segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Perguntas


As 3 perguntas mais feitas pelos jornalistas:
1 - Qual é o objetivo do evento?
2 - O senhor confirma a informação?
3 - Quantos mortos?


As 3 perguntas mais feitas por estudantes de jornalismo:
1 - Cai na prova?
2 - Tem que ler?
3 - Vai ter aula hoje?

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Eu sou Ozzy

O verdadeiro e único
Morro de rir com a biografia do criador do Black Sabbath e seu talento nato para a confusão.
Ozzy tinha um urso empalhado, criava galinhas e tinha fliperamas. Atirava em tudo. Mais não posso dizer. Comprem.

Livro: Eu sou Ozzy
Autor: Ozzy Ousborne
Páginas: 416
Editora: Benvirá
Preço: R$ 39,90 

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Sobre quase tudo

Simbólica, a última do lado A sugere um lado B
Mas na era do CD não há lado (nem plano) B
Toca o disco até riscar, sem saber por quê

Escrever dói, e achava melhor a dor de escrever
Que a dor de pensar
Mas pensava com dor, dúvida e desvelo
Por isso voltava a escrever

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Debate dos presidenciáveis na TV Record

Cristina Lemos: afiada no debate
Enquanto isso, no debate da Record, Cristina Lemos traja um elegante modelito Bram Stocker e Plínio de Arruda Sampaio se revela um neo-Enéas que saiu da esquerda para a esquerda.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Televisão

Um homem que via a vida pela TV (Peter Sellers) e um homem que vivia dentro da TV (Jim Carey) em "Muito Além do jardim" e "O Show de Truman", que começam agora, na TV.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

A Escola de Funk Furt (O Bonde do Adornão)

Theodor Adorno ou MC Adornão
Adorno era um cara elitista de dar dó
Detestava sertanejo, axé, pagode e forró
O amigo Horkheimer era chato por igual
Irritado e inteligente, lutava contra as forças do mal.

Desencantados com a mídia,
da mesmice sempre igual, Adorno e Horkheimer desenvolveram o conceito
de que tudo que é malfeito vem da indústria Cultural.

A indústria cultural destrói qualquer sentido
de arte que queira subsistir
num mundo criado à parte,
que é mais limbo que devir,
que é mais todo do que parte.


Para saber mais sobre o Bonde de Funkfurt, desconfie até o fim.
Leia sobre Habermas sobre o Jazz e sobre Walter Benjamin.

E pra esse funk não acabar, date-me um martelo
e martela, martela, martela o Matellart.
Então martela, martela, martela o Matellart.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Uma piada interna sem graça para o leitor

Suíte é fundamental em Jornalismo, apesar do costume de privilegiar kitinetes.

Fulano anuncia que vai construir ponte ou fábrica ou que vai abrir a sessão da ONU ou que vai subir ao espaço em foguete caseiro e a imprensa publica ipsis literis, sem questionar em nenhum momento, como se a mera declaração fosse suficiente para concretizar as mais absurdas intenções. Trata-se da preguiça tradicional do "jornalismo declaratório".

Incorrido o primeiro erro, o segundo é fatal: a imprensa em muitas ocasiões não verifica, não questiona. Não faz uma atividade básica no seu trabalho que é a repercussão do tema, o que no Jornalismo chamamos de suíte.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

De bate e assopra

Dilma Roussef
José Serra
Marina Silva
Hoje à noite (22h) tem Debate Cosplay na BAND. Já foram confirmadas as presenças de Smigol (José Serra), Darth Vader (Dilma Roussef) e Avatar (Marina Silva). 

sábado, 24 de julho de 2010

Um poema

Brisa Marinha
(Stéphane Mallarmé)

A carne é triste, sim, e eu li todos os livros.
Fugir! Fugir! Sinto que os pássaros são livres,
Ébrios de se entregar à espuma e aos céus imensos.
Nada, nem os jardins dentro do olhar suspensos,
Impede o coração de submergir no mar

Ó noites! nem a luz deserta a iluminar
Este papel vazio com seu branco anseio,
Nem a jovem mulher que preme o filho ao seio.
Eu partirei! Vapor a balouçar nas vagas,
Ergue a âncora em prol das mais estranhas plagas!

Um tédio, desolado por cruéis silêncios,
Ainda crê no derradeiro adeus dos lenços!
E é possível que os mastros, entre ondas más,
rompam-se ao vento sobre os náufragos, sem mastros,
sem mastros, nem ilhas férteis a vogar...
Mas, ó meu peito, ouve a canção que vem do mar!

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Observações em 140 caracteres

O Twitter cria microdomínios, cerquinhas efêmeras, pequenos reinos. Um exercício de popularidade baseado na hipocrisia. Começa pela Bio.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Sobre plágio e afins

Na era da informação, a quantidade de textos plagiados, distorcidos, mutilados e atribuídos a outros autores é imensa, numa despreocupação terrível com a autoria. Os textos são republicados em blogs, twitters e outras plataformas, como se pertencessem aos publicadores ou são falsamente atribuídos a autores famosos.

Já li textos religiosos como se fossem do ateu Gabriel García-Márquez e escatologias atribuídas a Luís Fernando Veríssimo e a James Joyce. Há um texto, modificado ao longo dos anos e transformado em auto-ajuda, que acabou atribuído a Shakespeare, mas pertence a Veronica A. Shoffstall. Está reproduzido abaixo.

Em Português ficou assim:


Depois de algum tempo você aprende a diferença...
a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.
E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.
E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas  simplesmente não se importam...
E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destrui-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida (....)



E assim por diante...

Um poema

After a while you learn
After a while you learn
the subtle difference between
holding a hand and chaining a soul
and you learn
that love doesn't mean leaning
and company doesn't always mean security.
And you begin to learn
that kisses aren't contracts
and presents aren't promises
and you begin to accept your defeats
with your head up and your eyes ahead
with the grace of woman, not the grief of a child
and you learn
to build all your roads on today
because tomorrow's ground is
too uncertain for plans
and futures have a way of falling down
in mid-flight.
After a while you learn
that even sunshine burns
if you get too much
so you plant your own garden
and decorate your own soul
instead of waiting for someone
to bring you flowers.
And you learn that you really can endure
you really are strong
you really do have worth
and you learn
and you learn
with every goodbye, you learn...

terça-feira, 22 de junho de 2010

RIP

Com as mortes de Paulo Francis e José Saramago, agora só restam dois Beatles vivos: Gabriel García-Márquez e Mario Vargas Llosa.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Palavras de AMP

Por favor, não venham me dizer que professor universitário não trabalha. Você, aluno, que pensa que a vida do professor é uma maré mansa sem fim: pense melhor, e pense bem se você quer isso, se deseja algo assim para si – pois eu tenho visto desejos de fama, fortuna, importância, prestígio, carro importado, e sempre muitos desejos sem fim de auto-engrandecimento, mas ainda não vi um de vocês lendo Don DeLillo pelos corredores, ou escrevendo um blog que não envergonhe a mim, que não o escrevi, que sou apenas seu leitor. Vejo, alunos, seus mil desejos escancarados, pendurados no pescoço pelos corredores, e peço a vocês apenas que trabalhem comigo e com os outros professores a partir de desejos minimamente compatíveis com esse negócio que vocês, em tese, vão fazer na Universidade. Por favor, ofereçam a este, e aos outros professores, a benesse de se defrontar casualmente com a excelência discreta e intempestiva; dêem – como um dom maussiano, sabendo que vai e volta – a seus professores a grande dádiva que será lidar com vocês sem ter de amaciar seus egos cotidianamente, ou pisar em ovos todo o tempo para não ferir suas sumamente situadas, apesar de quase universais, vaidades, ou simplesmente para nos permitir um tempo de trabalho sem que tenhamos de pensar quanto de nosso exercício é consumido no cobrar.

(Do amigo bovarista Antonio Marcos Pereira)

Brilhar a minha estrela 
(Sangue da Cidade)

O mais importante prum guerreiro
é simplesmente a vontade de viver,
sem parar prá pensar nos momentos que virão.
Ele sabe o que quer, sabe o que é 
conhece o caminho 
é o dono da sua verdade, do seu destino.

Dá mais um, lembrar de tudo isso.
Dá mais um, pensar no que é bonito.

Dá mais um, em frente na certeza.
Dá mais um, brilhar a minha estrela.
Dá mais um

sábado, 12 de junho de 2010

 



Happiness is like a butterfly. The more you chase it, the more it will elude you. But if you turn your attention to other things, it will come and sit softly on your shoulder (David Thoreau).
 

quinta-feira, 27 de maio de 2010

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Expedição musical à terra de Makunaima

O jornalista, DJ, multimídia e agitador cultural Israel do Vale escreveu um belo texto sobre Roraima, sua música, sua gente, sua cultura.

Em "Expedição musical à terra de Makunaima", Israel dá uma lição de observação jornalística, apesar de sua curta passagem por aqui.

Imperdível para qualquer culturatti interessado em música "fora do eixo". Leia aqui.

sábado, 22 de maio de 2010

Dogma

O problema com a célula artificial é que depois de conseguir criar a  vida, o homem vai levar um tapinha nas costas e ouvir uma frase: Agora é tua vez, cuida de tudo, dirá Deus.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Livro Eletrônico: alerta escritores

Escrito por Ademir Assunção*

Saiu matéria na Folha de São Paulo sobre o livro eletrônico, que começa a entrar no mercado editorial brasileiro. O texto diz que os livros nacionais ainda são pouquíssimos no formato eletrônico. Por quê? Eis o trecho que mais interessa a nós, escritores: “O livreiro é um dos que defendem que o maior nó no mercado é a rediscussão dos direitos autorais. ‘O medo está aí. Isso vai inundar o Judiciário’”. O livreiro é Pedro Herz, dono da rede de livrarias Cultura. (grifo meu).

Nem todo mundo sabe, mas os autores ganham apenas 10% do preço de capa de cada livro vendido. 10%. Os outros 90% ficam com editoras, distribuidoras e livreiros. 10% é o padrão. Mas há editoras que chegam a pagar 3%. Quando falo isso para leitores que não fazem a menor idéia como funciona a remuneração de direitos autorais no Brasil, muitos ficam espantados, outros indignados.

A entrada do livro eletrônico é uma ótima oportunidade para os autores rediscutirem seus direitos autorais. Ouçam bem: é uma ótima oportunidade. As grandes livrarias já estão pressionando as editoras para venderem livros de seus autores em formato eletrônico. As editoras já estão procurando os autores para assinarem adendo aos contratos autorizando a venda em formato eletrônico.

Conversei com um advogado especialista em direito autoral essa semana. O livro eletrônico foi um dos temas da conversa. Perguntei a ele o que os autores devem fazer em relação às autorizações para comercialização do livro eletrônico. Ele foi claro e taxativo: “Enquanto não redefinirem a remuneração dos direitos autorais, não assinem. O livro eletrônico não tem custos que justifiquem manter os direitos autorais em apenas 10%”.

A matéria da Folha diz que os representantes de cada setor da cadeia produtiva do mercado editorial já estão discutindo a questão. Eu pergunto: quem representa os escritores nessas discussões? A Academia Brasileira de Letras? A União Brasileira dos Escritores? Algum escritor foi procurado para se manifestar?

O advento do livro eletrônico vai provocar grandes mudanças no mercado editorial. Entre outras coisas, vai diminuir os custos de produção dos livros e também os custos de venda pelas livrarias. Tanto escritores, quanto editores, podem fazer vendas diretas em seus sites, a custos quase zero. Essa é uma boa alternativa caso não haja acordo justo em relação ao pagamento de direitos autorais. A pressão vai ser comercial. Em resumo: há todas as condições para o preço do livro diminuir bastante (vantagem para os leitores) e o pagamento de direitos autorais subir bastante (vantagem histórica para os escritores).

Por isso, está dado o alerta: escritores em geral: não sejamos bobos. Não assinemos nenhum contrato enquanto não houver uma discussão aberta sobre direitos autorais de livro eletrônico e um acordo justo. Não caiam na balela de que estamos nos tempos de “quebra de autoria, compartilhamento de informações”, argumento que está sendo utilizado por alguns comerciantes de livros. Eles não vão “compartilhar” nossos livros. Eles vão vendê-los.

Alguns editores já compreenderam a necessidade dessa discussão com seus autores. Já perceberam que se marcarem touca vão beirar a falência, como aconteceu com as gravadoras. São poucos. E provavelmente vão tentar acordos individuais com os autores.

Eu vejo a grande oportunidade de tomarmos uma decisão coletiva. Uma decisão dessa forma vem com muito mais força. Podemos fechar um acordo que beneficie a todos. É uma oportunidade única.

É uma oportunidade única para os editores e livreiros também mostrarem que se preocupam de fato com os autores, que os vêem de fato como “parceiros” (termo da moda).

Alguém aí já se deu conta que na “cadeia produtiva do livro” (outro termo em moda), o único que não é profissional (no sentido de viver do seu trabalho) é o escritor? O livreiro é, o distribuidor é, o editor é, o gráfico é, o balconista da livraria é. Menos aquele que produz a matéria-prima para o trabalho de todos os outros da tal “cadeia produtiva”.

Pensem bem nisso. Caso não haja acordo justo, nada impede que num futuro muito próximo os próprios autores se organizem, criem uma editora virtual, e vendam seus livros diretamente, ganhando 80, 90% de direitos autorais.

Peço aos que entenderam o que diz esse texto que se manifestem. Que passem adiante. Que republiquem em seus blogues. Que discutam nos bares (não é assunto “chato”, não. Diz respeito ao nosso trabalho). Que ampliem essa discussão e pensem formas de partirmos pra ação.

É a hora.

*Ademir Assunção é poeta e jornalista, membro do Colegiado Nacional da Literatura, Livro e Leitura e integrante do Movimento Literatura Urgente

Publicado no blogue espelunca: http://zonabranca.blog.uol.com.br/

domingo, 16 de maio de 2010

Enquanto isso, na Islândia...

Olha o carro do peixe, olha o carro do peixe! Tem Pirarukull, Pakull, Kullrimatã, Arakull Kabeça Gorda...

terça-feira, 27 de abril de 2010

... como nas fotos das feições de lutadores no interregno entre um assalto e outro.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Sobre Twitter e censura

Boa Vista - Meio mundo agitado com o governador-ditador-que-processa-tuiteiro em Roraima. Mas abusam da raiva e pagam o pato. Tudo sonho de Vishnu. Confundem emoções com fatos. Por isso fé e ciência são incompatíveis. No dia em que a imprensa local tiver coragem de ouvir o outro lado, sem fingir que "procurou fulano", mas não encontrou, começaremos novo ciclo. 

Sim, qualquer jornalista fica indignado com a mordaça. Mas Twitter é uma REDE SOCIAL. Jornalismo se faz em jornal e até em blogs. Há um longo caminho até a maturidade da imprensa local, mas deve-se começar percebendo essas diferenças e principalmente seus defeitos. Se você acredita que está fazendo jornalismo no Twitter, com a imponderável superficialidade de 140 caracteres, por favor não me siga.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Um poema

Ghost Song
(Jim Morrison)



Awake.
Shake dreams from your hair
My pretty child, my sweet one.
Choose the day and choose the sign of your day
The day's divinity
First thing you see.

A vast radiant beach and cooled jeweled moon
Couples naked race down by it's quiet side
And we laugh like soft, mad children
Smug in the wooly cotton brains of infancy
The music and voices are all around us.

Choose they croon the Ancient Ones
The time has come again
Choose now, they croon
Beneath the moon
Beside an ancient lake

Enter again the sweet forest
Enter the hot dream
Come with us
Everything is broken up and dances.

Indians scattered,
On dawn's highway bleeding
Ghosts crowd the young child’s,
Fragile eggshell mind

We have assembled inside,
This ancient and insane theater
To propagate our lust for our life,
And flee the swarming wisdom of the streets.

The barns have stormed
The windows kept,
And only one of all the rest
To dance and save us
From the divine mockery of words,
Music inflames temperament.

Ooh great creator of being
Grant us one more hour,
To perform our art
And perfect our lives.

We need great golden copulations,

When the true kings murders
Are allowed to roam free,
A thousand magicians arise in the land
Where are the feast we are promised?

One more thing

Thank you oh lord
For the white blind light
Thank you oh lord
For the white blind light

A city rises from the sea
I had a splitting headache
From which the future's made

terça-feira, 13 de abril de 2010

Um poema

Receita para arrancar poemas presos
(Viviane Mosé)

Você pode arrancar poemas com pinças buchas vegetais óleos medicinais
com as pontas dos dedos com as unhas com banhos de imersão com o pente
com uma agulha com pomada basilicão alicate de cutículas massagens e hidratação  

Mas não use bisturi nunca
em caso de poemas difíceis use a dança
a dança é uma forma de amolecer os poemas 
endurecidos do corpo. uma forma de soltá-los das dobras dos dedos dos pés.
das vértebras dos punhos. das axilas. do quadril
   
São os poema cóccix.
Os poema virilha.
Os poema olho.
Os poema peito.
Os poema sexo.
Os poema cílio.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

140

Crie um nickname
abra uma account
insira seu e-mail
escolha a mesma password
publique o que você está fazendo
depois o que está pensando
depois o que faria,
se agisse depois de pensar
querem a urgência do discurs
um incriminador duplipensar

sábado, 27 de março de 2010

Bodas Wapishana


            Eunice segura nervosa o buquê de flores, minutos antes da cerimônia. Está mais calma agora, mas ainda há pouco respirava com dificuldade, como se o longo vestido branco tivesse ficado mais justo. Uma parenta lhe ajuda com a saia. Ajeita delicadamente os cabelos diante do espelho. Está quase pronta para o casamento.
            Na mesma sala, Anacleto comporta-se de forma exemplar. Não aparenta nervosismo, mas parece muito sério. O terno lhe cai bem. Confere a altura da calça em relação aos sapatos pretos, encolhe a barriga e anda empertigado sem se importar com a velha superstição de que o noivo não pode ver o vestido antes da cerimônia.
            Do outro lado da rua, os convidados começam a chegar e a ocupar mesas onde mais tarde serão servidos bolo, refrigerante, churrasco e damorida. A festa é na comunidade de Truaru, uma vila Wapishana localizada no oeste de Roraima.
Os Wapishana falam uma língua Arawak, tronco que agrupa diversos povos. Há falantes de Arawak nas Antilhas, no Caribe, na Amazônia, na Argentina... Quando Cristóvão Colombo chegou à Américas foi recepcionado pelos extintos Tainos, falantes de uma língua Arawak. Em Roraima os Wapishana formam uma exceção entre falantes de línguas Karib como os Makuxi, Taurepang e Ingarikó.
            Eunice conheceu Anacleto há mais de meio século, quando a vila não era muito diferente de hoje, exceto pela luz elétrica, carros e antenas parabólicas. Hoje os dois comemoram 50 anos de casamento. Bodas de Ouro. Filhos, netos, bisnetos, parentes distantes, vizinhos e amigos prestigiam o evento, que só vai terminar quando o dia amanhecer.
O pastor espera impaciente a preparação do som e do cerimonial de entrada. Tem pressa em realizar as bodas, uma atividade inédita no seu currículo. Quer falar sobre a sabedoria do rei Salomão, um homem que teve 700 mulheres e certamente inspirará um casamento próspero.
Está preparado para repetir as palavras de Deus sobre a boa esposa, descritas em Provérbios 31. Dirá que a mulher virtuosa é esposa e mãe ideal e exemplo a ser seguido. Que é empreendedora, supervisiona empregados, cuida da família, fia roupas para marido e filhos, produz lucros, faz caridade, está sempre ocupada e trabalha até tarde. “Enganosa é a graça, e vã, a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor, essa será louvada”, diz.
O carro de som aumenta a trilha sonora. Depois reduz o volume. O pastor fala sobre a importância do amor diário como forma de preservar o casamento. “Porque ela é tua. Deus que te deu”, reforça. “Querem que eu fale mais?”, pergunta. A platéia diz que não. Ele dá o troco: “Só não quer ouvir quem pensa em trair a sua esposa ou seu marido. Pois vou continuar...”. Minutos depois de falar sobre preguiça, desleixo, trabalho e sexo diário - “Viagra e Ciallis não adiantam nada sem o amor de Deus” – encerra, para alívio do grupo de adolescentes que espera bolo e refrigerantes.
            O bolo chega, trazido por garçons e garçonetes mirins que podem muito bem ser um dos 35 netos ou 5 bisnetos de Seu Anacleto, pecuarista e ex-tuxaua, um dos líderes que conquistou na década de 70 a homologação da terra onde moram.
Uma fila se forma na parte de trás do malocão, onde são servidos churrasco de boi, farofa, arroz, pernil de carneiro, macarronada, damorida e caldo de carne.  
As músicas de Tom Cléber e Chitãozinho e Chororó, um mix de Parabéns pra Você, sucessos dos anos 80 e música sertaneja, logo dão lugar ao forró, que só termina de manhã.  Para desgosto do pastor, as letras falam de bebedeira, traição e violência. Seu Anacleto e dona Eunice, evangélicos, deixam a festa para os mais jovens. Afinal, é noite de núpcias.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Li "Boa Vista, 1953 - Uma Aventura", de Laucides Oliveira

Boa Vista - Quando Laucides Oliveira chegou a Boa Vista, nos idos de 1953, havia dois cinemas na cidade e os boêmios tocavam chorinho. Hoje há apenas um cinema e os boêmios ouvem forró, mas certas coisas não mudaram: o jeito de fazer política, as artimanhas do serviço público, a natureza bela e ultrajada.

Mais fiel à história de Roraima que certos livros já publicados com o carimbo da política partidária e anti-indígena, Laucides acerta ao misturar memórias pessoais e história. Lembra Eric Hobsbawn em "Tempos Interessantes". Laucides jantou com Juscelino Kubitschek nas obras de Brasília e assistiu à final da Copa de 1950: uma vida rica. Vida de jornalista.

Há passagens poéticas, como a que narra a confusão entre o som de um avião distante e o barulho do vento na boca de uma garrafa perdida no Maciço das Guianas. Tem Dick Farley, Jazz e Still Pan. Tem classe, artigo em falta na imprensa hodierna. Tem saborosos lugares-comuns que só ficariam bem no texto de Laucides, um de meus gurus pessoais da profissão.

Para quem vive a era dos relacionamentos fugazes e divórcios em série, o eterno romance com a mulher Clotilde surpreende. A mistura eficiente de biografia, romance e história que compõe o primeiro livro de Laucides merece uma segunda edição mais cuidadosa de seus poderosos patrocinadores. Nosso dinossauro mais ilustre merece.

quinta-feira, 18 de março de 2010

O petróleo é nosso

Cariocas e capixabas estrebucham, mas o dinheiro do pré-sal tem que beneficiar as regiões mais pobres do Brasil. Afinal, somos uma federação.  O petróleo é do País, fica a 300 milhas da costa, a quilômetros de profundidade e não à flor da terra, em Macaé.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Viva Zapata, diz o DEM

Orlando Zapata, o dissidente cubano que morreu em greve de fome, era totalmente desconhecido pela mídia e pela direita brasileira. Agora que começou a campanha eleitoral, virou herói de falsos sentimentos humanitários.

Será que o DEM e os tucanos faziam campanha silenciosa em favor dos direitos humanos, defendiam dissidentes do anacrônico regime fidelista e a gente não sabia? Hang your public relations, fellows.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Formsprings.me

E em termos pragmáticos? O que não se aprende na faculdade por falta de espaço de prática? by marcusvflacerda

Acho que falta mesmo é teoria nos cursos de jornalismo. Deontologia, sociologia, apreço à vida humana. As tecnologias de comunicação obliteram a reflexão e favorecem muito a técnica, o que é erro fatal.

A técnica jornalística é simples, aprende-se em três semanas – por isso muita gente considera uma atividade simplória, como, por exemplo o ministro Gilmar Mendes. Mas não se trata disso. Jornalismo é arte, técnica e serviço. Mas antes de tudo é humanismo.

Pergunte qualquer coisa: http://www.formspring.me/averyverissimo
Por que você nunca gostou de dar entrevista a jornalistas? A questão é falha na formação acadêmica dos atuais profissionais de imprensa ou é falha de caráter dos mesmos? by ricardodivino

Pergunta tinhosa. Tinha que ser de jornalista. Veja: há falhas sim, mas na (auto) formação acadêmica. Nenhuma faculdade pode ser culpada pelos maus jornalistas que saem de lá. A responsabilidade é dos próprios, que não seguem as recomendações e a bibliografia dadas. O que termina sendo uma boa desculpa para os que exercem a profissão sem diploma. Vejo falta de caráter mais nestes últimos, que ingressam numa atividade sem formação adequada, sem estudar ética jornalística, as linguagens individuais de cada meio, as formas corretas de se comportar no vídeo e no escrevinhar.

No mais, já tive entrevistas deturpadas (falha no caráter?) por descuido e, o que é mais grave, desinformação do entrevistador. Jornalista que não sabe a origem do Big Brother, quem é Truman Capote ou Winston Smith ou Raskohlnikov ou William Gibson ou Paulo Francis ou Stan Lee, deveria ter o diploma cassado. Quem estuda sabe a diferença entre crítica e calúnia. Não pode reclamar de processo depois. Temos que nos afirmar como área nobre do conhecimento e por isso é válido vetar as hordas bárbaras.

Pergunte qualquer coisa: http://www.formspring.me/averyverissimo

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Carnaval

Intelectuais não apreciam carnaval porque racionalizam tudo. Acadêmicos não apreciam carnaval porque não é explicável pela ciência. Roqueiros não apreciam carnaval porque as músicas não oferecem som e fúria. Budistas não apreciam carnaval porque lhes afasta do Nirvana. Evangélicos não apreciam carnaval porque o consideram coisa maligna. Plantonistas de hospital e paramédicos não apreciam carnaval por causa da sobrecarga de trabalho. Há artistas que não apreciam carnaval porque o consideram uma bobagem alegre, alienação cultural, comércio do corpo e deturpação da alma. De minha parte, concordo com todos.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Magic Buzz

Chama-se Buzz o novo produto de uma companhia que já guarda para si as informações pessoais de 17 por cento dos internautas. Os algoritmos do Google estão preparados para acabar com sua privacidade. Pretende se alimentar das informações de plataformas concorrentes e virar a maior rede social. Sua estrutura permite blogging, chat, compartilhamento e integração com produtos da casa. As contas no Gmail, Blogger, etc passam a ser adminstradas a partir de um perfil comum. A partir de agora, você se chama assim:  www.google.com/profiles/voce.

Sobre Educação em Roraima

Segundo o IBGE, Boa Vista apresenta o maior percentual de alunos sexualmente ativos. Nas escolas públicas, 33,1% dos alunos declararam ter feito sexo. Nas particulares, 29,2%.

Dos casos de agressão com facas e estiletes, os maiores índices se encontram em Boa Vista (9,5%) e os menores em Porto Velho (4,1%). Quem disse que lá é o Velho Oeste?

Nos casos de arma de fogo, a capital de Roraima lidera as estatísticas (9,4%), seguida de Curitiba (9,2%).

Os dados abaixo fazem parte da Pesquisa Nacional de Saúde com o Escolar (PENSE), realizada pelo IBGE em todo o Brasil. 

Numa terra em que os políticos pagam com dinheiro público shows de pornoforró, não é difícil entender porque ostentamos esses índices.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

J. D. Salinger morreu?


J.D. Salinger morreu mesmo ou é golpe publicitário? (piadinha mórbida sobre escritores reclusos, que deve ser feita de preferência durante o velório).

Se houver um céu dos escritores, Salinger será recepcionado por Zelda e F. Scott Fitzgerald, que farão o discurso de recepção e imitarão quadrúpedes para a diversão da platéia. Truman Capote contará piadas ácidas e espirituosas sobre as frescuras salingerianas. Serge Gainsbourg tocará (mal) alguma coisa ao piano. Virgina Woolf, Silvia Plath e Ernest Hemingway ficarão reclamando da vida post-morten e Hermann Hesse, cansado da bagunça e alegando dor de cabeça, vai mandar todo mundo pra casa mais cedo. Joseph Pulitzer vai achar bom, por causa do barulho e... ops, Pulitzer era jornalista. Jornalistas não vão para o céu.

PS: Chegou a hora de ler o Apanhador no Campo de Centeio. Tá, sei, já devia ter feito isso. Mas também não li O Pequeno Príncipe. Fiquei ocupado com Homero, Sartre, Platão, Saramago, Henry Miller, Don Delillo...

Um poema

Se perdem gestos, cartas de amor, malas, parentes
Se perdem vozes, cidades, países, amigos.
Romances perdidos, objetos perdidos, histórias se perdem.
 
Se perde o que fomos e o que queríamos ser
Se perde o momento
Mas não existe perda, existe movimento".

(Poema de Sombra - Bruna Lombardi)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Leio A misteriora chama da rainha Loana, de Umberto Eco

Um homem de 60 anos sofre um acidente vascular cerebral e não lembra mais da mulher, filhos, netos, nem do próprio rosto. A Amnésia, porém, não atinge a parte racional do cérebro.

Livreiro e bibliófilo, Yambo lembra de citações e obras diversas, mas perde o arcabouço emocional que lhe fazia ser quem era. Por isso parte em busca de seu passado vasculhando a memória de amigos e parentes, velhas revistas, discos e livros. O passeio pelas letras é acompanhado por imagens. É um romance ilustrado, avisa a capa brasileira.

Nesta bela história de Umberto Eco, percebemos como a sociedade do século 20 foi ligeiramente homogênea em relação aos produtos culturais da época. Tanto a geração de Yambo (nascida nos anos 1930) quanto a minha, nascida nos anos 1970, tiveram a infância embebida em literatura, cinema e quadrinhos.

O defeito, como na maioria dos livros de Eco, são umas 100 páginas a mais do que a estória realmente necessita. Talvez UE seja um dos autores com maior número de catataus publicados per capita. Acabo de testar isso com os volumes de Baudolino, O Nome da Rosa, O Pêndulo de Foucault e A misteriosa chama da rainha Loana: todos ficam em pé, sem necessidade de apoio.

Se preciso pegar alguma coisa no alto da estante, basta empilhar quatro livros do Umberto Eco.

Livro: A misteriora chama da rainha Loana
Autor: Umberto Eco 
Editora: Record 
Páginas: 454 
Preço: R$ 40,00

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Uma canção

Once in a lifetime
Talking Heads


You may find yourself living in a shotgun shack
You may find yourself in another part of the world
You may find yourself behind the wheel of a large automobile
You may find yourself in a beautiful house with a beautiful wife
You may ask yourself, well, how did I get here?

Letting the days go by, let the water hold me down
Letting the days go by, water flowing underground
Into the blue again after the money's gone
Once in a lifetime, water flowing underground

You may ask yourself, how do I work this?
You may ask yourself, where is that large automobile?
You may tell yourself, this is not my beautiful house
You may tell yourself, this is not my beautiful wife

Same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever wasSame as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was

Water dissolving and water removing
There is water at the bottom of the ocean
Remove the water, carry the water
Remove the water from the bottom of the ocean

Letting the days go by, let the water hold me down
Letting the days go by, water flowing underground
Into the blue again, after the money's gone
Once in a lifetime, water flowing underground
Into the blue again, into silent water
Under the rocks and stones, there is water underground

Letting the days go by, into silent water
Once in a lifetime, water flowing underground
You may ask yourself, what is that beautiful house?
You may ask yourself, where does that highway lead to?
You may ask yourself, am I right, am I wrong?
You may say to yourself, my god, what have I done?

Letting the days go by, let the water hold me down
Letting the days go by, water flowing underground
Into the blue again, after the money's gone
Once in a lifetime, water flowing underground
Into the blue again, into silent water
Under the rocks and stones, there is water underground

Letting the days go by, into silent water
Once in a lifetime, water flowing underground
Same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was
Same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was

Time isn't holding us, time isn't after us
Time isn't holding us, time doesn't hold you back
Time isn't holding us, time isn't after us
Time isn't holding us...
Letting the days go by, letting the days go by, letting the days go by, once in a lifetime

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Bola ao cesto

1 - Lakers x Cavaliers emocionante no Canal Space, com narrador tiete de Lebron James e comentarista em crise criativa. Jogo com cara de playoff. Deu Cavaliers, 93 a 87. O brasileiro Anderson Varejão marcou os dois últimos pontos em arremessos livres, definindo a partida.

2 - Darren Collison, jogador-revelação do Memphis Grizzlies, é filho dos corredores guianenses Dennis - recordista nos 100 e 200 metros rasos nos Jogos Pan Americanos - e June, segunda colocada nos 400 metros rasos no Pan de 1979 e correu pela Guiana na Olimpíada de Los Angeles, em 1984.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Corpos de bebê em geladeira

Deu na Folha de São Paulo que uma equipe do Ministério Público de Roraima achou seis corpos de bebês armazenados numa geladeira comum na maternidade de Boa Vista.

Corpos de fetos e crianças natimortas estavam embrulhados em plásticos pretos e em fraldas. Segundo os promotores, um deles estava no local desde agosto. A geladeira estava numa sala do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth, única maternidade pública da cidade. Em vistoria na quinta passada, também foi encontrada na geladeira a perna de um adulto, diz a matéria.

Leia mais aqui.

PS: Que tal um novo artigo sobre saúde pública, governador?

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Polititica

Leio artigo de ghost-writer assinado pelo governador de Roraima e ainda me surpreendo com a capacidade inata de mentir dos políticos. Se assinam o que não escrevem, faz sentido descumprir o que prometem.

Roraima sedia uma espécie de Show de Truman, onde nada é real. Prometem pagar empréstimos milionários e melhorar saúde, estradas, educação (bocejo), como se o estado tivesse construído, em 20 anos de existência, bases econômicas estáveis ou pelo menos uma mentalidade auto-sustentável para poder arrogar-se a algo mais que protetorado da União Federal. Vivemos uma pré-história do intelecto: somos enganados e agradecemos com sorrisos. Nenhum ex-governador é inocente.

Pelo contrário, os “pensadores econômicos”, que assessoram o governo são os mesmos há décadas. Mas fora o desenvolvimento pessoal e a contagem de milhas aéreas, não conseguiram vislumbrar algo além da pecuária, monoculturas poluentes e extrativismo selvagem. Vez em quando, trazem aventureiros gaúchos, pesquisadores japoneses, empresários chineses e gananciosos indonésios que vão embora sem deixar rastro a não ser a conta do hotel.

No texto, velhos ardis para despertar a simpatia do eleitor: a palavra Desenvolvimento aparece quatro vezes; Povo, três vezes; Respeito quatro vezes e Economia (conta de mentiroso, dizem os antigos) em sete ocasiões. Já palavras que deviam fazer parte do discurso de qualquer político, não estão lá. Vejamos quantas vezes aparecem no artigo. Ecologia: zero; Ambiente: zero; Sustentado ou Sustentável: zero; Natureza: zero; Indígena: zero.

O governador deixa claro que é sucessor fiel dos pequenos ditadores que já passaram por seu posto e pretende conduzir um Estado com 70 por cento de áreas protegidas sem assessoria ambiental, sem desenvolvimento sustentável e sem contar com as populações indígenas. Combina bem com a monarquiazinha que se constituiu por aqui.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Pródigo

Tipo assim: assisto agora a um modorrento Orlando Magic x Denver Nuggets lembrando do tempo em que Vince Carter era sinônimo de Toronto Raptors e Steve Nash de  Dallas Mavericks, da mesma forma que Michael Jordan só ocuparia um posto no Washington Wizards depois da aposentadoria. Mas desde que Kevin Garnett passou a defender os Celtics e Ron Artest virou Lakers desde criancinha, a única notícia bacana para saudosistas de self-made players é o retorno do irrequieto Allen Iverson ao Philadelphia 76ers, depois de bizarras passagens por Hornetts e Pistons. Que os deuses da bola ao cesto mantenham-no lá e a Kobe Bryant nos Lakers e, principalmente, convença a ESPN a transmitir jogos mais interessantes. E a propósito, por que deixaram de transmitir o "massacre" do Spurs sobre os Lakers (105 a 85, com Bryant saindo machucado) como estava previsto aqui? Heim?!

sábado, 9 de janeiro de 2010

Esporte cruel

Boa Vista - Das atrocidades bôeres às mutilações em Serra Leoa; das minas terrestres em Angola ao ataque à seleção do Togo, podemos ter certeza de que são africanos os revolucionários mais imbecis do mundo. Sorry, Coetzee, but’s true.

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...