Mostrando postagens com marcador rock. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador rock. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Aquele disco do Supertramp

Ouvi tantas vezes o Paris do Supertramp, que lembro de gritos da plateia. Um dos grandes discos de rock gravados ao vivo, com versões definitivas de Hide in your shell e Logical Song. Para minha surpresa, foi inteiramente filmado. Reza a lenda que Roger Hodgson reprovou o trabalho feito por um realizador da BBC. Muitos anos depois as imagens e o áudio original foram encontradas num depósito empoeirado na fazenda do baterista Bob Siebenberg. Transformado em Blu-ray em 2012, o vídeo contém versões de Goodbye Stranger e Breakfast in America ausentes do disco duplo de 1980. Agora esta preciosidade pode ser apreciada no Youtube.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

segunda-feira, 10 de março de 2014

Boa Vista - É absolutamente natural que jovens conservadores de direita sejam considerados os rebeldes do momento, embora oposição e rebeldia sejam coisas diferentes. A confusão ideológica é típica do pós-modernismo. Mas é provável que as pessoas ainda possam ser divididas entre as que querem progresso social ou que aceitam as coisas como são. É o que define esquerda e direita, vanguarda e tradição, avanço e regresso. A cultura rock surge no seio dessa dicotomia, mas com uma definição muito clara sobre seus objetivos: transformar. Acontece que na pós-modernidade, o visual e o som do rock são usados por qualquer idiota para auto-promoção. De Gustavo Lima a Lobão.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Feedback post for two died friends


Murilo Souza comandou o Rock do Finado por duas edições na Pizzaria Ícaro's, que fundou depois que saímos do Jornal Última Hora, onde trabalhamos com Sylvio de Carvalho, Zuleida Viana, Flávio Rabello, Marcelo Bussachi, Alfredo Maia e escrevíamos ouvindo rock em nossos gravadores cassete sincronizados. Tocaram por ali Odely Sampaio, Mário Wander, Elton Russo e outros caras importantes para a cena rock local. Mário morreu. Sylvio também. Há uma semana, Murilo deixou de ouvir hard rock, ele que há mil anos me apresentou Deep Purple e aquele disco do Jon Lord com um elefante de tromba amarrada que ele quis me dar mas, não sei porque, recusei. Recentemente baixei o disco (Before I forget) e voltei a ouvir por vezes seguidas a interpretação de Elmer Gantry de Where are you. Ia dar uma cópia para o Murilo, mas não houve tempo.

Zequinha Neto 1960-2011
A morte de Zequinha Neto deixa o jornalismo de Roraima um pouco pior. Também deixa a Universidade Federal de Roraima menos combativa, ele que em suas últimas publicações defendia a renovação do pensamento acadêmico na UFRR. Zequinha era uma baliza ética e profissional que irritava, sim. Aos incompetentes, aos desqualificados. Defensor da formação superior para o jornalista, Zequinha desprezava o jabá, os erros de português e de informação, a diagramação tosca, o fotojornalismo e o telejornalismo amador e a empáfia dos que usam os meios de comunicação para a auto-promoção e ataques pessoais.

sábado, 30 de julho de 2011

Heartbreak Hotel

Bucaramanga - Terra que já pertenceu a Guanes, Yariguíes e Chitareros, Bucaramanga hoje produz moda e calçados. Estupefato com o helicóptero que sobrevoa a cidade, centenas de metros abaixo do enlouquecido táxi amarelo que peguei na fria Pamplona para descer a falda da cordilheira oriental .


Devidamente instalado num hotel barato no centro de Bucaramanga, depois da farra com German, Sito e Alberto no Barrocko em Cúcuta. Calle 5, entre Avenidas 2 e 3. E teve aquele karaokê de Led Zeppelin. Saludos, amigos. 


segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Eu sou Ozzy

O verdadeiro e único
Morro de rir com a biografia do criador do Black Sabbath e seu talento nato para a confusão.
Ozzy tinha um urso empalhado, criava galinhas e tinha fliperamas. Atirava em tudo. Mais não posso dizer. Comprem.

Livro: Eu sou Ozzy
Autor: Ozzy Ousborne
Páginas: 416
Editora: Benvirá
Preço: R$ 39,90 

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Brevissima Enciclopaedia do Rock Roraima

Boa Vista -

Veludo Branco faz uma garagem entulhada de velhos amplificadores Marshall e garrafas vazias de Jak Daniel's um lugar mais aprazível.






Mr. Jungle faz hard rock como nos velhos tempos.



ALT-F4: Molecada cheia de punch. Eles querem ser Batman.



A longeva banda Garden faz rock n' roll sério e bem produzido e flerta, sem medo, com o temível regionalismo.


terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Publicado aqui

Boa Vista - O tempo voa. Publiquei aqui em novembro de 2004 um post sobre a eleição americana (for English readers):

Sad, sad day

That's it. Intollerance wins. Homophobia wins. Barbarians win. Fundamentalism wins. Rich people wins. Ignorant people, also. So, good-bye rock n' roll, hello Garth Brooks. Good-bye books, hi E! Entertainement Television. Good-bye yellow brick road, what's up, oil fields? We're living The Days of Our Lives and the president seems like an hibrid of Doctor Drake Ramoray (Friends) and Doctor Strangelove.

Sorry, dears readers, but unhappiness and rock n' roll are better told in english.

domingo, 8 de junho de 2008

Fest Rock

Boa Vista - O IV Roraima Sesc Fest Rock abriu inscrições para as bandas interessadas. O Festival acontece nos dias 11, 12 e 13 de julho e o regulamento está disponível no Núcleo de Cultura do Sesc Centro. Este ano, o Festival acontece no Ginásio Poliesportivo do Mecejana. São 15 bandas de Boa Vista, três de estados da Região Norte e mais três atrações nacionais já confirmadas. informações no Núcleo de Cultura do Sesc pelo telefone 3621-3947 ou com César Almeida, pelo telefone 8116-1187.

domingo, 11 de maio de 2008

Leio Jimi Hendrix, de Sharon Lawrence

Boa Vista - A jornalista Sharon Lawrence foi amiga de Jimi Hendrix e só finalizou este livro há pouco mais de dois anos.

Foi acusada de "puxar o saco" do músico por causa de sua ligação afetiva com ele, mas isso é coisa de crítico invejoso.

Lawrence consegue reconstituir a história do maior dos guitarristas desde a infância conturbada, a vida no exército e os primeiros trabalhos como músico profissional.

"Lenda" é o termo mais adequado para definir James Marshall Hendrix, o guitarrista mestiço de negros e índios nascido em Seattle que alterou para sempre o jeito de tocar (e ouvir) guitarra elétrica.

Dono de uma técnica muito pessoal, o mestre era amante de BBB: Bob Dylan, Beatles e Blues (pensou ontra coisa?).

Se estivesse vivo, muita gente penduraria a guitarra e talvez não fôssemos obrigados a ouvir Yngwie Malmsteen e outros chatos que confundem velocidade com criatividade.

Livro: Jimi Hendrix - A dramática história de uma lenda do rock
Autor: Sharon Lawrence
Editora: Jorge Zahar
Páginas: 356
Valor: R$ 29,90

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Na vitrola

Peter, Bjorn and Paul

Supercordas

Silversun Pickups

Feist

e o novo do Arcade Fire.

6 comentaram


quarta-feira, 2 de maio de 2007

Leio The Dark side of the Moon, de John Harris



Boa Vista - Não há grandes novidades além de algumas fotos inéditas neste trabalho do jornalista inglês John Harris. O que pretendia ser um livro sobre a gravação de um dos mais incríveis discos da história da música termina como um registro superficial das atividades da banda, desde o começo dos anos 60 em Cambridge até a histórica apresentação no Live Aid de 2005. Nada que a imprensa musical e outros livros já não tenham publicado, como Saucerful of secrets: The Pink Floyd Odissey, de Nicholas Schaffner (2003) ou Inside Out, do baterista Nick Mason (2004).

Mas há espaço para descobertas interessantes sobre o processo de gravação e comentários sobre a estranha sincronicidade entre o The Dark side of the moon e O Mágico de Oz. Infelizmente, Harris deixa claro sua antipatia por Roger Waters e usa algumas das entrevistas para isso, como a concedida por Peter Jenner, que foi empresário da banda nos primórdios.

“O pior eram as calças vermelhas com penduricalhos dourados que ele colocava ao lado do traseiro – o tipo de coisa que se coloca em cortinas. E ainda punha o isqueiro numa espécie de coldre, pendurado no cinto. Era terrivelmente brega. Mas se achava maravilhoso”, diz Jenner.



Bom, o autor é jornalista e inglês, né?

sexta-feira, 13 de outubro de 2006

Na vitrola

Belo Horizonte - Hoje, do Paralamas.
Barry Adamson, que é sugestão do Israel Barros e toca com o Nick Cave. Sim, ele é uma bad seed.
OK Go, que é divertido, de arranjos interessantes e pouco juízo. Na linha Sha-Na-Na.
Jet, que é a nova salvação do rock n' rol, tipo se você detesta o rótulo, precisa lembrar de Justin Timberlake, Kevin Federline, Robbie Willians, Pussy Cat Dolls e James Blunt. Portanto, no contexto da indústria cultural, blá blá, blá, blá, blá.

segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Desaparecidos XV, XVI, XVII e XVIII

Belo Horizonte - Perder discos dos Smiths é sempre doloroso. Se são LPs de vinil, a perda é maior. Especialmente quando estes estão entre os primeiros discos que você comprou.

The Smiths - O primeiro disco dos caras de Manchester é repleto de melancolia e cinismo pós-punk. Muita filosofia existencial, cinema e crimes. Da série de discos que salvaram nossas vidas.

Hatful of Hollow - Heaven knows i'm miserable now, How soon is now e Handome Devil estão entre as 50 melhores músicas que começam com a letra H. Tem ainda a mediterrânea Please Please Let Me Get What I Want e outras pérolas, como Girl Afraid e This charming man. Gravado parte no estúdio, parte ao vivo no programa John Peel com alta inspiração, Hatful of Hollow é o melhor disco da banda. Embora digam por aí que o melhor é o The Queen is Dead.

Meat is murder - Ainda não tinha esse, o terceiro, quando Nasser Hamid propôs trocar pelo recém-lançado Momentary Lapse of Reason, do Pink Floyd. Topei. O estranho terceiro disco tem coisas pouco executadas, mas não menos brilhantes, como Well i wonder, What She Said, That Joke Isn't Funny Anymore e Barbarism Begins at Home, além da música mais anti-açougue da história, Meat is Murder.

The queen is dead - Ela ainda está viva, mas sua majestade havia sofrido pouco nas mãos dos Sex Pistols. Faltavam algumas pancadas dos Smiths. Querido charles, você não anseia aparecer na primeira página do Daily mail vestido com o véu de noiva de sua mãe?, provoca Morrisey. No final dos 80, algumas garotas eram bigger than others. Lembra as idas da velha turma aos Cemetry Gates. Lembra quantas vezes acabamos a festa ouvindo I know it's over. Certas luzes nunca se apagam.

sexta-feira, 1 de setembro de 2006

Desaparecidos (Cap. XIV)

Belo Horizonte - Gosto das veres de "Perfect Day", "Riptide" e "Busload of faith" contidas nesta Perfect Night in London, do mestre do new-journalism em versos, Lou Reed. Hoje toca em algum lugar de São Paulo, presa de algum receptador de CDs roubados.

terça-feira, 29 de agosto de 2006

Leio Almanaque Anos 70, de Ana Maria Bahiana

Belo Horizonte - Parte de meu ralo conhecimento sobre cultura pop devo a Ana Maria Bahiana, que junto com José Emílio Rondeau, Alex Antunes, Thomas Pappon, Jean-Yves de Neufville, Marcel Plasse e outros escribas da Revista Bizz influenciaram significativamente o texto e as idéias da minha geração, nascida nos anos 70.

É desse período o Almanaque Anos 70 (R$ 49, Ediouro, 416 p.): os sons, as cores, a moda, a música, o cinema, a comida, os brinquedos, os móveis, os cheiros, os carros e a memorabilia de uma época de transformações sociais e tecnológicas, berço e nascedouro dos últimos literatti.

Se você foi criança nos anos 70, não pode perder. Se já era adulto, acenderá um incenso. Se não viveu os anos 70, vai aprender um bocado sobre aqueles tempos de cabelos compridos, boca-de-sino, discoteca, macrobiótica, cavalo-de-aço... Recomendo enfaticamente.

domingo, 27 de agosto de 2006

Post número 1000 (P2P)

Belo Horizonte - Há mash-ups improváveis na rede, como os que reúnem Gang of Four e 50 Cent; Black Eyed Peas e Traveling Wilburys; The Clash e Gwen Stefani; Crosby, Stills, Nash & Young e Moby (participação de Public Enemy); Jimi Hendrix e Brk, Simon & Garfunkel e Depeche Mode, Snoop Dogg e Queen...

segunda-feira, 21 de agosto de 2006

sexta-feira, 2 de dezembro de 2005

Notas sociais 2

Belo Horizonte -

Israel Barros e Laura largaram Marselha por uns dias. Desembarcaram em Belo Horizonte, onde fomos aos Chopps no Lord Pub, com Christian, Michel, Dominique, Juliana, Manoelita e entourage. Durante apresentação da banda It's Only Rolling Stones, todo o sarcasmo enriquecido como urânio iraniano dos autores dO cabuloso destino e destas e-pístolas vem à tona em brado nonsense:

- Toca Stairway to heaven!

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...