segunda-feira, 17 de outubro de 2011

To share, with love


Boa Vista - Isto não é pieguice. Educar é plantar uma semente que nalgumas vezes apresenta resultados imediatos e noutras só frutifica anos mais tarde. A missão de educador não é simples. Precisamos nos preparar diariamente dedicando tempo aos estudos e dinheiro à aquisição de livros e outras formas de conhecimento que muitas vezes sacrificam a nós e nossas famílias. Educar é amar e muitas vezes não ser amado. Professores são figuras vulneráveis, sozinhos diante de uma sala numerosa, sujeito a avaliações precipitadas, observações jocosas e a julgamentos por sua posição política, opção sexual, gênero, pelas roupas que veste. Professores são frágeis. Perdem horas de sono procurando fazer o melhor. Preocupam-se com aquele aluno que não conseguiu obter nivelamento com os demais. Preocupa-se com os investimentos na educação pública, com a crise mundial que bate à sua porta. Professores são seres humanos comuns, mas com uma missão especial. Aquela que lhe permite ler estas linhas. A que garante sua visão e sua condição de indivíduo no mundo. Por isso agradeço com emoção as felicitações pelo Dia do Professor que recebo de alunos e ex-alunos em diversas partes do Brasil e do mundo. De Osasco a Belo Horizonte; de Divinópolis a Dublin; de São Paulo a Boa Vista, obrigado.

domingo, 16 de outubro de 2011

Brasília - A fila da TAM é tão grande, que a cidade parece estar sendo evacuada.
Brasília - A fila da TAM é tão grande, que a cidade parece estar sendo evacuada.

sábado, 15 de outubro de 2011

Professor tem valor

Brasília - A gente podia tá matando, a gente podia tá roubando, mas a gente prefere tá educando. Por isso estamos aqui, reunidos no Sindicato Nacional, em pleno sábado, Dia do Professor, propondo educação de qualidade a um governo truculento e insensível que trata uma questão de estratégica e diretamente ligada à democracia como mero item orçamentário. Povo que não valoriza o professor é povo sofredor. Governo que desvaloriza o professor é governo opressor.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Não verás país nenhum

Brasília - Na reunião do setor das IFES, tentativa de evoluir da perplexidade à ação contra o Projeto de Lei 1992, que acaba com a aposentadoria integral e cria um modelo de previdência privada para o servidor público, baseado no sistema de bolsas de valores. 
Com o PL, o valor da aposentadoria flutuará de acordo com a volubilidade do mercado financeiro. O momento não é mais de esclarecimento, mas de mobilização. Coisa que a sociedade brasileira sabe fazer, pelo menos de vez em quando. A insurreição no Chile e em Wall Street nos inspirará?

Os chatos

Brasília - O governo conseguiu fazer com que 100 professsores, vindos de todo o Brasil, perdessem seu tempo em Brasília por conta de rusgas com o Sinasefe, o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica. A oficina não ocorreu e o grupo ficou trancado num auditório cercado de manifestantes cobertos de razão. Antes isso se chamaria censura. E hoje?

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Para amar o Grande Irmão

Brasília - Manifestantes do Sinasefe na entrada da Enap e representantes do governo inesperadamente concordam em atrasar a oficina. Os representantes do Ministério do Planejamento se recusam a começar a oficina por conta dos manifestantes, que estão na entrada do auditório em perfeita ordem, todos com nariz de palhaço. Enquanto isso, os professores  esperam bovinamente que o MPOG considere o encontro inviável. 

Como amar ao Grande Irmão

Brasília - Estou na Escola Nacional de Administração Pública numa oficina oferecida pelo Ministério do Planejamento aos professores das IFES para aprender a negociar com o governo. Sim, é irônico.

Dia da Europa. Uma embarcação com 400 pessoas, refugiados sírios, tenta chegar à costa italiana. A gravação com vozes desesperadas, via rá...