sexta-feira, 29 de outubro de 2004

Inteligência coletiva

Divinópolis - Em agosto de 2003, os blogs Um Dia Gnóstico, Zhuada e e-pístolas publicaram o post dadaísta "Wanderley, Takamine e o Diabo", direto da Vila Madalena, em São Paulo. Em setembro deste ano, a webnovela Totem começa com um post do Luís Ene, transformado em membro de uma improvável psicanálise de grupo. Agora, com base no post "Horror, horror!!", que publiquei há alguns dias, Ene escreveu mais uma de suas 1001 microestórias.

Bloguema número 27

Estou satisfeito
Com o trabalho bem-feito
Não tenho cara de prefeito
Mas um dia acabo eleito

sexta-feira, 22 de outubro de 2004

Mulheres desaparecidas

Divinópolis - O que teria acontecido a Sidenia, Chris, Conce e Karina?

a) Resolveram seguir carreira musical, adotaram o visual afro e fazem backing vocal para o Paul Simon?
b) Integram a nova formação de As Panteras (Charlie's Angels)?
c) Entraram em crise com o excesso de exposição e agora só escrevem diários fechados?
d) Todas as respostas anteriores.

quinta-feira, 21 de outubro de 2004

Persona virtual

Divinópolis - Na próxima quarta-feira, dia 27, ministro uma oficina sobre weblogs, comunidades virtuais e micronações em Divinópolis, como parte da IV Semana de Comunicação da Fadom. Promessas de hipóteses interessantes sobre diários em rede, realidade e simulacro e o homo digitalis. Bases da minha pesquisa de doutorado sobre a persona virtual, o pós-humano, etc, etc, etc.

quarta-feira, 20 de outubro de 2004

TCP Ipê

TCP Ipê


Na tela

Divinópolis - David Gilmour in Concert. Para fãs. O líder do Pink Floyd em trabalho solo toca Shine on you crazy diamond com violão e o sax de Dick Parry. Tudo bem, tudo bem, havia um tecladinho inaudível ao fundo. Surpreende a preferência da platéia por faixas do discutível Division Bell, o último trabalho do PF. Gilmour toca com uma banda arrasa-quarteirão com coral, cordas, guitarra e baixo acústico mais convidados tipo Bob Geldof, Robert Wyatt e Rick Wright no Royal Festival Hall de Londres. Se visse o Rick Wright na rua não o reconheceria com seu cabelo curto e prateado e os óculos de vovô. Gilmour continua em forma. É um dos melhores guitarristas de sua geração e causa nobres sensações ao espírito com o ainda indefectível solo de Confortably numb.

sexta-feira, 15 de outubro de 2004

Na tela

Divinópolis - Olga é um belo filme brasileiro, de produção e direção competentes. Fernanda Montenegro permanece acima das críticas, mesmo coadjuvando. Impressiona figurinos, direção de arte e fotografia. A atriz Camila Morgado, em seu melhor papel, encarna a revolucionária alemã com esmero. Depois do filme, fica a lembrança do terror em seus olhos no campo de concentração.

O tema do holocausto é sempre muito caro a Hollywood e pode favorecer a produção na sua entourage pela Academy Awards, na esperança de disputar o Oscar de melhor filme estrangeiro. Mas além das qualidades técnicas, a história de Olga Benario, mulher, judia, comunista e revolucionária é um libelo anti-mediocridade. Um alerta de que nossas vidas precisam de alguma justificativa, porque viver só vale a pena com ideais.

Olga é dirigido por Jayme Monjardim.

quinta-feira, 14 de outubro de 2004

Ditado

Divinópolis - A incompetência é melindrosa.

Na vitrola

Divinópolis - Duas bandinhas divertidas:
Franz Ferdinand - Hanging with the strokes
Scissors Sisters

terça-feira, 12 de outubro de 2004

Das cidades

Belo Horizonte - A capital de Minas é como o Japão. Consegue preservar tradições em meio ao caos metropolitano. Belo Horizonte seria uma cidade de direita, como a convergência das ruas indica? A programação cultural atende à maioria dos gostos. Na Feira Hippie, aos domingos, uma infinidade de artistas, artesãos, fabricantes de jóias e roupas fecha uma das principais avenidas para comercializar sua produção a preços lúcidos. Nos parques, obras de Nienmeyer e Portinari convivem ao lado de pescadores urbanos da Lagoa da Pampulha. Nas lan-houses e boates, a tecnologia é de última geração. Só falta wi-fi. Apesar de ter rodado algumas horas pelo centro, shoppings e regiões menos óbvias, não encontrei redes wireless para exercitar o warchalking. A caçada continua. Aceito sugestões.

domingo, 10 de outubro de 2004

Os 88 loucos


Belo Horizonte - Kill Bill V. 2 é uma algaravia audiovisual egoísta e provocativa, um borrão na página em branco do cinema-indústria. Provavelmente um das maiores insanidades já levadas à tela. O humor esquisito de Quentin Tarantino aparece em diálogos dramáticos. Pense em Kubrick, Linch e Peckimpah trocando idéias à tarde numa casa como a de O declínio do império americano. Imagine um filme de Antonin Artaud, fotografado por Man Ray, sonorizado por Stravinksy e John Cale, finalizado por um produtor grunge, distribuído pela Videodrome. Agora imagine que Tarantino não conheça nada disso e que, no fundo não tenha a menor importância. Tudo cheira a pós-cinema na estética tarantinesca.

quarta-feira, 6 de outubro de 2004

TCP Ipê

TCP Ipê


Decoração

Divinópolis - Li no blog do Cláudio Costa que o travesseiro-namorado é o mais novo item da lista de paraísos artificiais que o dinheiro pode comprar. E no André Muggiati sobre a angústia que nos assalta quando percebemos a miséria. E no mesmo post, um comentário do Luís Ene dizia que podemos prescindir de alguns móveis, coincidindo com nossa mudança de São Paulo e os móveis que deixamos com os 10 milhões de vizinhos que nos fazem valorizar mais o espaço. Infelizmente livrar-se dos móveis é como limpar as gavetas: um dia elas terminam cheias novamente.

terça-feira, 5 de outubro de 2004

As invasões bárbaras

Divinópolis - Centenas de imigrantes africanos foram expulsos ontem, algemados, da Itália. Pela lei, imigrantes pobres devem ser deportados, medida geralmente usada em casos de extradição de criminosos, expulsão de estrangeiros que tenham cometido crime de lesa-pátria ou jornalistas sensacionalistas que desonram presidentes. O governo do PT, que defendia a causa indígena, cede em favor do agribussiness e congela decisão sobre a terra indígena Raposa Serra do Sol. Uma cidade do interior de São Paulo (Porto Ferreira) elegeu o prefeito na cadeia. Ele está preso por pedofilia. O apresentador de TV Gugu Liberato, que levou ao ar reportagem falsa onde jornalistas eram ameaçados de morte, continua na TV. No Rio de Janeiro, a esquerda votou em peso no PFL, para salvar o estado da teocracia pentecostal. Em São Paulo o PT vai unir-se a Paulo Maluf para derrotar o ex-presidente da UNE e ex-exilado da ditadura, José Serra, que é apoiado pelos mais ricos. Repórteres por um dia - não se trata de uma defesa corporativa, mas de uma observação óbvia - fazem o trabalho jornalístico, o direito à informação de qualidade, parecer brincadeira. A blogosfera, antes território das idéias, passou a abrigar a intolerância e a hipocrisia de deformadores de opinião com seus sítios patrocinados. A espiritualidade é confundida com religião, dogmas, intifada. O protestantismo, que surgiu em contraposição ao catolicismo poderoso, avança contra os cultos afro-brasileiros. O Islã, outrora poético, intelectual, caridoso e filosófico sucumbe ao radicalismo selvagem de jovens suicidas e degoladores no Iraque invadido. É a nova revolução cultural, desmontando inteligências e ideologias: miríades de consumidores indômitos em não-lugares enfrentam filas em busca de necessidades artificiais. Desejos e povos estão se misturando por baixo. Uma hibridação que, perdoe-me Canclini, não me trate como um velho e reacionário Aldous Huxley, cheira a degeneração.

sexta-feira, 1 de outubro de 2004

Vote nulo...

Divinópolis - ... se quiser. Ninguém é obrigado a votar em candidatos inúteis, corruptos ou fracos só porque estes se candidataram. O voto nulo protesta contra a falta de opção. Se o número de votos nulos for superior ao de votos válidos, podem ser convocadas novas eleições e candidatos novos podem surgir.

Políticos de baixa qualidade estão no poder, entre outras razões, pela (des)orientação comandada por imprensa e Judiciário, que só concebem o ato de votar em candidatos. Desconsideram o voto que não lhes favorece. O voto útil é disseminado, por ignorância ou por má-fé, como equivalente ao voto em branco. Votar em branco é apoiar o candidato com maior número de votos. É aceitar. É como deixar de votar.

Há 90 municípios no Brasil com candidato único a prefeito. Vi no Jornal Nacional que na última eleição um município votou assim: 45 por cento de votos para o candidato único, 53 por cento de votos em branco e 2 por cento de votos nulos. O TSE decidiu que o candidato único deveria ser eleito porque a maioria de votos em branco só podia significar uma coisa: que o povo queria o candidato único. Um absurdo, considerando que o desejo da população era outro.

Que as urnas eletrônicas sejam dotadas de tecla para anular o voto. Votar nulo é um recado: mostra que a sociedade está descontente com o quadro atual. Que quer novas opções. Vote para prefeito e vereador, se quiser. Mas se seus candidatos não servem, clique num número inexistente e anule seu voto. Votar nulo é um exercício de cidadania. Em branco, de obediência.

Na Tela

Divinópólis - Bowling for Columbine ou o debate Kerry x Bush? Por um momento, a dúvida. Os dois programas trariam o belicismo à sala de TV. Escolho o debate: a transmissão em inglês é recebida mais rápido que e a traduzida para o espanhol e esta, por sua vez, chegava antes da versão traduzida da Bandnews. Sugestivo.

Kerry é um gentle giant, veterano do Vietnã que gosta de jactar-se quanto à capacidade guerreira e superioridade estratégica. Disse que existe uma maneira certa e uma maneira errada de defender Uncle Sam. Bush estaria insistindo na errada. No contra-ataque, Bush lançava olhares sibilinos e desqualificava o discurso do democrata. Em todas as suas falas (transmitidas para um palmtop no púlpito e um ponto eletrônico produzido com o melhor da nanotecnologia) insistiu que Kerry muda de idéia facilmente, assumindo a máxima de que só os idiotas não mudam de idéia. Como troco, Kerry ironizava a queda nos investimentos na segurança interna e os gastos montruosos nas guerras de expansão no Iraque e no Afeganistão.

Bush irritado, investia no medo, dizendo que o senador é muito indeciso para assumir o comando da nação num momento de crise como o atual. Kerry vingava-se afirmando que a primeira providência na invasão ao Iraque foi proteger os poços de petróleo. Bush retrucava dizendo que prevenir é melhor que remediar. Kerry ironizava dizendo que atacar o Iraque por causa do 11 de Setembro equivale a Roosevelt atacar o México por causa de Pearl Harbor. Bush vacilava entre o texto que aparecia no palm e o que chegava ao seu ouvido e ficou confuso, mas Kerry não percebeu. Kerry demonstrou maior inteligência, o que não é grande coisa diante do fundamentalista texano. O problema é que o povo norte-americano valoriza mais a astúcia que a inteligência. É provável que o selvagem vença o gentle giant. Seja qual for o resultado, o mundo não se tornará mais seguro.

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...