terça-feira, 31 de maio de 2005

Leio Relato de um certo Oriente, de Milton Hatoum

Divinópolis - Milton Hatoum é um caso raro na literatura brasileira. Seus dois únicos livros ganharam o Prêmio Jabuti (este e o Dois Irmãos) e foram traduzidos em várias línguas. Escrita madura, como se a estréia não fosse em 1990, com este livro, mas muito antes, pulverizada nos contos, ensaios, aulas de literatura que lentamente formam o autor, aluno de Irlemar Chiampi, leitor de Proust, Machado, Borges e Clarice. Hatoum é um artífice das letras, com sua estrutura em dois narradores (irmão e irmã) que se alternam a cada capítulo até um final que não é final. A composição geográfica de Manaus, do Líbano e da Europa fica em segundo plano, para que as sensações possam descrevê-las.

Livro: Relato de um certo Oriente
Autor: Milton Hatoum
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 166
Preço: R$ 34,00

quinta-feira, 26 de maio de 2005

Leio Fifteen Books (Amphigorey), de Edward Gorey

Divinópolis - Esse post precisa ser escrito em inglês. Sorry, non-english readers.

Edward Gorey has some black-victorian-humour-drawing-style that i could not believe until finish his 15 surreal stories about imaginary animals, suffer children, strange travellers, ghost characters, insects... He writes in classic english and, oh, he is vain. He's addicted to bèlle-époque. He - read this as a big mama from Bronx - doesn't mind the teachings of our holly lord Jesus Christ. I tell you, people: he's an incubus! This is not an anthology, this is scathology! By the way, there are 7,9 millions results for anthology in there. No big deal. But how about the incorrect form antology appears on 26 thousand adresses? Frightened? Barbarian invasions? Did i saw it on MTV? Yeah, the army of guys with umbrellas falling and marching. I guess is Gorey! It seems like an ancient Harvey Peakar. It seems like a brother of Robert E. Howard, like a Pasolini friend, a Ken Loach father. Don't ask me why. I'd tell you everything. Made up my mind. Thanks a lot, dude.

sexta-feira, 20 de maio de 2005

Comunicação

Propaganda
Propaga Nada

Relações Públicas
Retaliações públicas

Jornalismo
Formalismo

quinta-feira, 19 de maio de 2005

Leio O paraíso na outra esquina, de Mario Vargas Llosa

Divinópolis - As vidas de Flora Tristán e seu neto Paul Gaugain contadas com acuidade jornalística pelo autor de Conversa na catedral. A extensa pesquisa bibliográfica (neste caso, também pictográfica) não obscuresce as qualidades literárias do autor que, li em algum lugar, dá aos biografados a aura dos personagens de ficção mais apaixonantes. Como em A guerra do fim do mundo, quando Llosa homenageia Euclides da Cunha contado a saga de Antônio Conselheiro, líder mitológico do sertão brasileiro.

Tristán foi líder operária, feminista e revolucionária nos anos 1830. Gaugain, marinheiro, especulador, pintor boêmio e junkie nas selvas da Polinésia, na transição do Século 19 para o 20. Duas vidas atraentes, histórias fascinantes do século das utopias. Uma obra fundamental do peruano que é uma das maiores autoridades literárias da contemporaneidade.

O que indignou Flora foi perceber que um dos estivadores passava uma enorme maleta - quase um baú - a uma genovesa alta e forte, mas com gravidez adiantada. Encolhida, com a carga no ombro, a mulher avançava rugindo, a cara congestionada pelo esforço e pingando suor, na direção da diligência dos passageiros. O estivador lhe deu vinte e cinco centavos. E quando ela, em um francês bárbaro começou a reclamar ao homem os vinte e cinco restantes, ele a ameaçou e insultou. (p. 223)

Livro: O paraíso na outra esquina
Autor: Mário Vargas Llosa
Editora: ARX
Páginas : 496
Preço: R$ 56,00

sábado, 14 de maio de 2005

Uma corrente

Divinópolis - Não sou afeito a correntes, testes de blog e karaokê. Mas já testei a garganta com o Nei e o Saraiva num buteco em São Paulo, descobri que sou While my guitar gently weeps num teste que encontrei no Leãdro e agora participo dessa corrente literária que chegou aqui via tor e Edgar. Sinal dos tempos.

Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?
Assisti a Fahrenheit 451 e Amarcord quando tinha 10 anos, o que certamente ajudou a me deixar assim, desse jeito. Mas, sinceramente, a pergunta me soa confusa. Talvez pelo português de Portugal. Imagino que seja "que livro você gostaria de ser, exceto Fahrenheit 451". A resposta é On the road, do Jack Kerouak.

Já alguma vez ficaste perturbado por um personagem de ficção?
O narrador de Trópico de Capricórnio e o Humbert Humbert, de Lolita (Vladimir Nabokov) são perturbadores.

O último livro que compraste?
Relato de um certo oriente, do Milton Hatoum.

Qual o último livro que leste?
Ruído Branco, do Don dellilo.

Que livro estás a ler?
O paraíso na outra esquina, de Mario Vargas Llosa.

Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?
Cem Anos de Solidão (Gabriel García-Márquez), Grande sertão veredas (Guimarães Rosa, que vergonhosamente ainda não li), Decamerão, de Bocaccio (Que já comecei umas 50 vezes), Em busca do tempo perdido (Obrigado, Marcel Proust, pelas 3 mil páginas nesse período indefinido na ilha deserta) e, claro, Ulisses (James Joyce).

A quem vais passar este testemunho (6 pessoas) e porquê?
Aos amigos Carlos Saraiva, para despoetizar por alguns instantes; Nei Costa, que deve aproveitar o link acima e descobrir que música do White Album ele é; Feutmann Gondim, que é novo na blogosfera, mas leitor de priscas eras, Leãdro Wojak que é blogueiro de priscas eras e leitor de eras priscas, além de Pablo Varela e Renata Augusta, como motivos para um novo post.

sexta-feira, 13 de maio de 2005

Na cova dos leões

Divinópolis - O escritor Fernando Morais (Olga, Chatô) não se conforma com a censura e a mordaça imposta pelo juiz Jeová Sardinha, de Goiânia. Sardinha mandou recolher todos os exemplares do livro "Na toca dos leões" e estabeleceu multa de 5 mil reais para qualquer declaração do escritor sobre o fato.

Morais reuniu jornalistas brasileiros em Paris para criticar a decisão estapafúrdia do juiz goiano. O livro trata de um suposto projeto de eugenia do ruralista Ronaldo Caiado, cujo objetivo seria a esterilização de mulheres pobres do Nordeste brasileiro.

Caiado, para quem não sabe, é líder da bancada ruralista no Congreso Nacional. Ruralista, para quem não sabe, é uma espécie de predador que ocorre em grandes áreas de terra na Amazônia e no Centro-Oeste brasileiro. Com forte instinto territorial, os ruralistas defendem latifúndios, são contra a reforma agrária, as terras indígenas e a agricultura familiar, não sabem onde fica o Suriname e, principal característica, odeiam livros.

Conheço uns ruralistas.

quinta-feira, 12 de maio de 2005

Uma canção

Dia Luna... Dia Pena
(Manu Chao)

Hoy día luna día pena
Hoy me llevanto sin razón
Hoy me llevanto y no quiero
Hoy día luna día pena

Hoy día luna día pena
Hoy me llevanto sin razón
Hoy me llevanto y no veo
Por ahí cualquiera solución...

Arriba la luna Ohea...

Hoy día luna día pena
Hoy me llevanto sin razón
Hoy me llevanto y no quiero
Hoy día luna día muero...

Arriba la luna Ohea...

quarta-feira, 11 de maio de 2005

Na vitrola

Nine Inch Nails - With Teeth
Cazuza - Só se for a Dois
The Cure - Seventeen Seconds
Mutantes - Mutantes ao Vivo

segunda-feira, 9 de maio de 2005

A falta de paciência com o cinema

Divinópolis - Leia o artigo de Marcelo Miranda no Digestivo Cultural e entenda porque existem pessoas que não consideram Titanic o maior filme de todos os tempos.

sábado, 7 de maio de 2005

Juiz não pode mais exigir ser chamado de doutor pelo porteiro do condomínio

Justiça nega a magistrado tratamento de 'doutor'
07/05/2005 - 10h35m - (Antônio Werneck - O Globo)

O juiz Alexandre Eduardo Scisinio, da 9 Vara Cível de Niterói, julgou improcedente o processo movido pelo juiz Antônio Marreiros da Silva Melo Neto, da 6 Vara Cível de São Gonçalo, contra a síndica Jeanette Granato e o Condomínio Luiza Village, no Ingá, em Niterói. Melo Neto, que mora no condomínio, moveu uma ação por danos morais, com pedido de indenização, e também para ser tratado por "senhor" ou "doutor" pelos funcionários do prédio.

Melo Neto entrou com o processo no dia 10 de setembro do ano passado, alegando ter sido desrespeitado pelos porteiros e pela síndica quando solicitou ajuda para resolver um problema de infiltração em seu apartamento. Doutor é título acadêmico, afirma o juiz na sentença.


quarta-feira, 4 de maio de 2005

Libertas quae sera tamen

Divinópolis - Hoje foi o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa. Você leu a imprensa livre hoje?

terça-feira, 3 de maio de 2005

Bloguema

Anima

A mente mente à alma.
A alma a mente entende.

Divinópolis, 2005

O muro

Divinópolis - Entrou na cozinha, subiu na cadeira e pegou um pote de geléia. Desceu, passou numa fatia de pão e comeu.

- Corta, disse Alan Parker.

Satanistas são clientes insatisfeitos.