sábado, 30 de dezembro de 2006

A vida e os limões

Porto Velho - Comprar peixe no Mercado Cai n'água, à beira do Rio Madeira, exige técnicas marroquinas de negociação, olhar de dona-de-casa, faro de gourmet.

O tambaqui pescado no rio, cuja carne sabe a todos os nutrientes da imensa Amazônia, é mais caro que os peixes criados em cativeiro, em que o amarelado da pele denuncia a ração.

Entre os melhores exemplos de verve mercantil está o Paixão, singelo vendedor de dourados (tinha, mas acabou) curimbas e tambaquis. "Aqui freguês compra o peixe e ganha o limão". A propaganda é tão boa que o freguês esquece os limões no final, eximindulgindo Paixão de qualquer crime.

terça-feira, 26 de dezembro de 2006

O Oeste

Porto Velho - O velho bandido me encarou com raiva, a barba mal-feita desenhando traços duros, pronto para sacar o colt. As portas do saloon bateram por causa do vento e um arbusto seco rolou pela rua. O sol se punha do lado esquerdo. Entre nós, apenas dez passos.

Epílogo
A poeira era tanta que deixava tudo ao redor avermelhado. A rua, as casas, tudo é vermelho.

domingo, 24 de dezembro de 2006

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

On the road

Belo Horizonte - Maria, pega o mato, é hora. Arriba a saia, vamos embora.

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

Reacionário


Ver Pete Townshend na Rolling Stone apoiando o sionismo armado e George Bush; destratando fãs e detonando companheiros de banda (Roger Daltrey seria um não-sico e o falecido John Entwistle, um junkie dominado pela namorada) é prova que do artista devemos reverenciar apenas a obra. Pessoas são imperfeitas.
Belo Horizonte - Angelo badala mentes
David lincha.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

sábado, 2 de dezembro de 2006

Belo Horizonte - Ele é o afeto e o presente, pois abriu a mansão ao inverno espumante e ao rumor do verão, ele que purificou a bebida e os alimentos, ele que é o charme dos lugares em fuga e a delícia super-humana das estações. Ele é o afeto e o futuro, a força e o amor que nós, pisando sobre ódios e tédios, vamos passar num céu de tempestades e bandeiras de êxtase.

Ele é o amor, na perfeita medida reinventada, razão maravilhosa e imprevisível, e a eternidade: adorável máquina de qualidades fatais. Sentimos o terror de sua concessão e da nossa: ó prazer de nossa saúde, élan de nossos sentidos, afeto egoísta e paixão por ele, ele que nos ama em sua vida infinita.


(Arthur Rimbaud, Iluminuras)

sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

segunda-feira, 13 de novembro de 2006

A ponte que sumiu

Belo Horizonte - Matéria do Jornal Hoje (TV GLobo) informa que "finalmente" uma ponte foi construída (com recursos do Banco do Brasil) sobre o Rio Orinoco, na Venezuela, uma revolução na logística do país, que antes dependia do transporte por balsa.

Mentira. Desde 6 de janeiro de 1967 há uma ponte na região, em Ciudad Bolívar. Cruzei-a várias vezes. Chama-se Puente Angostura e é uma belíssima obra de engenharia, totalmente desconhecida do repórter enviado à região.

O erro de informação é resultado da arrogância da emissora, que envia repórteres do Sudeste para cobrir matérias na Bolívia, Colômbia, Venezuela e outras regiões, sem nenhum conhecimento das filigranas regionais. Morar no Rio de Janeiro ou São Paulo não faz de um repórter especialista em política venezuelana. E, francamente, ouvir a opinião dos cidadãos sobre o Governo Chávez é muita falta de imaginação.

O jornalismo da Rede Globo é superficial porque valoriza quantidade mais que qualidade. A única exceção ainda é o Globo Repórter, que aprofunda mais os temas, embora a pauta nem sempre seja interessante. Ao repórter oferecemos a foto da ponte e alguns links para deixá-lo melhor informado sobre o país de Wilmer Walderrama. Quem?! Bom, se 30 anos de profissão são insuficientes para nutrir um jornalista de informações fundamentais sobre política e economia do continente, que dizer da cultura pop?

sábado, 4 de novembro de 2006

P2P não é crime

Belo Horizonte - Baixar músicas em sistemas de troca de arquivos não é crime, pelo menos para a juíza espanhola Paz Aldecoa, da cidade de Santander. Aldecoa absolveu esta semana um homem de 48 anos acusado de compartilhar músicas pela Internet e abriu um novo precedente na batalha entre gravadoras e usuários da rede. Leia mais.

segunda-feira, 23 de outubro de 2006

Hiperliteratura, de graça, para as massas

Belo Horizonte - A revista eletrônica de micronarrativas é temática. O número 1 tratou dO Banal. O atual, dO Azul. Além de jovens talentos de Portugal, Espanha e Brasil, há criações gráficas de Margarida Delgado, Dionísio Leitão e Ana Oliveira. Bela foto de Margarida Delgado ilustra a capa.

Projeto editorial maduro, graficamente bem organizado, autores afiados, Minguante é literatura contemporânea em pixels. Muda-se o suporte, mantém-se a mensagem. Loas ao corpo editorial formado por Fernando Gomes , Henrique Manuel Bento Fialho, Luís N. e Margarida Delgado.

Todos os textos merecem leitura, mas aí vão duas dicas de cada país: Inmaculada Luna e Francis Vaz (Espanha), Sílvia Chueire e Márcia Maia ( Brasil) , Rui Almeida e Vitor Mateus (Portugal).

Nesta edição, um noir infame de minha autoria. Publique também.

sexta-feira, 13 de outubro de 2006

Na vitrola

Belo Horizonte - Hoje, do Paralamas.
Barry Adamson, que é sugestão do Israel Barros e toca com o Nick Cave. Sim, ele é uma bad seed.
OK Go, que é divertido, de arranjos interessantes e pouco juízo. Na linha Sha-Na-Na.
Jet, que é a nova salvação do rock n' rol, tipo se você detesta o rótulo, precisa lembrar de Justin Timberlake, Kevin Federline, Robbie Willians, Pussy Cat Dolls e James Blunt. Portanto, no contexto da indústria cultural, blá blá, blá, blá, blá.

segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Caricatura



Avery Veríssimo, por José Alves Neto.
Belo Horizonte, Outubro de 2006

Totem 2

Belo Horizonte - Numa cantina italiana, oito amigos discutem a vida pós-estouro da bolha da blogosfera. A discussão já dura uma hora e estamos num momento impreciso da cronologia, pois que no virtual esta frase tem a mesma (val)idade que esta e enquanto isso não se sabe mais com quem está a palavra. A mistura de discursos exige uma tomada de providência. Resolvo assumir a parada, embora sem nenhuma intenção de encerrar o assunto.

- Não, não, interrompi. Acho que vivemos algo parecido com a transição da literatura para o cinema e daí para a televisão. Da mesma forma que as pessoas passaram a ler menos com o audiovisual, o hipertexto passou a ser desprezado se se mantém apenas como texto. Os internautas deste século querem ver, ouvir. Viajar em sensações programadas, ser conduzidos pela grade de opções da rede, como telespectadores dos programas de domingo à tarde.

- É, mas isso não é de todo verdade, diz Leãdro Wojak. O cinema, por exemplo, já foi tido como destruidor da literatura, mas não conseguiu fazer isso, e nem era essa sua intenção. Assim como a televisão não destruiu o cinema. As mídias podem conviver umas com as outras, tranqüilamente.

- Sim, mas isso não explica a queda brutal de audiência do meu blog, ri Edgar Borges.

- É que você é um ciberdissidente, gargalha Vandré Fonseca, reconhecendo logo depois a própria condição de publicador bissexto.

- O problema é que a gente não ocupa bem esse território anárquico do ciberespaço. Nós temos que avançar, rapaziada, entrar de sola nas outras formas de sociabilidade, com áudio, vídeo e o escambau, propõe um empolgado Israel Barros.

- Rapaz, não tenho certeza disso. Falta afetividade. Em vários lugares a territorialidade é importante. E não falo só do Acre. Em Guarulhos, não há campanha na TV. A eleição se decide com santinho e cartazete na rua. Ao mesmo tempo, a política é exercida de forma cada vez menos territorial e mais virtual. Portanto acho que é a possibilidade de falar, isso mesmo, simplesmente falar, que vai garantir nossa sobrevivência, atesta um messiânico Maurício Bittencourt.

- Mas isso só aumenta a dispersão, avalia Nei Costa. A internet é um punhado de lixo, muitas vezes reciclado, a maior parte inútil. Garimpar algo bom é tão difícil quanto garimpar mesmo. Por isso é que temos de instigar o povo a assumir os media.

- Falas como um comunicólogo, meu caro. O que todos nesta mesa, de certa forma, são, observo.

- E o corporativismo, onde fica? Não é assim não, qualquer um metendo o bedelho na nossa mais-valia?, grita Rogério Christofoletti, posando de sindicalista radical.

- Ó pá, mas que diabos vocês estão a dizer? Blogue é edição. Blog é edição. Blogging is editing. Mesmo, Avery, que um bandalho como tu, armado em chico esperto na terra da pavórnia, venha a dizer o contrário. E peçamos algo para comer, decreta Luís Ene.

- Só se for agora, atalha Leãdro, ávido por umas saltenhas chilenas das que têm na Vila Madalena. Saltenhas!

- Chico Esperto, como é que é isso?

- É comida italiana, italiana, grita o Vicenzo.

- Então mande mais algumas biras, grita Edgar.

- Você não era assim, diz Nei.

- Ô vida dura.

domingo, 8 de outubro de 2006

Manifesto

Estão abolidas, a partir de agora, todas as novas idéias sobre como manter as coisas do jeito que estão.

quinta-feira, 5 de outubro de 2006

terça-feira, 3 de outubro de 2006

Lula x Alckmin

Belo Horizonte - E agora, votar em quem? Faça nos comentários sua sugestão para o segundo turno da eleição para presidente do Brasil.

segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Desaparecidos XV, XVI, XVII e XVIII

Belo Horizonte - Perder discos dos Smiths é sempre doloroso. Se são LPs de vinil, a perda é maior. Especialmente quando estes estão entre os primeiros discos que você comprou.

The Smiths - O primeiro disco dos caras de Manchester é repleto de melancolia e cinismo pós-punk. Muita filosofia existencial, cinema e crimes. Da série de discos que salvaram nossas vidas.

Hatful of Hollow - Heaven knows i'm miserable now, How soon is now e Handome Devil estão entre as 50 melhores músicas que começam com a letra H. Tem ainda a mediterrânea Please Please Let Me Get What I Want e outras pérolas, como Girl Afraid e This charming man. Gravado parte no estúdio, parte ao vivo no programa John Peel com alta inspiração, Hatful of Hollow é o melhor disco da banda. Embora digam por aí que o melhor é o The Queen is Dead.

Meat is murder - Ainda não tinha esse, o terceiro, quando Nasser Hamid propôs trocar pelo recém-lançado Momentary Lapse of Reason, do Pink Floyd. Topei. O estranho terceiro disco tem coisas pouco executadas, mas não menos brilhantes, como Well i wonder, What She Said, That Joke Isn't Funny Anymore e Barbarism Begins at Home, além da música mais anti-açougue da história, Meat is Murder.

The queen is dead - Ela ainda está viva, mas sua majestade havia sofrido pouco nas mãos dos Sex Pistols. Faltavam algumas pancadas dos Smiths. Querido charles, você não anseia aparecer na primeira página do Daily mail vestido com o véu de noiva de sua mãe?, provoca Morrisey. No final dos 80, algumas garotas eram bigger than others. Lembra as idas da velha turma aos Cemetry Gates. Lembra quantas vezes acabamos a festa ouvindo I know it's over. Certas luzes nunca se apagam.

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

Leio Cinzas do Norte, de Milton Hatoum

Belo Horizonte - Entre outras estórias, um artista que deixa a Amazônia para cumprir auto-exílio noutras plagas. Mais do que isso, um livro sobre amizade, arte, dramas familiares, sobre a morte, sobre destinos não-cumpridos, sobre natureza devastada, sobre natureza humana, sobre política. A narrativa original de Milton Hatoum permite que o retrato do inconformismo e da inadequação ganhe cores surpreendentes neste livro sobre o(s) desterro(s).

Algumas pessoas fazem o impossível para deixar seu lugar e às vezes vão longe demais.
(p. 160)

Pensei: todo ser humano em qualquer momento de sua vida devia ter algum lugar aonde ir. Não queria perambular para sempre... morrer sufocado em terra estrangeira. (p. 308)

Cinzas do Norte
Companhia das Letras
311 Páginas
R$ 41,00

O Onze

Belo Horizonte - Há cinco anos um grupo de estudantes de pós-graduação assistia, pela internet, aviões sendo lançados contra o World Trade Center e o Pentágono, no coração do Império Americano. O local: um dos laboratórios de informática da ECA-USP. Os estudantes eram, salvo engano, o autor deste blog, o cartunartista Marcelo D' Salete; o jornambientalista Alberto Gonçalves; o criador do Barata Elétrica, Derneval Cunha e Antônio Filho, excêntrico pesquisador do cinema de Carlos Prates Correia. Aplausos e apupos da turma socialista. Agora o império pensaria duas vezes antes de começar uma nova guerra? O tempo provaria que não. E onde estaria Leãdro Wojak em data tão simbólica?

Abraços, camaradas, onde quer que estejam.

segunda-feira, 4 de setembro de 2006

sexta-feira, 1 de setembro de 2006

Desaparecidos (Cap. XIV)

Belo Horizonte - Gosto das veres de "Perfect Day", "Riptide" e "Busload of faith" contidas nesta Perfect Night in London, do mestre do new-journalism em versos, Lou Reed. Hoje toca em algum lugar de São Paulo, presa de algum receptador de CDs roubados.

terça-feira, 29 de agosto de 2006

Leio Almanaque Anos 70, de Ana Maria Bahiana

Belo Horizonte - Parte de meu ralo conhecimento sobre cultura pop devo a Ana Maria Bahiana, que junto com José Emílio Rondeau, Alex Antunes, Thomas Pappon, Jean-Yves de Neufville, Marcel Plasse e outros escribas da Revista Bizz influenciaram significativamente o texto e as idéias da minha geração, nascida nos anos 70.

É desse período o Almanaque Anos 70 (R$ 49, Ediouro, 416 p.): os sons, as cores, a moda, a música, o cinema, a comida, os brinquedos, os móveis, os cheiros, os carros e a memorabilia de uma época de transformações sociais e tecnológicas, berço e nascedouro dos últimos literatti.

Se você foi criança nos anos 70, não pode perder. Se já era adulto, acenderá um incenso. Se não viveu os anos 70, vai aprender um bocado sobre aqueles tempos de cabelos compridos, boca-de-sino, discoteca, macrobiótica, cavalo-de-aço... Recomendo enfaticamente.

domingo, 27 de agosto de 2006

Post número 1000 (P2P)

Belo Horizonte - Há mash-ups improváveis na rede, como os que reúnem Gang of Four e 50 Cent; Black Eyed Peas e Traveling Wilburys; The Clash e Gwen Stefani; Crosby, Stills, Nash & Young e Moby (participação de Public Enemy); Jimi Hendrix e Brk, Simon & Garfunkel e Depeche Mode, Snoop Dogg e Queen...

quinta-feira, 24 de agosto de 2006

Minguante

Belo Horizonte - Projeto coletivo dos blogueiros-escritores Luís Ene, Fernando Gomes, Henrique Fialho e Margarida Delgado, Minguante é revista de micro-narrativas com textos de escribas portugueses, brasileiros e espanhóis, em conceitual salada literária ibérica. Contém banalidades heréticas do autor destas e-pístolas. Minguante já está disponível aqui.

terça-feira, 22 de agosto de 2006

A incrível história do Bebê-Monstro de Sete Lagoas contra a Banda Calypso

Belo Horizonte - Jornal popular de BH publicou matéria interessante: um bebê-monstro (com três olhos e muitos dentes) teria nascido num hospital em Sete Lagoas. O hospital não confirma, nem médicos e enfermeiros. Os pais não foram localizados. Cientistas não foram ouvidos. E o ilustre recém-nascido não virou atração apenas por sua constituição física. Chamado de feio no momento do nascimento, o triclope teria respondido: "Feio é o que vai acontecer hoje à noite no show da Banda Calypso". Dizem que os dançarinos parenses amargaram prejuízo no show de Sete Lagoas. Faltou energia, etc.

segunda-feira, 21 de agosto de 2006

sexta-feira, 18 de agosto de 2006

Cassação em vista

Eis a lista de parlamentares de Minas Gerais envolvidos no escândalo de superfaturamento na compra de ambulâncias.



Cabo Júlio (PMDB-MG)


Cleuber Carneiro (PTB-MG)



Isaias Silvestre (PSB-MG)



João Magalhães (PMDB-MG)



José Militão (PTB-MG)


Márcio Reinaldo Moreira (PP-MG)


Osmanio Pereira (PTB-MG)


Saraiva Felipe (PMDB-MG) Belo Horizonte -

sexta-feira, 11 de agosto de 2006

Da guerra e males duradouros

Belo Horizonte - Não dá mais pra disfarçar. Algo muito grave acontece no norte da África. E não se trata de mero alarmismo. Israel ocupa o Líbano em ato calculado de expansionismo (apoiado pelo Império Americano), realizado logo após a saída das tropas sírias. Se a invasão do Líbano unir os estados árabes contra o enclave israelense, teremos uma guerra de grandes proporções no Oriente Médio.

Dona ONU, que se preocupa muito com causas humanitárias, fez um protesto formal contra um míssil jogado no mar pela Coréia do Norte. Um simples míssil. Mas nenhuma menção à destruição da infra-estrutura e dos habitantes do Líbano. Até quando os mansos Irã, Egito, Líbia e Síria suportarão o massacre?

sexta-feira, 28 de julho de 2006

Impressões pessoais

Belo Horizonte - Edileuson Almeida invade a blogosfera com piercings na úvula, máfia das sanguessugas, censura chinesa, hospitais do Hiszbollah, Carolina Cascão, MST, diploma de jornalista, línguas bovinas imensas, propaganda de cachaça em jogos de futebol transmitidos pela TV Globo e saudações aos estrangeiros. Leia aqui,

domingo, 16 de julho de 2006

Mário Wander Nascimento (1970-2006)

Belo Horizonte - Amigo, compadre, parceiro de bandas e de aventuras, agitador cultural, multiinstrumentista, bibliófilo,  professor e historiador Mário Wander Nascimento (à direita na foto de Orib Ziedson), morreu hoje em Porto Alegre, de meningite (infecção hospitalar contraída no Hospital após a retirada de um aneurismo).
Deixa a mulher, Marta e os filhos Fernando e Muriel. Mário partiu cedo demais, cancelando nossos planos de reunir a velha banda, gravar um CD desterritorializado, com bases gravadas em Belo Horizonte e no Sul. É revoltante saber que num país arruinado por uma saúde pública porca, jovens educadores sejam arrancados da vida prematuramente. Mário será enterrado em Roraima, onde nasceu.

sábado, 15 de julho de 2006

Estado de terror

Belo Horizonte - Absolutamente condenável o massacre que Israel promove na Palestina. A matança de inocentes e a destruição de universidades e hospitais (terrorismo de Estado) não ressuscita os mortos em atentados. Destruir a infraestrutura dos territórios palestinos não garante a segurança dos soldados israelenses seqüestrados. Violência gera violência.

quarta-feira, 12 de julho de 2006

Shine on, crazy diamond


Belo Horizonte
- O baterista do Pink Floyd morreu.
- O quê?!
- Deu no jornal agora.
- Mulher, o Nick Mason não pode ter morrido.
- Acho que foi o baixista, então.
- O Roger Waters?!
- Não sei, não lembro.

Corro ao écran à procura da notícia, torcendo para que não tenha sido Mason, que deu pistas recentes sobre uma última turnê do Pink Floyd. Mas o morto era Syd Barrett, o genial fundador da banda, vítima de esquizofrenia e aposentado desde 1989. Meio morto desde as primeiras crises, em 1968, Barrett transformou o rock n' roll para sempre aos 23 anos. A reunião com Jimi Hendrix, John Entwistle e Miles Davis no céu da música promete.

sexta-feira, 7 de julho de 2006

domingo, 2 de julho de 2006

sábado, 1 de julho de 2006

Se

Belo Horizonte - Se você não lê livros
Se você gosta de propaganda de cerveja
Se você compra abadá de carnaval pagando em 12 vezes
Se você não perde uma micareta
Se você gostou de "Dois filhos de Francisco"
Se você admira o Galvão Bueno
Se você tem adesivos no carro do tipo "Rastreado por mulheres"
Se você é fanático por qualquer coisa
Se você acha que Tati Quebra Barraco lidera o novo feminismo
Se você curte rodeios
Se você usa shorts curtos com salto alto
Se você acha que Internet só serve pra copiar trabalhos escolares
Se você acha que e-mail só serve para enviar piadas e correntes
Se você usa camisa aberta e tem cordões pendurados no pescoço
Se você curte hip-hop-gangsta-imbecil-de-carrões-e-mulheres-fáceis
Se você vota no PFL, PRONA e PP
Se você tem anões de jardim
Se você se inscreve no Big Brother Brasil
Se você acha o resultado mais importante que jogar bonito
Por favor, não leia este blog.

Déjà vu

Belo Horizonte - França elimina o Brasil da Copa do Mundo. Em campo, apatia e reverência. O axioma "somente um idiota jamais muda de idéia" cabe bem ao técnico da Seleção Brasileira.

sexta-feira, 30 de junho de 2006

Uzalemão

Belo Horizonte - A Argentina perdeu a chance de chegar ao tricampeonato mundial por dois erros nos pênaltis. Pena. No Brasil, torcedores obtusos comemoram a derrota do rival sul-americano, mas esquecem que somente times europeus permanecem nas últimas fases da Copa do Mundo. A Alemanha pode, se vencer a Itália (caso esta vença a Ucrânia, daqui a pouco) colocar mais uma estrela no uniforme. Se o ataque brasileiro continuar dependendo do lento Adriano, vem aí mais um tetracampeão.

sexta-feira, 23 de junho de 2006

La canción de Cat Dog

Belo Horizonte - Un buen dia, con un guau y un miau,
Un bebe nos desconcerto.
No era un buitre ni un lobo feroz
Solo un perro y gato llamado CatDog

¡CatDog! ¡CatDog!
¡solito en el mundo vive el pobre CatDog!


En cada esquina y por toda la ciudad,
El pobre CatDog siempre alerta esta.
Sus enemigos tiene mala intencion,
Pero siempre canta esta cancion.

!CatDog! !CatDog!
¡solito en el mundo vive el pobre CatDog!


CatDog's Song

One fine day there was a woof and a purr
a baby was born and it caused a little stir
No blue buzzard, no three eyed frog
Just a feline/canine little CatDog

CatDog! CatDog!
Alone in the world is the little CatDog!

Out on the road or back in town
All kind of critters putting CatDog down
Gotta rise above it, gotta try to get along
Gotta walk together, gotta sing this song

CatDog! CatDog!
Alone in the world is the little CatDog!

CatDog! CatDog!
Alone in the world is the little CatDog!

Uma canção

Belo Horizonte - Tema do CatDog

Um bebê tão lindo ao nascer
Fez o mundo inteiro se surpreender
Por que era uma aberração
Coitadinho do pobre CatDog, irmão

CatDog! CatDog!
Sozinho no mundo o amigo Catdog!

Se tentar vai desistir
Pegar Catdog ninguém vai conseguir
A melhor maneira de estar com o amigão
É a gente se unir e cantar esta canção

CatDog! CatDog!
Sozinho no mundo o amigo Catdog!

quinta-feira, 22 de junho de 2006

A frase

Belo Horizonte - Infelizmente, temos que nos contentar em assistir a apenas um excelente jogador de meio-campo, e não ao genial reinventor do futebol. Pena! A Copa fica menos alegre.

Tostão, na Folha de São Paulo de hoje, sobre Ronaldinho.

Hoje tem jogo do Brasil

Belo Horizonte - Prepare-se, caro técnico-torcedor, para passar muita raiva com a escalação, o esquema tático e o revoltante pragmatismo do professor pé de uva.

Argentina

Belo Horizonte - A Holanda é um tabu portenho. A Argentina só obteve uma vitória sobre o time laranja, na final de 1078. Perdeu e empatou mais, na história das copas. Hoje manteve a tradição no insosso zero a zero. Costa do Marfim (3) e Sérvia e Montenegro (2) era oão melhor na ESPN2.

sexta-feira, 16 de junho de 2006

Argentina

Belo Horizonte - Depois de golear Sérvia e Montenegro (6 a 0), a Argentina quer ser campeã da Copa 2006. O time sabe dar espetáculo. Podia fazer a final contra o Brasil, porque joga criativamente. Se o país do quadrado trágico for desclassificado, torço pelo tricampeonato dos argentinos. Antes premiar o bom futebol que ver Alemanha ou Itália ameaçando nossa liderança no ludopédio.

Bloom!

Belo Horizonte - Hoje é dia de flanar até Dublin (tem um barzinho com esse nome em Santa Tetesa ou na Savassi)

segunda-feira, 12 de junho de 2006

A Copa do Mundo

Belo Horizonte - Dos jogos que vi, República Tcheca empolga, Alemanha insinua, Inglaterra vacila, Argentina catimba, Itália enfeia, México promete, Costa do Marfim anima, Angola desanda, Gana desalinha, Japão decepciona, Costa Rica desanima, Holanda esconde, Portugal ensaia.

terça-feira, 6 de junho de 2006

Uma canção

Pena, viu?
(Carlos Saraiva)

pena que você não vê
que eu finjo que acredito
que você não topa
se não guria
a gente já teria
conquistado a europa

pena que você não lê
que em tudo quanto eu creio
é só no que vai fundo
se não guria
a gente já teria
dado a volta ao mundo

pena que você não crê
na cena que o VT
revela a toda hora
se não guria
a gente estaria
namorando agora

Talk about the weather

Belo Horizonte - Na manhã de 10 graus, o outono de Belo Horizonte prenuncia álgido inverno.

quinta-feira, 1 de junho de 2006

Atroz modernidade

Belo Horizonte - ... chato mesmo é constatar que a Direita tem maior poder de adaptação que a Esquerda às mudanças sociais. Cada nova concepção de mundo arraigada é absorvida pelo sistema, fazendo com que o conservador progressista de direita adquira maior valor na Bolsa Moral que o revolucionário utópico de Esquerda. Na lógica do consumo da atroz-modernidade, o futuro é uma câmara de gás, como diz Fred Zero Quatro.

segunda-feira, 29 de maio de 2006

Meu Basquiat

Belo Horizonte - O Basquiat que ilustra o sistema de comentários deste blog há um par de anos ("Florence", de 1983) pertence ao banqueiro Edemar Cid Ferreira, que está preso em mais uma empreitada quimérica do judiciário brasileiro pelo Estado de Direito - embora este mesmo sistema não resista a um bom pedido de habeas corpus. Edemar era conhecido pelos originais de Henry Moore, Roy Lichtenstein e Fernand Leger, misteriosamente desaparecidos após a falência do Banco Santos. A Justiça pediu o seqüestro dos bens para o pagamento da dívida bilionária, mas necas.

terça-feira, 23 de maio de 2006

Desaparecidos (12)

Belo Horizonte - A O Chamado, de Marina Lima, chamamos de disco conceitual por falta de melhor definição. Aqui a cantora e compositora desenluta da morte em família, de inquietações políticas e depressão. Sua composições lembram a noite, vulcões italianos, meus irmãos. Riqueza blue da música popular brasileira, Marina era também o maior ídolo de meu amigo Haddad, misto de piloto de avião, músico e contador de histórias, Saint-Exupéry particular para seleto grupo de amigos. Haddad costumava brincar: "Um dia seqüestro a Marina no meu avião só pra conversar e tocar violão com ela. Já pensou?". Pensava. Até torcia. Mas Haddad morreu ao mergulhar com seu pequeno avião meio da selva amazônica. Fez mulher, filhos e amigos todos fãs da cantora. Ouça no avião.

quinta-feira, 18 de maio de 2006

Toque de recolher (o caixa)

Belo Horizonte - Medo? Absolutamente. Quando vi meus funcionários indo embora às 15h, pensei no prejuízo. O que eu vi na rua foi um misto de pânico e euforia, porque estava todo mundo indo para casa. Parecia o dia em que Tancredo Neves morreu, e ligaram da escola avisando que seria feriado. Fiquei felicíssimo.

Alexandre Herchovitch, estilista, sobre a guerra urbana em São Paulo.

terça-feira, 16 de maio de 2006

Surrealismo

Belo Horizonte - Tensão e medo em SP: criminosos aterrorizam a população dizia a legenda sob a imagem de Paulo Maluf na TV, causando breve sentimento de justiça, como se a verdade finalmente viesse à tona. Ex-presidiário, Maluf é identificado nos créditos como "doutor" e discursa contra a bandidagem, atropelando a ética profissional. Diz que se sente seguro em Nova Iorque, no que é apoiado por Sônia Abrão, fiel cabo eleitoral. A dupla contribui generosamente para manter a Rede TV líder no ranking do baixo nível na teledifusão brasileira.

sábado, 13 de maio de 2006

Uma canção

May I
(Kevin Ayers)

I just came in off the street
Looking for somewhere to eat
I find a small cafe
I see a girl and then I say
'May I sit and stare at you for a while?
I'd like the company of your smile'
You don't have to say a thing
You're the song without the sing
The sunlight in your hair
You look so good just sitting there
'May I sit and stare at you for a while?
I'd like the company of your smile'

quarta-feira, 3 de maio de 2006

Yupanqui

Belo Horizonte - A nacionalização dos recursos naturais é uma necessidade da Bolívia, que age corretamente ao propor percentual de ganho sobre a exploração das reservas de gás e petróleo. Cabe aos investidores decidir se aceitam ou não tais imposições. A isso se chama liberalismo.

quinta-feira, 20 de abril de 2006

A luta continua

Belo Horizonte - Primeiro tiveram sua humanidade questionada. Depois sua religião virou motivo de escárnio. Sua liberdade, subtraída. Sua cultura, descaracterizada. Suas terras, roubadas. Suas mulheres, estupradas. Seus filhos sub-empregados. Sua imagem, deturpada. Seu futuro, ameaçado. Quinhentos anos depois, os índios do Brasil lutam por justiça e dignidade.

terça-feira, 11 de abril de 2006

Belo Horizonte - IMOLAR SUZANNE RICHTHOFEN não vai diminuir a sensação geral de que nosso judiciário é ineficiente e pesado. E de que brasileiro endinheirado não vai para a cadeia. Suzanne vai como bode expiatório. Além de tudo, dificilmente vai botar as mãos na herança dos pais, o que lhe veda acesso a bons advogados e às benesses do nosso sistema.

quarta-feira, 29 de março de 2006

Green is the colour

Belo Horizonte - Filhos do Carnaval é bom porque soma Shakespeare a três Thomas: Mann, Anderson e Winterberg. Rei Lear, Festa de Família, Magnólia e os Buddenbrook comparecem nesta saga particular que está mais para Mike Leigh que Fernando Meirelles.

terça-feira, 21 de março de 2006

Como extinguir pássaros

Belo Horizonte - A fronteira agrícola na Amazônia não destrói apenas matas e rios. O desequilíbrio provocado pela monocultura de arroz no extremo norte do Brasil afeta, em diferentes instâncias, os bichos e os homens.

O desaparecimento de espécies de pássaros como o João-de-barba-grisalha (Synallaxis Kollari), que só existe em Roraima, é um indício.

Matérias como as de Vandré Fonseca, além de bem-elaboradas (jornalismo se faz assim) chamam a atenção para um problema mais que sério: urgente.

segunda-feira, 20 de março de 2006

Demônios

Belo Horizonte - No conjunto de mímicas do país do futebol e do carnaval destaca-se à crítica ao sistema, ao Hip-Hop e à TV Globo. É muito fácil demonizar a Globo ou ao Hip-Hop. É fácil berrar contra o sistema, culpar o poder público pela degradação social das grandes cidades.

Por isso Falcão: Meninos do Tráfico, dói em nossa alma pequena, desacostumada à vida real. O cotidiano de crianças em risco social, acompanhados pelo olhar atento e nem sempre passivo de uma câmara, nos é apresentado em imagens e depoimentos dolorosos, que insultam nosso comodismo social. Fazer o quê, agora?

sexta-feira, 10 de março de 2006

Desaparecidos XI

Belo Horizonte - Funcionários pouco éticos da Expresso Araçatuba também levaram o CD A vida é doce, do Lobão, um dos melhores, senão o melhor trabalho de João Luiz Woerdenbag Filho.

Músicas como universo paralelo, amanhecendo na lagoa, el desdichado II, além da própria faixa-título, são mísseis musicais e poéticos que não têm par na história da música popular brasileira.



Com a mesma falta de vergonha na cara eu procurava alento no
Seu último vestígio, no território, da sua presença
Impregnando tudo tudo que
Eu não posso, nem quero, deixar que me abandone
Não posso, nem quero, deixar que me abandone
Não posso, nem quero, deixar que me abandone não
São novamente quatro horas, eu ouço lixo no futuro
No presente que tritura, as sirênes que se atrasam
Pra salvar atropelados que morreram, que fugiam
Que nasciam, que perderam, que viveram tão depressa,
Tão depressa, tão depressa (A Vida é doce)

segunda-feira, 6 de março de 2006

Humpf

Belo Horizonte - Chega de escrever sobre carnaval, férias, shows de roquenrou, política, trânsito, poesia, crianças.

Chega de falar de cinema Munique-Crash-Syriana, como se entendesse de indústria de petróleo, sionismo, afins.

Chega de downloads e de updatings.

Chega de leitura. Nunca mais leio um livro hoje.

Chega de blogs, de Pods (os Is e os casts), de logoffs.

Chega de praia e cerveja gelada, de estrada e música a caminho do trabalho. Nunca mais vou ouvir música hoje.

Chega desse papo-cabeça-pequeno-burguês disposto à efêmera eternidade dos bits.

Até o próximo post.

sábado, 4 de março de 2006

sexta-feira, 27 de janeiro de 2006

Desaparecidos VII, VIII, IX e X

Belo Horizonte - Terra dos Ventos, de Pedro Link e Renato Costa tem som de floresta, de mergulho no rio, ayahuasca, paz de espírito. A natureza incomum de Roraima, palavra indígena que significa "Mãe dos Ventos". Edileuson Almeida pintou em São Paulo e trouxe um exemplar. Sempre discoteca básica.

Makunaimeira, da dupla Zeca Preto e Neuber Uchôa (o segundo mora no Rio, atualmente), mistura ritmos caribenhos, forró e MPB. A beira de qualquer coisa sem saber / troquemos tudo em graúdo / pra não perder (...) A gosto do freguês somos os tais / buritizeiros demais / caimbezeiros boçais (Macuxis Salada).

George Farias apresenta, em seu primeiro CD, reggae, blues e música popular brasileira de alta estirpe, produzidas pelo cantor e compositor e parceiros como o irmão Cacá, que escreveu a formidável Correntes.

Eliakin Rufino: A produção de Paulo Amorim deu ao primeiro CD do poeta naturalista uma inesperada atualidade techno. O impacto de Mosquito da malária, entretanto, é sempre o mesmo, no batidão ou no violão.

Mosquito da malária
(Eliakin Rufino)
hoje quem defende a amazônia
é o mosquito da malária
se não fosse esse mosquito
a floresta virava palha

salve salve salve ele
viva sua febre incendiária
o maior ecologista da amazônia
é o mosquito da malária

não adianta sucam
jogar ddt na sua área
super-defensor da amazônia
é o mosquito da malária

quarta-feira, 25 de janeiro de 2006

Mídia Média

Belo Horizonte - O Fórum Social Mundial é uma reunião de movimentos sociais, organizações humanitárias, estudantes, artistas e ambientalistas, com reuniões temáticas, propostas e outras formas de intervenção social com vistas a um mundo melhor. Já estive no FSM e vi trabalhos dignos serem desenvolvidos, embora a imprensa liberal estanque no lugar-comum de mostrar as tribos presentes e seus protestos contra o capitalismo.

A má-fé na cobertura do evento pela Folha de São Paulo é indisfarçável: na edição de hoje, o jornal preocupa-se apenas com os gastos com o evento, esquecendo dos assuntos discutidos por ali. O importante é criticar os "esquerdinhas", a "idolatria" a Hugo Chávez e a presença de José Dirceu no evento. Nada sobre os temas fundamentais para a humanidade que estão em pauta.

Na página seguinte, o jornal mostra sua verdadeira face com matéria sobre o Fórum Econômico em Davos: "Corrupção incomoda 79 por cento dos empresários". A combinação infeliz entre a cobertura do FSM e o "manifesto cidadão" dos maiores financiadores da corrupção mundial subsiste, nas páginas do jornal, como um manifesto liberal típico dos que querem manter as coisas exatamente como estão.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2006

Desaparecidos 6

Circo Beat tem um não sei quê de muito bom que a ouvidos pouco afeitos à embriaguez lírica de Fito Paez parece incomodamente kitsch. Comprado numa loja de discos perto da loja da minha cunhada em Ciudad Bolívar, esta bolacha conduz a melodramas familiares

Todas las mañanas que viví / todas las calles donde me escondí / El encantamiento de un amor / el sacrificio de mis madres / los zapatos de charol / Los domingos en el club / salvo que Cristo sigue allí en la cruz / las columnas de la catedral / y la tribuna grita gol el lunes por La Capital

, latinidade

La moneda en la vida de Juan / Chico Buarque, lo lentes, la estatua de sal
el suicida y su gato irreal / lo que fue, lo que es, lo que ya no será...


, utopia

I'm a hippie / siempre fue así / Hay un hippie / dentro de mí / no me tomes tan en serio / sólo dejo que ocurra.

e arte

Los cines ya no están / Rose Marie, mi amor / hoy vuelvo a la ciudad a encontrármelos/ donde volcó el Poseidón / donde escapó Papillón /Woody tenía razón
Si Disney despertase...


Ouça (leia) Normal 1 e renda-se. Circo Beat é vintage.Belo Horizonte -

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

Bring the boys back home

Belo Horizonte - Não temos mais o que fazer no Haiti. Não podemos ser nação amiga, capacetes azuis pró-paz sem dinheiro da ONU, Estados Unidos e Comunidade Européia. Desse jeito, viramos força invasora. Quando não há dinheiro para investimento social e pelotões armados circulam entre pessoas já suficientemente acuadas pela pobreza e corrupção, assumimos o papel de senhores do caos. Bring the boys back home.

sábado, 7 de janeiro de 2006

There is a light that never goes out

Belo Horizonte - Dois membros da lendária banda britânica The Smiths devem se apresentar juntos pela primeira vez em quase 20 anos no fim deste mês. O guitarrista Johnny Marr e o baixista Andy Rourke...

Leia mais aqui.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2006

Desaparecidos - 5

Belo Horizonte - Meu Wish you were here importadão também desapareceu. O melhor disco do Pink Floyd na opinião de Gilmour, Mason e Wright (sorry, Waters, a maioria vence)era um dos exemplares mais antigos que tinha em compact disc. Estivesse por aqui, seria um adolescente de 14 anos pronto para a troca por um exemplar mais novo. Não se comenta esta obra-prima. Ouve-se.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2006

Sobre a mágoa

Belo Horizonte - Há pessoas que nunca esquecem. Renovam a tristeza e o desprezo constantemente, numa maneira equivocada de manter-se vivo. Na verdade, aferram-se a uma morte lenta, revelada na própria imutabilidade. Que o ano novo lhes traga amor, sabedoria e compaixão. Nada como um dia depois do outro.

domingo, 1 de janeiro de 2006

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...