domingo, 29 de janeiro de 2017

Foto de Avery Veríssimo.

"De fato, se desejamos escapar à crença de que esse mundo assim apresentado é verdadeiro, e não queremos admitir a permanência de sua percepção enganosa, devemos considerar a existência de pelo menos três mundos num só. O primeiro seria o mundo tal como nos fazem vê-lo: a globalização como fábula; o segundo seria o mundo tal como ele é: a globalização como perversidade; e o terceiro, o mundo como ele pode ser: uma outra globalização. "


(Milton Santos, geógrafo brasileiro)

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Foto de Avery Veríssimo.

"Como os mercados se transformam cada vez mais em estruturas e tecnologias algorítmicas, o único conhecimento útil será algorítmico. Em vez de pessoas com corpo, história e carne, inferências estatísticas serão tudo o que conta. Como resultado da confusão de conhecimento, tecnologia e mercados, o desprezo se estenderá a qualquer pessoa que não tiver nada para vender. A noção humanística e iluminista do sujeito racional capaz de deliberação e escolha será substituída pela do consumidor conscientemente deliberante e eleitor. Já em construção, um novo tipo de vontade humana triunfará. Este não será o indivíduo liberal que, não faz muito tempo, acreditamos que poderia ser o tema da democracia. O novo ser humano será constituído através e dentro das tecnologias digitais e dos meios computacionais."
(Achille Mbembe, historiador camaronês)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017



"Nas sociedades capitalistas em que vivemos e que, aliás, além de serem capitalistas, são colonialistas e patriarcais, não é possível democracia plena porque ela só opera (e mesmo assim com muitos limites) ao nível do sistema político, enquanto as relações sociais diretamente decorrentes dos três modos de dominação (capitalismo, colonialismo e patriarcado. Ou seja, as relações patrão/trabalhador, branco/negro ou indígena, homem/mulher) só muito marginalmente podem ser democratizadas a partir do atual sistema político. A democracia brasileira tinha mais intensidade antes do golpe parlamentar-midiático-judicial do que tem agora. A simples composição do governo mostra como a democracia é agora mais capitalista, colonialista e patriarcal."


(Boaventura de Sousa Santos, sociólogo português)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017



Roger Waters não é exatamente o maior fã de muros. Para demonstrar isso ao presidente dos Estados Unidos, a digressão Us and Them percorre os Estados Unidos de norte a sul em 2017. O recado do comunista e criador do Pink Floyd foi curto: "A resistência começa hoje".


"Você pode protestar com palavras o quanto quiser. Há apenas uma condição associada à liberdade que nós gostaríamos muito de encorajar: seus protestos podem ser tão barulhentos quanto possível, desde que continuem a ser ineficazes... Qualquer tentativa de remover seus opressores pela força é uma ameaça à sociedade civilizada e ao processo democrático... Se vocês recorrerem à força, nós vamos, se necessário, tirá-los da face da terra pela resposta comedida que faz chover fogo dos céus".
(Barrington Moore, sociólogo norte-americano sobre o poder da máquina em 1968)


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017



Chegamos finalmente a uma era em que todo debate é inútil. A conjuntura internacional demonstra que chegamos a um ponto de ruptura. Polônia, Hungria, Turquia e Estados Unidos já estão sob as mãos da direita. A França pode ser a próxima. E se houver não reação ao fenômeno, em 2018 será a vez do Brasil.


A classe trabalhadora, que é historicamente ( e estoicamente) conservadora, não entendeu as conquistas sociais que a deixou numa nuvem de felicidade, se comparada ao século 19. A classe trabalhadora não apenas ignora, mas detesta história. Alega que o passado não interessa porque é passado. Pensa no futuro na forma de dívidas de longo prazo.


O poder de comunicação da velha direita supera qualquer capacidade de diálogo. O fascismo vai grassar por todo o mundo ocidental nos próximos anos. Depois de sofrer bastante por nossa causa, nossos descendentes conseguirão remover essas barreiras porque aprenderão com o banco de dados, A história e seus ensinamentos vão se impor graças à internet.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Verás que um filisteu não foge à luta.
Branco, gordo, religioso e não frequentou a universidade. O perfil do eleitor de Donald Trump, que comemora hoje uma nova era de incertezas, pode ser encontrado com poucas variações na França e no Brasil.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Julian Assange tem poucas horas para fechar um acordo aceitável com os Estados Unidos antes da saída de Barack Obama. O activista não terá a mesma oportunidade após Donald Trump assumir o cargo. Obama sinalizou a possibilidade em dois gestos. Ontem comutou a pena de Chelsea Manning, a militar transsexual que divulgou 700 mil documentos secretos, presa desde 2013. Foi Manning que divulgou o vídeo do helicóptero a bombardear civis friamente no Iraque e atraiu a atenção internacional para os crimes de guerra norte-americanos. Na última entrevista como presidente, há alguns minutos, Obama defendeu o direito de expressão e a liberdade de imprensa, o que parece ser um segundo gesto em favor do acordo. Julian Assange está sitiado na embaixada do Equador em Londres desde junho de 2012. Uma pena injusta e já cumprida.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

No Brasil, as universidades estão repletas de núcleos de pesquisa fantasmas que consomem verbas públicas. Centros de Tautologia que aumentam a distância entre a ciência e a sociedade. É dever do cientista sério combater o parasitismo que sangra a universidade pública.

Satanistas são clientes insatisfeitos.