sexta-feira, 31 de maio de 2002

Meu mundo

São Paulo - Hoje o senado argentino revogou a lei que previa investigação e punição de fraudadores do seu já arrebentado sistema financeiro. A imposição é do FMI, o mesmo grupo terrorista que apoiou o golpe de Estado (frustado) na Venezuela.

Na Argélia, jovens que protestavam contra fraudes nas eleições foram fuzilados. Num assalto a ônibus em São Paulo, três pessoas foram assassinadas por que não tinham dinheiro. Um dos mortos era um garoto de 17 anos.

Em Nova Iorque, um cortejo fúnebre nas ruínas do World Trade Center lembrou a todo o mundo - exceto entre as fronteiras daquele país - a morte de milhares de pessoas pelas mãos dos norte-americanos.

Não disse?

São Paulo - Foi só falar...
Acabo de mandar um post com um erro de digitação no título. Quando ele foi parar na lista do Blogger, alguém, em Pernambuco, Macau ou Lisboa pode ter lido e achado que sou analfabeto. E nunca mais voltará a ler estas Epístolas.

Voyeurs

São Paulo - Isso me faz pensar que bloggers são, além de exibicionistas - onde já se viu um diário público? - e curiosos sobre a vida alheia, uns irresponsáveis que apenas lêem o que querem e vão embora. Dificilmente voltarão ao mesmo endereço. Acabo de ler o blog de uma menina de 14 anos que tem muitos palavrões. Desisto. Putz, que moralismo. Isso é emblemático de toda essa situação: lemos o blog do outro, não fazemos nenhum comentário e nos mandamos, sem mencionar nossa passagem por ali, nosso rápido vôo por sua intimidade.

Contador

São Paulo - Acho que vou instalar - depois de um ano e meio de blog e nenhum contato exterior (snif) - um counter da Bravenet. Vou escolher algum modelo bem brega e instalar por aqui. No futuro, esse ano e meio não fará diferença. Fará?!

quinta-feira, 30 de maio de 2002

Rescue

São Paulo - A impressão que se tinha - antes a desnecessária observação de que o público era composto por adolescentes que nasceram depois dos primeiros discos do Echo e um exército de trintões emocionados - era de que os caras pretendiam fazer um revival do histórico show de 1987 no Anhembi - que não assisti, tendo que me contentar com a resenha da Bizz.

Valeu a pena, apesar da ausência de Pete de Freitas (in memorian) e Les Patinson. Will Seargent (que mantém intacta aquela franja) ainda é um dos melhores guitarristas que conheço. Ponto.

O que eles tocaram em 1987? Aí vai: Going Up / Rescue / Bombers Bay/ My Kingdom / All That Jazz / Satellite / Crocodiles / The Game / Seven Seas / Bedbugs & Ballyhoo / The Killing Moon / The Cutter / Lost & Found / Soul Kitchen / Ocean Rain / It's All Over Now, Baby Blue / New Direction/ Thorn Of Crowns / Over The Wall / Do It Clean / Lips Like Sugar / Villiers Terrace / Paint It Black / Run Run Run/ Zimbo

Do it Clean

São Paulo - Felicidade geral. Acabo de chegar do show do Echo & The Bunnymen no Credicard Hall. Não é puxação de saco, não, mas foi uma beleza. Os caras estavam inspiradíssimos. Tocaram um repertório absolutamente anos 80. Começaram com Lips Like Sugar, depois Rescue, mandaram três novas e vieram arrebentando com Seven Seas e Bring on the Dancing Horses.
Depois foi aquela saraivada de músicas dos primeiros discos, com surpreendentes versões para Villiers terrace, Heads will roll e Ocean Rain. Teve mais: The Puppet, Do it clean, The Cutter, Zimbo (numa versão ultrapsicodélica), Over the Wall, All my colours, Back of love, Never stop... Killing Moon foi arrebatadora. Ian ainda cantou When i fall in love, estilo Nat King Cole e mandou, de leve, um"Roadhouse Blues em homenagem aos Doors, grande influência dos Bunnymen
Comentário simplório: Noooooossa!

terça-feira, 28 de maio de 2002

Inveja

São Paulo - É incrível a quantidade de comentários que certos blogs ostentam. O último que vi tinha, no mínimo, 30 para cada post, o que me faz pensar que ninguém me lê.

Tá faltando música

São Paulo - Para quem achava que era impossível piorar ainda mais o panorama atual da música popular brasileira, assaltada pelos breganejos, pagonejos, axemusics, Skank e Jota Quest, tenho uma má notícia: Daniela Colla, filha de Carlos Colla - que já fez milhares de versões toscas para clássicos do rock - acaba de lançar um CD cuja "música de trabalho" é um bolero-abregalhado-guarânia cujo título é simplesmente: "Tá faltando homem".

Na música, a cantora e um grupo de quatro dançarinos queixam-se da oferta masculina na praça. Há reclamações de todos os tipos: da falta de iniciativa à falta de sensibilidade. Profundo.

Tradutores

São Paulo - As traduções automáticas disponíveis na rede são para quem fala inglês. Por isso não conseguem contemplar o público-alvo almejado: os monoglotas de todo o mundo.

A tradução automática do Altavista é sofrível, mas ainda é a mais aproximada. A do Google é absurda. As traduções são absolutamente incompreensíveis. Já o serviço do Netscape produz traduções chinfrins que parecem - e são - a tradução literal do português para o inglês, sem adaptação de gramática ou semântica.

Vejam a pérola que é a tradução do post anterior:
A called blog be just updated "Hate Rock n'Roll". Of course didn't paint the minimum interests in reading something of that gender.

Assim não dá. Poderiam ter feito isso: A blog called ?Hate Rock and Roll? has just been updated. Sure I don?t have a little bit of interest by something like that.

Tudo bem, tudo bem, o uso de a little bit é bem lugar-comum. Aceitamos outras traduções.

sábado, 25 de maio de 2002

Blogs

São Paulo - Acaba de ser atualizado um blog chamado "Odeio Rock n'Roll". É claro que não pintou o mínimo interesse em ler algo desse gênero.

quinta-feira, 23 de maio de 2002

Ônibus

São Paulo - Sujos, velhos e barulhentos, os ônibus de São Paulo são um caos chacoalhante mesmo no trânsito parado. Nos últimos dias tenho corrido qual condenado, para pegar essas maravilhas do transporte coletivo. Somos obrigados a suportar essas porcarias pagando a passagem mais cara do Brasil. Quer ônibus decente? Vá para Porto Alegre.

quarta-feira, 22 de maio de 2002

Águia Dourada

São Paulo - São Paulo - Alguém lembra dele? Era um cara do bicão amarelo que sempre aparecia como cuadjuvante da dupla Faísca & Fumaça, aqueles corvos adoráveis. Águia Dourada geralmente era o bombeiro herói, ou mesmo um super-herói ou ainda o galã. Figuraça. Sempre era anunciado com algo do tipo: "aí vem o Águia Dourada!"
Lembrei dele assistindo TV nesta tarde de quarta-feira, ao ouvir o "nome" de um helicóptero.

Ainda sobre o João Kléber

São Paulo - Ele e o Sérgio Mallandro deveriam investir na carreira de escritor. JK precisa resolver algum problema edipiano. Criou a estória do filho que bate no pai e agora, neste exato momento, apresenta uma ridícula dramatização sobre filho que se rebela contra o pai. Nada sobre as acusações da concorrete. Ainda acho que os dois deviam se dedicar à ficção.

O que todo mundo já sabia veio à tona

São Paulo - Hoje a apresentadora Claudete Troiano, do programa Note e Anote (Record) provou que os casos de família que aparecem no programa Canal Aberto, apresentado por João Kleber na Rede TV, não passam de grandes mentiras, e entregou todo o esquema de criação do teatral ? no pior sentido ? João Kleber.
Bom, a notícia não é nova, mas é bom que apareça num programa do mesmo horário para denunciar essas sacanagens. A Record fez bem, mas esqueceu de figuras como Sérgio Mallandro, que também inventa um monte de coisas ? assistam ao quadro do Doutor Bicão. Enquanto isso, profissionais sérios, formados em jornalismo, mendigam empregos de segunda por causa do naufrágio da profissão. Tudo pela audiência. Leia aqui como JK paga seus atores.

Marqueteiro

São Paulo - Nizan Guanaes no Jornal da Noite (Band): "Não consigo me dedicar a um trabalho sem acreditar nele". Tá. Mas ele trabalha para o José Serra e acha a administração do PT ruim.

domingo, 19 de maio de 2002

Xanana

São Paulo - O cara que lutou na guerra contra o invasor e que preferia ser fotógrafo a presidente, discursa agora. Soube, pelo canal a cabo, que ele tem inclinações artísticas. Começa o discurso falando em inglês, o que, de certa forma, é triste.

Cultura

São Paulo - Um crime grave cometido pela Indonésia foi a disseminação violenta do seu idioma entre os (também ) lusófonos timorenses. Hoje, menos de 15 por cento da poulação fala o português. Lá em Dili, tocam, pela primeira vez, um hino nacional. José Alexandre Gusmão, o presidente, faz o juramento agora. Boa sorte a ele.

O guerrilheiro

São Paulo - Xanana Gusmão assume um país destroçado, mais vítima que beneficiário da compaixão da ONU. Lembre do Sete de Dezembro de 1975.

Nasce um país

São Paulo - Chamem seus pais, filhos e irmãos, porque isso acontece poucas vezes na história do mundo. E torçam para que, a partir de agora, possa acontecer cada vez mais. Timor Leste (Timor Lorosae) é o primeiro país surgido neste Século XXI.
Mas o trabalho continua. País Basco, Quebec, Tibete, Palestina... Há muito a ser feito.

O exército desfilando entre as pessoas...

São Paulo - ...é algo que não devia estar acontecendo agora, em Timor. É preciso esquecer esses símbolos. Milhares morreram nas mãos do exército indonésio nos anos 70 e 80 e começo dos 90 e, sabe de uma coisa, ninguém sabia disso. Todos éramos ignorantes. O mundo era completamente desinformado sobre esses acontecimentos, como se a meia ilha do Timor fosse menos importante que o Kwait.

God spells

São Paulo - Uma cantora canta, com sotaque novaiorquino, uns spirituals para o povo de Timor Isso é solidariedade ou é a indústria de discos ianque criando novos consumidores?

Vejo, no Bandnews, uma cerimônia'.

São Paulo - Como previsto, o "Certificado de Cidadania" das Nações Unidas confere ao Timor Leste o título de "país independente", com o Kofi Anan falando em, inglês, é claro. A cerimônia está rolando agora.

Monk?!

São Paulo - Não dá pra acreditar. Estou ficando louco ou é um especial do Thelonious Monk passando às 2 da manhã no SBT? É isso mesmo. Um documentário dos 60 sobre Thelonious Monk. No SBT! Incrível! Como isso foi acontecer?

sábado, 18 de maio de 2002

Timor Lorosae



São Paulo - Séculos de dominação portuguesa seguidos de décadas de dominação indonésia e o Timor Leste torna-se, de fato, um país. Será à meia-noite de domingo para segunda-feira, num reconhecimento que é mera retórica oficial com chancela das Nações Unidas e etceteras. Um reconhecimento tardio, mas bem-vindo.

O povo do Timor, que fala mil línguas mas tem o português como oficial, esperou muito por isso. Nessa espera, muitos migraram. Outros morreram. Fotos e relatos de tortura de timorenses por militares indonésios circularam pela internet nos anos 90. Desconfio que essa foi a primeira etapa de uma seqüência de acontecimentos que tomou forma via ciberativismo. Tenho certeza que sim. O prêmio Nobel concedido a Ramos Horta e ao bispo Ximenes Belo aconteceu em seguida.

Finalmente, as Nações Unidas decidiram pela independência. Xanana Gusmão foi libertado. Um brasileiro chefiou uma equipe administrativa e o país começou a ser reconstruído com a ajuda de pessoas e organizações do mundo todo.

Informações superficiais como as que eu coloco, rapidamente, neste blog, podem ajudar a iluminar quem desconhece a situação desse pequeno país – meia ilha – vizinho da Austrália, lugar de uma gente bonita que fala português. Gente que sofreu e sofre, e que escreve, nesse momento, os capítulos da própria história.

Fotos: Timor
Leia mais aqui. Horrorize-se aqui.

Grande inauguração

São Paulo - Dos comentários da Haloscan. Só mais um ajustezinho e... beleza.

Deu na Gazeta do Acre

São Paulo - Será alguma espécie de disputa regional do tipo renúncia fiscal?

Um milagre acontecido em Rio Branco em junho de 1992 criou a primeira santa brasileira, a madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus (...) Aos nove anos de idade Iza Bruna Vieira de Souza é uma garota muito saudável e leva uma vida normal em Rio Branco(...) Mas o fato mais inexplicável para a medicina aconteceu em 10 de junho de 1992 (...) foi desenganada pelos médicos (...) nasceu com meningo-encefalocelle. O líquido vertebral que vai da medula para espinha dorsal não circulava, ficando retido numa espécie de bolha, à altura da nuca.

I give up

São Paulo - Vou esquecer os comments. Dá o maior pau no programa.

sexta-feira, 17 de maio de 2002

Os percalços dos comments

São Paulo - Primeiro deu certo, mas a fonte era enorme. Depois os comentários sumiram e um erro de depuração típico do Windows me encheu a paciência por horas.

Leia-me

São Paulo - Desta vez apelei para um blog especialmente criado para fornecer modelos de comentários para bloggers ignorantes como eu. Vamos ver.

Tentando outra vez

São Paulo - Colocar um sistema de comentários. Sempre dá pau.

Lasso

São Paulo - Voltei da USP exausto, cansado. Durmo mal há anos, ronco - nunca ouvi - e acordo desanimado. Tenho evitado uma visita ao Laboratório do Sono da Unifesp, mas vou terminar lá qualquer dia - ou noite.
Hoje fiquei com dor de cabeça a tarde inteira. Fiz a visita que havia prometido ao Paulo Monteiro, da Química correndo, por que mais tarde seria sabatinado por dois alunos da graduação que pretendem fazer um video-documentário na Amazônia.

Usurpação

São Paulo - Muita gente usa indevidamente a obra alheia por aí. Em blog também. Encontrei esse texto assinado por um tal de Eddie:

Gostaria de não saber destes crimes atrozes
É todo dia agora, e o que vamos fazer?
Quero voar p'ra bem longe mas hoje não dá
Não sei o que pensar e nem o que dizer
Só nos sobrou do amor
A falta que ficou


É do Renato Russo, caso haja alguém que não saiba.

Estressei às duas horas da tarde

São Paulo - Porque não conseguia editar o template do Blogger, que está me ensinando, devagarzinho - mesmo alterando completamente as fontes e travando - que é possível, sim, organizar melhor seu velho blog desatualizado e sem coisinhas coloridas e piscantes. E que é maravilhoso viver. E viver é maravilhoso porque não pode ser diferente. E você, diante da tela do computador, bem alimentado, consumindo energia, linha telefônica ou ondas de rádio deve merecer isso. Reconhecer o que é agradável na vida levanta qualquer astral, mesmo sem religião, santos de devoção ou deuses demasiado humanos.

Uma saudade

Nagisa Nagisa Nagisa Nagisa Nagisa Nagisa Nagisa Nagisa.

Mandei um currículo hoje

São Paulo - Para uma universidade aí, dizendo que, caso eles estejam a fim, posso dar umas aulas. Nada de ficha pessoal com nome, idade etc. Só a experiência profissional e os projetos em andamento. Ficou turbinadinho. Vamos ver.

quarta-feira, 15 de maio de 2002

Sósias

São Paulo - Existem umas figuras difíceis de distinguir, apesar de todos me garantirem que há imensas dessemelhanças. São Os Sósias. Parte I.

Matthew Modine e Patrick Swayze
Matthew Modine, em Bird (Alan Parker) é bem Matthew Modine, tá certo. Mas Matthew Modine em Blackout (Abel Ferrara) é muito Patrick Swayze, que, por sua vez, é muito Matthew Modine em Ghost (sem direito a menção).

Jeff Bridges e Kurt Russel
Jeff Bridges em Arlington Road (Mark Pellington) só consegue provar que é mesmo Jeff Bridges porque mostra-se paranóico o suficiente para interpretar papéis à la Jeff Bridges, como o radialista dO Pescador de Ilusões (Terry Gillian). Mas em Starman (John Carpenter) Kurt Russel é o próprio Mr. Bridges. Embora o verdadeiro e único Starman seja mesmo o David Bowie em The man who fell to earth.

Uma observação
Para o leitor atento – e principalmente para os que como eu são caça-sósias – ficou evidente minha tentativa de enquadrar os quatro numa única categoria.

Ariel Sharon e Boris Casoy
Sharon é mais gordo.

Gustavo e Mariana, da Casa dos Artistas
Porque sim.

Elucubrações

São Paulo - Respeitabilidade = respeito à habilidade. Patifaria = o pretérito mais que perfeito de ação quase efetuada por jovem distinta, singela e de posses.

Banda

São Paulo - Ainda não entendo porque paramos, simplesmente, de tocar no velho estúdio da Arruda Alvin. Tínhamos um puta groove e talz. O que deu errado? Por que só os Stones duram 40 anos? Por quê? Por quê? Acho que ficaram putos com meu verão passado entre Porto Alegre (RS) e Boa Vista (RR), sem ensaiar.

Bola ao cesto

São Paulo - Sei, pelo Estadão, que o Lakers tem liderado as finais contra o Spurs. Isso quer dizer enfrentar os Kings, para vencer a Conferência Leste e depois o Nets, caso eles passem pelos Hornets e - acredito que sim - Celtics. Prognósticos de quem não assistiu a nenhum jogo depois que os moradores do edifício não chegaram a um acordo para manter a TV paga.

Ao homem na cadeira de rodas

São Paulo - A insistência em permanecer ativo, presente, exigindo os direitos que lhe são negados todos os dias faz de você um alento para quem anda pessimista com esse País, inclusive você mesmo.

Entre os milhares de ônibus urbanos de São Paulo somente 20 podem te transportar para uns poucos lugares dentro da cidade, mas você enfrenta esse calvário de cabeça erguida, indignando-se com dignidade. Que tua luta ajude a virar o jogo, num sonho de nação em que cidadania seja mais que um eufemismo elegante para consolo da classe média, mais que um conceito desconhecido para as populações marginalizadas, mais que uma teoria acadêmica, mais que verbete no Dicionário. Seja plena.

Hermanos

São Paulo - Ainda dá tempo. Quem estiver a fim de conhecer o novo cinema argentino (sim, há um novo cinema argentino, apesar do FMI) deve ir ao Cinusp (na USP, claro) até sexta-feira, 17. Todos os dias, às 16 e às 19 horas tem cinemão latinoamericano rolando por ali. De graça. Eu tenho ido.

Assista Um dia de Sorte, que mostra o desencanto da juventude num país em crise e Fuckland, que é super engraçado, estilo Dogma 95, aquele tipo amadorzão profissional. Um argentino, revoltado com a questão das Malvinas, bola um plano mirabolante para gerar descendentes de argentinos entre os habitantes das Falklands.

quinta-feira, 9 de maio de 2002

Inferno Astral

São Paulo - Começa hoje este período nefasto, em que coisas ruins acontecem, quando perdemos o humor, quando isolamos, enclausuramos, encapsulamos sentimentos e exaltamos idiossincrasias para viver uma agonia pré-aniversário que dura 30 dias, o que torna essa sensação, mais do que a aproximação da velhice, um sintoma de que, como canta o Moby, "We are all made of stars".

Mas é claro que nós, geminianos com ascendente em Sagitário, Javali de Metal no horóscopo chinês, não acreditamos nessas bobagens de astrologia.

Explosão

São Paulo - Já voltei ao bom e velho Blogger. O www.ilha.com.br/blog sucumbiu diante de milhares de acessos. Meu endereço de lá está fora do ar.

quarta-feira, 8 de maio de 2002

Hipercrisia

São Paulo - Ainda sobre a prisão da doméstica, quase sou capaz de ouvir os murmúrios da classe média ignorante, aliviada: "Pelo menos isso assusta as outras".

Inércia

São Paulo - Às vezes a indignação chega a níveis críticos, levando-nos - como pessoas em coma que vagam, tatalantes, por tenebroso túnel de luz ou pilotos de caça que desmaiam a-não-sei-quantos G ou ainda o silêncio brutal que segue a explosão do romper da barreira do som - a uma catatonia que chamamos de qualquer coisa menos comodismo, inatividade, omissão, apatia.

Os Miseráveis

São Paulo - Hoje uma empregada doméstica, mãe de cinco filhos, foi presa em flagrante depois de roubar a casa em que trabalha. O produto do roubo: uma cabeça de cebola, uma cabeça de alho e uma lata de ervilhas. A mulher foi denunciada pela patroa, Denise Aparecida de Oliveira. O delegado do nonagésimo sexto, orgulhoso, deu entrevista para o SPTV. A imprensa, orgulhosa do dever cumprido, disse: "é a lei".

segunda-feira, 6 de maio de 2002

Bye Bye

Bye, bye love... bye bye happiness... hello, lonelyness, i think i'm gonna cry
Vou ali e volto já.

Emerson, Lake & Palmer

Não consegui terminar o post sobre rock progressivo por causa das ferramentas ridículas deste Blogger. Já nem sei do que queria falar. Talvez Emerson, Lake and Palmer... Sei lá, hoje em dia todo mundo anda dizendo que Emerson, Lake and Palmer é muito chato e talz. Então penso, agora que ouço esse Works ELP, no quanto os jovens são preconceituosos e o quanto nós, velhos de 30 anos, somos incapazes de assumir que certas coisas são ruins. Como Emerson, Lake and Palmer, que é ruim mesmo. Quer dizer, tem umas coisas legais no E,L & P e no Tarkus, mas não vale a pena defender os caras a essa altura do campeonato, quando tudo o que vejo neles (agora) é grandiloqüência, supervalorização de certos lugares-comuns da música erudita e uma ambição sem limites. Por isso não consigo ouvi-los com a mesma freqüência de, por exemplo, King Crimson, Gentle Giant e Yes - Crimson Rules. Por que mantê-los na discoteca? Tem umas do Palmer que são boas, tipo L.A. Nights

Sobre Rock Progressivo

Jethro Tull, a grande banda escocesa, tirou de onde esse nome? A pesquisa em sites brasileiros vai indicar o seguinte: "A banda tem o nome de um fazendeiro que inventou uma nova técnica agrícola no século XVIII."
Essa "explicação" pode ser encontrada, clonada, em alguns endereços, como Whiplash, e Black Sabbath Café e Som Floripa .
Nesse último há uma página de curiosidades sobre os nomes das bandas com traduções absurdas e imbecis como o significado de Greateful Dead: "Morte Maravilhosa". Argh.
Voltando ao JT, todos dizem simplesmente que o nome veio do véio (legal esse trocadilho), e não explicam que maravilhosa e revolucionária técnica de agricultura foi criada por Mr. Tull. A resposta está em Sociobiografias.
O cara simplesmente criou o primeiro modelo daquela maquininha de... bom, olha lá se quiser.

quinta-feira, 2 de maio de 2002

Blá blá blá

São Paulo - O que sai na imprensa sobre o "fenômeno" é repetitivo, superficial e limita-se a divulgar o mesmo punhado de blogs-modelo, considerados oficialmente como amostra do hype e catalogados como endereços recomendados. Enquanto isso neguinho vende um monte de produtos fazendo do seu e-blogbusiness um sucesso de vendas. De Macs a carros esportivos.

Lugar-Comum

São Paulo - Que os blogs "são a nova febre da Internet" todo mundo já sabe. Mas o que pretendem esses diários eletrônicos? Mais ou menos nada, como podemos ver numa série de matérias que têm saído na imprensa. Esta é emblemática. Saiu há mais de um ano no Estadão.

quarta-feira, 1 de maio de 2002

Grandes Esperanças

Caro Avery,
As três subáreas divulgadas são as já definidas. Além da possibilidade de inclusão de seu projeto numa delas (os conceitos aqui estão sendo considerados de maneira bem ampla), ainda há a possibilidade de entrar em outra sub-área.
Um grande abraço.


Essa é a resposta para um mail inquisidor que enviei ao projeto Tidia. Legal, né?

Trio Duca

São Paulo - Hoje (ontem) assisti ao show do Duofel, no Sesc Consolação. Do cacete. Os caras são bons mesmo. E originais. Não é à toa que Hermeto Pascoal chegou até eles e disse: "Gostei de vocês, mas o nome (Duofel) é muito ruim. Mudem pra Trio Duca". Os caras disseram, meio sem jeito, que são apenas dois e talz. Mas Hermeto corrige: "Olha, quando vocês tocam, eu fecho os olhos e escuto três pessoas. Então muda pra Trio Duca, ora.". Isso é muito Hermeto. Engraçado - pra nõa dizer trágico - não ter nenhum disco desse virtuose.

Satanistas são clientes insatisfeitos.