Skip to main content

Posts

Showing posts with the label STF

Acabou chorare

Boa Vista - Passada a perplexidade, não com a desregulamentação, que pouco afeta a vida de quem já atua na área, mas com a falta de tino do STF sobre critérios para exercer a profissão, resta sacudir a poeira, pegar os limões que a vida oferece e pensar numa agenda positiva.

A probabilidade de gente de outras áreas ingressar no jornalismo é grande, mas com a desvantagem de ignorar ações mais complexas que elaborar um texto ou fazer uma passagem diante da câmera.

Outro detalhe: a miríade de funcionários públicos, donas de casa e patricinhas exibicionistas que buscam o curso para aumentar o salário, imitar Ana Maria Braga e entrevistar "selebridades" vai ser reduzida. Assim, poderão começar seu próprio programa em estúdio caseiro e não incomodarão aos professores perguntando o que é Unesco.

Quem é competente continuará no mercado, com ou sem curso de jornalismo. Empresas sérias continuarão a ser empresas sérias. As outras são as outras e só.

Gilmar mente

Porto Velho - “A formação específica em cursos de jornalismo não é meio idôneo para evitar eventuais riscos à coletividade ou danos a terceiros.” (Gilmar Mendes)

A estapafúrdia frase do presidente do do STF ignora que a formação em Direito causa mais danos à coletividade que o jornalismo. Quem nunca teve problemas com um advogado que atire a primeira impressora.

A decisão de tornar o jornalismo atividade qualquer é inaceitável.

Como o brasileiro é assaz manso, é provável que não mova palha para exigir uma imprensa de qualidade, calcada em princípios éticos, morais, científicos e intelectuais. Princípios que ministros revanchistas e ignorantes (tá, eles podem entender de leis e bravatas, mas o que sabem de Teorias da Comunicação?)desconhecem.

Salta aos olhos a monocórdica voz de Gilmar Mendes, aquele da farra das passagens e cuja esposa Guiomar é secretária do TSE - nepotismo, portanto - afirmando balelas sobre a liberdade de expressão, quando na verdade acaba com ela.

Justiça tardia e falha

Perplexos e indignados os jornalistas brasileiros enfrentam neste momento uma das piores situações da história da profissão no Brasil. Contrariando todas as expectativas da categoria e a opinião de grande parte da sociedade, o Supremo Tribunal Federal (STF), por maioria, acatou, nesta quarta-feira (17/6), o voto do ministro Gilmar Mendes considerando inconstitucional o inciso V do art. 4º do Decreto-Lei 972 de 1969 que fixava a exigência do diploma de curso superior para o exercício da profissão de jornalista. Outros sete ministros acompanharam o voto do relator. Perde a categoria dos jornalistas e perdem também os 180 milhões de brasileiros, que não podem prescindir da informação de qualidade para o exercício de sua cidadania. A decisão é um retrocesso institucional e acentua um vergonhoso atrelamento das recentes posições do STF aos interesses da elite brasileira.

Leia mais aqui

Imprensa

Porto Velho - A decisão de derrubar o diploma de jornalista prova que a atual composição do STF rende-se fácil aos encantos da mídia média. Pena que eles não derrubem o diploma de advogado, categoria profissional que atua baseada em códigos e pode, facilmente, ser substituída por um software.

Raposa Serra do Sol, o trhiller

Boa Vista - Na quarta-feira (27) pela manhã, povos indígenas de todo o país acompanhavam a sessão do STF que decidiria sobre a manutenção da terra indígena Raposa Serra do Sol ou seu retalhamento em ilhas quando um pedido de vistas manteve o suspense em torno da questão.

Suspender a sessão logo após o voto do ministro Carlos Ayres Britto – que se declarou favorável ao decreto de homologação – foi motivo de comemoração para a bancada ruralista que acompanhava o julgamento no STF. Para julgar uma questão que quase sempre foi pautada pela violência, o STF mobilizou um esquema de segurança inédito.

O responsável pelo pedido de vistas chama-se Carlos Alberto Menezes Direito, ministro que ingressou no STF através do Quinto Constitucional, em vaga destinada a advogados do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (pela porta dos fundos, como se diz no jargão jurídico). Direito é paraense de nascimento e costuma adiar decisões em temas polêmicos. Em março deste ano, pediu vistas no processo que pre…