Mostrando postagens com marcador black blocs. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador black blocs. Mostrar todas as postagens

sábado, 15 de fevereiro de 2014

O mais retrógrado, vergonhoso, ditatorial, fascista, espúrio e repulsivo projeto de lei desde o Ato Institucional número 5 quer usar o cadáver do jornalista Santiago Andrade como adubo. Conduzido de chofre por senadores que já foram considerados éticos (Jorge Viana e Paulo Paim, do partido que já foi considerado de esquerda, o PT), o Projeto de Lei 499/13 quer transformar o Brasil em um estado policial nos moldes dos Estados Unidos.

A tal lei antiterrorismo quer mais criminalizar as manifestações de trabalhadores contra o governo do que proteger a vidraça dos bancos das pedras dos black blocs. Enquanto do lado de lá acontece a primavera árabe, por aqui se implanta um estado policial a partir da união de um partido que se diz socialista mas se alia com os setores mais retrógrados da sociedade.

Que vergonha, Paim. Que vergonha.
O governo do PT quer debelar o direito à greve e à manifestação do povo criando uma indústria de multas para os sindicatos. E quem provocar ou infundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa ou tentativa de ofensa (Art. 2º) receberá uma pena de 15 a 30 anos de prisão. O que é pânico? O que é terror? Enquanto bandidos de colarinho branco pagam multas com vaquinhas nada magras, o direito de manifestar é tratado como ameaça à segurança nacional.

Algo me diz que isso tudo tem a ver com a histórica greve dos professores federais em 2012, que redundou na primavera brazuca de junho de 2013. Ou então o governo não teria determinado que servidores públicos sejam penalizados com o DOBRO da pena concedida à população, além de demissão sumária.

As manifestações que acontecem no Brasil não têm nada a ver com terrorismo. Elas estão relacionadas com a má gestão. Ninguém deseja a desestabilização do estado ou o fim da democracia, a não ser o acuado governo que violenta cada vez mais a sociedade. Os atos isolados de vandalismo acontecem em sua maioria contra o patrimônio particular de bancos e franquias, cujos impostos financiam o terrorismo de estado.

Terrorismo é sufocar na garganta o grito de revolta que pela primeira vez une brasileiros da extrema esquerda à extrema direita. Durante a ditadura militar, os manifestantes eram chamados de subversivos. Hoje, a democracia petista considera-os terroristas. Que país, esse.

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...