Mostrando postagens com marcador Argentina. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Argentina. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Us and them, and after all we're only ordinary man. Uma oposição perigosa, mesmo. Observamos o radicalismo ampliar-se do outro lado e não cuidamos do nosso. Acho que esquecemos o perigo da polarização. Tivemos conquistas que não soubemos valorizar. Procuro pensar, talvez por preguiça de especificar, que o problema é global (ocidental), como um rastilho de pólvora que se espalha depois de épocas de abundância, quando arte e academia apontam caminhos novos e "desestabilizadores". O direitismo que afeta Brasil, Argentina e Estados Unidos, logo vai chegar à Venezuela. E depois UE. A idade faz-nos perceber esses devires, assim como sua superação. Tristemente, as ferramentas de comunicação serviram para o contrário do esperado. Sonhávamos com electronic frontier e herdamos a teletela de Orwell. Ou perdemos a fé cedo demais nas conquistas que tivemos desde os 60s ou colaboramos com a virada fascista. Ou as duas coisas. O exame de consciência é válido.

segunda-feira, 21 de agosto de 2006

quarta-feira, 15 de maio de 2002

Hermanos

São Paulo - Ainda dá tempo. Quem estiver a fim de conhecer o novo cinema argentino (sim, há um novo cinema argentino, apesar do FMI) deve ir ao Cinusp (na USP, claro) até sexta-feira, 17. Todos os dias, às 16 e às 19 horas tem cinemão latinoamericano rolando por ali. De graça. Eu tenho ido.

Assista Um dia de Sorte, que mostra o desencanto da juventude num país em crise e Fuckland, que é super engraçado, estilo Dogma 95, aquele tipo amadorzão profissional. Um argentino, revoltado com a questão das Malvinas, bola um plano mirabolante para gerar descendentes de argentinos entre os habitantes das Falklands.

Satanistas são clientes insatisfeitos.