Mostrando postagens com marcador universidade pública. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador universidade pública. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

A doença da "normalidade"

Uma doença que se alastra no universo acadêmico, mas principalmente nas relações humanas. Quando o direito à alteridade é confundido com antipatia; amor com submissão; público com privado; ensino com educação. 
Vale a pena ler o texto de Renato Santos de Souza no Pragmatismo Político.  Uma análise lúcida sobre o reinado do quantitativismo no governo da papercracia.


terça-feira, 1 de abril de 2014

Boa Vista - Doutor honoris causa é um título tão ou mais importante que o de doutor. É o reconhecimento da sociedade científica a quem desenvolveu ou apoiou de forma extraordinária pesquisas e outras atividades que transformaram o desenvolvimento de uma região, de uma nação, da humanidade. Transformar esta honraria em moeda política e concedê-la a pessoas envolvidas em malversação do dinheiro público atenta contra a inteligência de uma região, de uma nação. É uma vergonha para uma instituição com mais de 20 séculos de tradição. E para a humanidade.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

São Luís - Todos queremos mais médicos e mais escolas, mas quantidade não implica em qualidade. O governo Dima acaba de entregar mais quatro universidades, mas em que situação? Construir prédios sem dotá-los de laboratórios e condições de trabalho; ampliar o número de salas de aula sem ampliar o de professores e manter os professores atuais desmotivados e sem carreira demonstram que a propaganda é forte, mas as ações, pífias. Além de inchar as universidades federais e transferir dinheiro público para as privadas (Reuni e Prouni), o governo do PT mantém aliança com os setores mais retrógrados da sociedade brasileira (José Sarney, para dar um único e suficiente exemplo) e age com subserviência ao capital transnacional, como é o caso da GM. E como definir a entrega do petróleo do pré-sal à Shell e à Exxon, além de privatização? Os professores foram à greve em 2012. O povo saiu às ruas em 2013. Não vai ser nessa mesma toada que as coisas vão se acalmar em 2014. Hoje FHC está à esquerda de Dilma Rousseff. Quem diria.

sábado, 24 de agosto de 2013

Brasil, ano 2013. Hum milhão de estudantes com financiamento público sobreinvestem impostos no ensino superior privado, enquanto nas universidades públicas investe-se demais em pesquisas para as indústrias química, farmacêutica e em projetos casuísticos dos dinossauros da academia. 

John Keynes já dizia que a crise do capitalismo é essencialmente uma questão de investimento. Se governos capitalistas ditos de esquerda adotassem um plano racional de longo prazo, relacionando o aumento da capacidade de produção ao uso de energia limpa e redução do custo tecnológico, talvez tivéssemos mais investimento em educação pública de qualidade.

Mas as decisões de investir, segundo Keynes, NÃO SEGUEM NENHUM PLANO RACIONAL. Não haveria crise se os empreendedores continuassem a investir. O problema vem de um subinvestimento privado e público. É quando percebemos que não há governos capitalistas de esquerda. Apenas governos capitalistas. E Keynes, Karl Marx e o Cacique Seattle são incapazes de educar nossos representantes.

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...