paulo- O resgate de Chávez foi muito louco. Uma brigada de paraquedistas invadiu o cativeiro, numa ilha (La Orchilla) e libertou o presidente em ação hollywoodiana. Os golpistas estão sendo presos e HC volta ao Miraflores. Não foi dessa vez, uncle Sam.

Bushada

São Paulo- Hugo Chávez havia sido seqüestrado pelos golpistas, que inventaram a história da renúncia. O cara foi levado para cinco lugares diferentes dentro do país. Loucura. Bush 2 deve estar furioso com esse milico maluco no governo do quarto maior produtor de petróleo. Mandou dizer que espera que a Venezuela tome um rumo decente: o rumo que o FMI, primeira entidade a admitir o golpe de estado, deseja.

Golpe na Venezuela

São Paulo - Militares caudilhos, ignóbeis seguidores de George W. Bush, depuseram Hugo Chávez, depois de batalha campal nas ruas de Caracas. Surpreendentemente, elegeram um civil para chefiar a nova junta ditatorial. É incrível que estejamos assistindo, em pleno século 21, a mais um golpe militar na América Latina, mais uma mancha na democracia, em nome de uma “ascese” estapafúrdia. Chávez era meio maluco mas não muito diferente da maioria do povo pobre da Venezuela, que confiou a própria vida a ele. Deposto pelos poderosos (leia-se Tio Sam), HC deve asilar-se em Cuba para assistir ao golpe de camarote.

É duro constatar mais uma vez que a tentativa de “desalinhar-se” com os donos do hemisfério pode custar caro. A “América” prevalece ,mais uma vez. E assistiremos, calados, a notícias como: “O FMI é a primeira entidade internacional a reconhecer o novo governo venezuelano”.

Como estará meu pai, na Venezuela? Ele era favorável ao Chávez. Morei seis anos naquele país, talvez os mais importa…