domingo, 28 de abril de 2002

Haddad

São Paulo - De repente me deu vontade de escrever sobre o Haddad, mas não valeria a pena, porque seria pouco. Precisaria de 20 páginas só pra começar. O que leva sua história para a lista de microbiografias que comecei a escrever pela letra Z. De Zau.

Naná, Marina e Haddad

São Paulo - Conheci o trabalho de Naná no disco Codona - as iniciais de COllin Walcott, DOn Cherry e Nná Vasconcelos. Foi na casa do Haddad, em Boa Vista, numa tarde de violões na começo dos 90, quando meu velho e agora morto amigo desenvolveu seu grande plano de seqüestrar (por uns dias, é claro) a Marina Lima. Haddad era como alguns santos. Santos Dumont, Saint-Exupéry. Era piloto. Haddad Voava.

O celular de Naná é a lua

São Paulo - Naná Vasconcelos é um cara que dispensa apresentações - nada como um lugar-comum do tipo 'dispensa apresentações' para facilitar a comunicação com grandes massas de leitores ignóbeis de blog, mas isso seria limitar o assunto.

Naná já tocou com Talking Heads, BB King, Jean-Luc Ponty, Pat Metheny, Paul Simon… Melhor dizendo, estes caras tocaram com ele. NV hoje tenta viver no Brasil, onde sua arte nunca rendeu muito. Vai ter que se contentar com viagens freqüentes ao exterior, onde seu trabalho é muito bem pago. Gasta parte da grana com crianças pobres e se emociona toda vez que fala no Brasil, na sua terra.

Não sei o que dizer sobre nacionalismos e congêneres, mas sei o que é saudade. Naná é um exilado involuntário num mundo cão, tentando ficar junto aos que o rejeitaram e - por isso mesmo - lhe ajudaram a chegar ao topo na sua especialidade.
O cara é muito, muito bom mesmo. Músico do corpo e da alma. Viva Naná, patrimônio do Brazil.

sábado, 27 de abril de 2002

Agenda

São Paulo - Shows desta semana na cidade: The Mission, Stephen Malkmus, Otto, Nação Zumbi, Ira...

Eu e Baudrillard

São Paulo - Na Bienal, assisto a palestra interessante e ainda faço perguntas a Jean Baudrillard (muito chique) sobre a sociedade de consumo, o auto-sacrifício dos terroristas e sobre como essa disposição de morrer é levada (oferecida) à nação mais poderosa, como alternativa honrosa ao combate. Trata-se de uma proposta bem indecorosa, mas altamente crível. Encetei pequeno colóquio (em inglês) com o rabugento francês.

Livros, livros, livros

São Paulo - Ontem fomos à Bienal com o Liu e ninguém disse que ele estava proibido de ter acesso à literatura adulta ou qualquer outra literatura, porque "ele é muito pequenininho".

No Otto 4 U, Liu

São Paulo - Hoje fomos barrados no show do Otto & Nação Zumbi, que acontece agora no velódromo da USP. Um absurdo proibirem os bebês de assitir a concertos de rock. É o mesmo caso do casal de músicos eruditos que não puderam entrar com seu bebê num concerto.. por força de uma lei estúpida que visa garantir excluídos culturais.

quinta-feira, 25 de abril de 2002

Atlântida, Jurubatuba e Barra Funda

São Paulo - Neste dia de greve de ônibus em São Paulo, em que andei pela Barra Funda e vi tigres siberianos na frente da TV Record, percebi que Jurubatuba-Osasco é bem melhor que Júlio Prestes-Etc e atravessei a ponte Cidade Universitária a pé no horário de pico observando, na massa escura, brilhante, espessa e lustrosa que é o rio Pinheiros, que alguma coisa borbulhava lá embaixo. Atravessar a saída da marginal pode ser suicídio, razão pela qual esperamos uma eternidade até passar pelo velódromo da USP, que recebe Otto e Nação Zumbi na próxima sexta-feira, trazendo ritmo, atitude e aquela antenada de Recife, que é local sendo global, tendo no mar um rio a atravessar, para encontrar lá a saudade de cá, e se Israel não sabe a diferença entre civis e militares, nem sabem os Estados Unidos, nem a França de Napoleão, cuja biografia estou lendo (e gostando), escrita pelo mesmo cara (Emil Ludwig) que fez Bolívar e se compartilho do mesmo interesse de Garcia-Márquez por ditadores e outras figuras despóticas, antipáticas e, porque não dizer, carismáticas, é porque se tais tipos não são interessantes, que tipos serão?, ou, apelando para novas proposições polêmicas e eugênicas de escritor não-publicado - um jornalista super-publicado pode lamentar ou alegar essas coisas? - que os estúpidos me perdoem, mas inteligência é fundamental, e lamentar a frase infeliz, lamentar a adesão à barbárie geral dos nossos dias, lamentar a aceitação da intelligentzia como modus vivendi que precisa ser mantido ad nutum num mundo que é muito pro tempore; e lamentar a falta de humildade, a falta de re-conhecimento do limite emocional das pessoas que amo, da incompreensível insatisfação do limbo, da condição nímbica de nossos dias, se é que posso dizer coisas assim tipo Geração X revoltada e ao mesmo tempo saber que, no interior da Terra moram criaturas imberbes e esquentadas, que a Atlântida é uma festa no verão gaúcho e que Ushuaia não é tão longe assim.

segunda-feira, 15 de abril de 2002

Blog?

Blig.

Blog?

Bleg.

Blog?

Blag.

Chavo

São Paulo- O resgate de Chávez foi muito louco. Uma brigada de paraquedistas invadiu o cativeiro, numa ilha (La Orchilla) e libertou o presidente em ação hollywoodiana. Os golpistas estão sendo presos e HC volta ao Miraflores. Não foi dessa vez, uncle Sam.

Bushada

São Paulo- Hugo Chávez havia sido seqüestrado pelos golpistas, que inventaram a história da renúncia. O cara foi levado para cinco lugares diferentes dentro do país. Loucura. Bush 2 deve estar furioso com esse milico maluco no governo do quarto maior produtor de petróleo. Mandou dizer que espera que a Venezuela tome um rumo decente: o rumo que o FMI, primeira entidade a admitir o golpe de estado, deseja.

Chav'z back

São Paulo - Incrível. Chávez voltou ao governo da Venezuela. Incrível. E nem tive tempo de escrever um post sobre o papo que tive num chat da Venezuela onde, infelizmente, havia um brasileiro dizendo que o venezuelano é um "povo inferior", formado por negros e índios. Tive vontade de matar o imbecil, descobrir o endereço dele e ensinar-lhe boas maneiras. Me enojam tais figuras. Isso é falta de escola.

domingo, 14 de abril de 2002

Rock e/é Cultura

São Paulo - Os programas Musikaos e Alto falante, exibidos nas madrugadas de sábado na TV Cultura podem ser a salvação da TV aberta. Um horário para roqueiros casados.

Insones

São Paulo - É 1h36 da manhã e meu filho está acordado, brincando. Legal.

sábado, 13 de abril de 2002

Golpe na Venezuela

São Paulo - Militares caudilhos, ignóbeis seguidores de George W. Bush, depuseram Hugo Chávez, depois de batalha campal nas ruas de Caracas. Surpreendentemente, elegeram um civil para chefiar a nova junta ditatorial. É incrível que estejamos assistindo, em pleno século 21, a mais um golpe militar na América Latina, mais uma mancha na democracia, em nome de uma “ascese” estapafúrdia. Chávez era meio maluco mas não muito diferente da maioria do povo pobre da Venezuela, que confiou a própria vida a ele. Deposto pelos poderosos (leia-se Tio Sam), HC deve asilar-se em Cuba para assistir ao golpe de camarote.

É duro constatar mais uma vez que a tentativa de “desalinhar-se” com os donos do hemisfério pode custar caro. A “América” prevalece ,mais uma vez. E assistiremos, calados, a notícias como: “O FMI é a primeira entidade internacional a reconhecer o novo governo venezuelano”.

Como estará meu pai, na Venezuela? Ele era favorável ao Chávez. Morei seis anos naquele país, talvez os mais importantes (primeira infância). Me preocupa muito o que acontece por ali.

Rede

São Paulo - Índio na rede. Mitos digitais. Minha dissertação vem aí.

quarta-feira, 10 de abril de 2002

Branco

São Paulo - Não sei o que escrever. Tinha mil coisas para colocar aqui e de repente, nada. Branco. Era importante? Era sobre política? economia? direitos humanos? jornalismo? blog? MST? USP?

domingo, 7 de abril de 2002

Pane

São Paulo - O blogger saiu do ar. Demorou, mas voltou. Ele tem dessas.

Leio Napoleão, de Emil Ludwig.

São Paulo - Biografia do espevitado francês. Sujeitinho único, esse aqui. Parece ser o ídolo maior de Ottomar Pinto. Do nascimento em berço não-esplêndido ao exílio em Santa Helena; da volta triunfabte à decadência política, uma revisão política de uma personalidade ímpar.

Em conversa com Jair Borin, descubro que ele prefere a de biografia de Napoleão feita pelo Alexandre Dumas. Justo.

Bloqueio

São Paulo - É quase uma da manhã e ainda não terminei a matéria sobre a Casa de Detenção para o Jornal da OAB. Tô com alguma trava, porque queria bolar um texto literalmente literário - consegui um pleonasmo ipsis literis -, mas pelo jeito não vou conseguir. Difícil criar alguma coisa experimental sem cair num pedantismo intelectual (porque existem outros pedantismos) que choca os defensores da pretensa objetividade jornalística.

sexta-feira, 5 de abril de 2002

Awake

São paulo -
Tenho um dia cheio daqui a pouco, mas a insônia permanece. Imnsonia remains the same.

Letras devoradas

São Paulo - Li apenas nove livros no primeiro trimestre de 2002, o que é uma média razoável, mas ainda insatisfatória. Vamos a eles:

1 - O Falador (Mario Vargas Llosa)
2 - Uma estranha realidade (Carlos Castañeda)
3 - A terceira visão (Lobsang Rampa)
4 - Trópico de Capricónio (Henry Miller)
5 - Memórias do Cárcere I (Graciliano Ramos)
6 - Memórias do Cárcere II (Graciliano Ramos)
7 - O Diário de Bridget Jones (Helen Fielding)
8 - Cheiro de Goiaba - Diálogos com Gabriel García-Márquez (Plínio Apuleyo Mendoza)
9 - O Quarto de Jacob (Virginia Woolf)


O Falador, de Llosa é uma fabulosa (palavra que tem que ser entendida em seu significado original, e não em acordo com o adjetivismo primário de nossos dias) novela movida a turning points, com aquelas mudanças radicais que nos causam arrepio, embora sem muita surpresa. O que considero uma grande vantagem, já que a surpresa pura e simples pode ser bem decepcionante, enquanto algo que anuncia-se sorrateiramente, aproxima-se com cuidado, faz ameaças e recuos e, principalmente, provoca-nos a sensação de que pode não ser o que estamos imaginando, me parece muito mais satisfatório. Não confundir com previsível.

Uma estranha realidade é o segundo livro de Castañeda, feito sete anos depois de A Erva do Diabo (odeio o título em português), que foi traduzido em mil línguas e vendeu bilhões de livros mundo afora, tornando o antropólogo de nome fake Carlos Castañeda conhecido internacionalmente. Depois de curtir os louros da fama, ela volta ao Novo México e apresenta a obra ao velho mestre don Juan, que faz pouco caso dos conceitos de fame, fortune and glory de nosso amigo - que sempre se diz violentado pelas alucinações mas não deixa de mascar peiote e viajar por outras dimensões.

A terceira visão é um livro que deixei de ler na adolescência por causa de um Edgar Allan Poe sempre à mão. Acho que fiz bem. Ou não? Rampa tem uma escrita semelhante ao passo e ao fôlego dos orientais, o que é curioso. Assim como suas descrições cruas de rituais místicos tibetanos e de seu pouco caso com a morte. Comprei Entre os monges do Tibete, mas este é o último da trilogia que começa em A Terceira visão. Falta-me O médico de Lhasa.

Trópico de Capricórnio não merece comentários. Leiam. Se posso dizer qualquer coisa sobre esse livro é que talvez ele seja o tipo de obra que nós, espirantes a escritor, planejaremos durante toda uma vida e talvez venhamos a morrer sem fazê-la. Cru, amoral, machista, despótico, autêntico, sem freios. Li uma edição dos anos 60, com uns poucos grifos feitos pelo leitor da época, nas primeiras páginas. Depois não há mais grifos, provando que o livro conta mais sobre sua vida do que você possa imaginar. Encontrei milhões de motivos. Mas não fiz nenhum grifo.

As Memórias do Cárcere aqui consideradas como dois livros por imposição da Editora José Olympio, nessa edição do começo dos anos 70. Pungente. O cara é bom em descrições estóicas e, por incrível que pareça, muito pouco auto-comiserativas. Rachel de Queiroz, Nise da Silveira, José Lins do Rego, Jorge Amado, Olga Prestes e Sobral Pinto, entre outras figuras ilustres, obscuras e excêntricas, aparecem nas suas 676 páginas (373 do primeiro mais 303 do segundo volume). Só para abusar do lugar-comum, é o retrato de uma(s) época(s).

O Diário de Bridget Jones é um dos best-sellers do momento, mas não quer dizer que seja ruim. Humor inglês despretensioso, até meio novaiorquino, numa mescla de Woody Allen e Mike Leigh em comédia shakesperiana dirigida por Kenneth Branagh. Ou também pode não ser nada disso. Um livro mulher. Uma livra.

Cheiro de Goiaba, frase que não aparece no livro, é creditado a Gabriel García Márquez mas na verdade é de Plínio Apuleyo Mendoza, amigo íntimo de Gabo e autor de singela biografia desse colombiano-maluco-parecido-com-meu-pai. Altas revelações sobre técnicas literárias e superstições do Caribe.

O Quarto de Jacob marca o início da fase experimental de Virginia Woolf, com seu belo texto poético estilhaçado em mil pedaços, esculpindo personagens incompletos, omitindo emoções que depois são exteriorizadas violentamente. Uma saraivada. Grande livro. Um trecho, na página 80: "Ou somos homens ou somos mulheres. Ou somos frios, ou somos sentimentais. Ou somos jovens, ou estamos envelhecendo. Em qualquer caso, a vida não é senão uma procissão de sombras, e sabe Deus por que as abraçamos tão avidamente e as vemos partir com tal angústia, já que não passam de sombras."

Do inferno

São Paulo - Hoje visitei o inferno. Era um sonho antigo. Estive nos pavilhões 6 e 8 da Casa de Detenção, que está sendo desativada, numa pauta para o Jornal do Advogado. Percorri aquelas celas vazias sentindo uma apreensão previsível e uma energia ruim que já era esperada. Fotos, livros, documentos, cadeiras, espelhos quebrados, copos, muletas, solidão.

Percebi, entretanto, que além do cheiro de comida podre, de madeira encharcada, das manchas nas paredes infiltradas, dos grafites, das fotos de mulheres das revistas pregadas nas paredes e do miado dos gatos abandonados, que ali (ainda) reina uma atmosfera de desesperança, ódio, violência e sangue.

segunda-feira, 1 de abril de 2002

Saudades

São Paulo - De Porlamar, Ciudad Bolívar, Juan Griego, Santa Elena, a estrada litorânea até Güiria, Georgetown, Paramaribo... Quanta coisa se perde nestas latitudes.

Março já era

São Paulo
Que venham os próximos. Gosto de março. Um pouco quente, mas gosto. Andréa deprê, não consegue adiantar a dissertação.

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...