sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

J. D. Salinger morreu?


J.D. Salinger morreu mesmo ou é golpe publicitário? (piadinha mórbida sobre escritores reclusos, que deve ser feita de preferência durante o velório).

Se houver um céu dos escritores, Salinger será recepcionado por Zelda e F. Scott Fitzgerald, que farão o discurso de recepção e imitarão quadrúpedes para a diversão da platéia. Truman Capote contará piadas ácidas e espirituosas sobre as frescuras salingerianas. Serge Gainsbourg tocará (mal) alguma coisa ao piano. Virgina Woolf, Silvia Plath e Ernest Hemingway ficarão reclamando da vida post-morten e Hermann Hesse, cansado da bagunça e alegando dor de cabeça, vai mandar todo mundo pra casa mais cedo. Joseph Pulitzer vai achar bom, por causa do barulho e... ops, Pulitzer era jornalista. Jornalistas não vão para o céu.

PS: Chegou a hora de ler o Apanhador no Campo de Centeio. Tá, sei, já devia ter feito isso. Mas também não li O Pequeno Príncipe. Fiquei ocupado com Homero, Sartre, Platão, Saramago, Henry Miller, Don Delillo...

Um poema

Se perdem gestos, cartas de amor, malas, parentes
Se perdem vozes, cidades, países, amigos.
Romances perdidos, objetos perdidos, histórias se perdem.
 
Se perde o que fomos e o que queríamos ser
Se perde o momento
Mas não existe perda, existe movimento".

(Poema de Sombra - Bruna Lombardi)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Leio A misteriora chama da rainha Loana, de Umberto Eco

Um homem de 60 anos sofre um acidente vascular cerebral e não lembra mais da mulher, filhos, netos, nem do próprio rosto. A Amnésia, porém, não atinge a parte racional do cérebro.

Livreiro e bibliófilo, Yambo lembra de citações e obras diversas, mas perde o arcabouço emocional que lhe fazia ser quem era. Por isso parte em busca de seu passado vasculhando a memória de amigos e parentes, velhas revistas, discos e livros. O passeio pelas letras é acompanhado por imagens. É um romance ilustrado, avisa a capa brasileira.

Nesta bela história de Umberto Eco, percebemos como a sociedade do século 20 foi ligeiramente homogênea em relação aos produtos culturais da época. Tanto a geração de Yambo (nascida nos anos 1930) quanto a minha, nascida nos anos 1970, tiveram a infância embebida em literatura, cinema e quadrinhos.

O defeito, como na maioria dos livros de Eco, são umas 100 páginas a mais do que a estória realmente necessita. Talvez UE seja um dos autores com maior número de catataus publicados per capita. Acabo de testar isso com os volumes de Baudolino, O Nome da Rosa, O Pêndulo de Foucault e A misteriosa chama da rainha Loana: todos ficam em pé, sem necessidade de apoio.

Se preciso pegar alguma coisa no alto da estante, basta empilhar quatro livros do Umberto Eco.

Livro: A misteriora chama da rainha Loana
Autor: Umberto Eco 
Editora: Record 
Páginas: 454 
Preço: R$ 40,00

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Uma canção

Once in a lifetime
Talking Heads


You may find yourself living in a shotgun shack
You may find yourself in another part of the world
You may find yourself behind the wheel of a large automobile
You may find yourself in a beautiful house with a beautiful wife
You may ask yourself, well, how did I get here?

Letting the days go by, let the water hold me down
Letting the days go by, water flowing underground
Into the blue again after the money's gone
Once in a lifetime, water flowing underground

You may ask yourself, how do I work this?
You may ask yourself, where is that large automobile?
You may tell yourself, this is not my beautiful house
You may tell yourself, this is not my beautiful wife

Same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever wasSame as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was

Water dissolving and water removing
There is water at the bottom of the ocean
Remove the water, carry the water
Remove the water from the bottom of the ocean

Letting the days go by, let the water hold me down
Letting the days go by, water flowing underground
Into the blue again, after the money's gone
Once in a lifetime, water flowing underground
Into the blue again, into silent water
Under the rocks and stones, there is water underground

Letting the days go by, into silent water
Once in a lifetime, water flowing underground
You may ask yourself, what is that beautiful house?
You may ask yourself, where does that highway lead to?
You may ask yourself, am I right, am I wrong?
You may say to yourself, my god, what have I done?

Letting the days go by, let the water hold me down
Letting the days go by, water flowing underground
Into the blue again, after the money's gone
Once in a lifetime, water flowing underground
Into the blue again, into silent water
Under the rocks and stones, there is water underground

Letting the days go by, into silent water
Once in a lifetime, water flowing underground
Same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was
Same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was, same as it ever was

Time isn't holding us, time isn't after us
Time isn't holding us, time doesn't hold you back
Time isn't holding us, time isn't after us
Time isn't holding us...
Letting the days go by, letting the days go by, letting the days go by, once in a lifetime

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Bola ao cesto

1 - Lakers x Cavaliers emocionante no Canal Space, com narrador tiete de Lebron James e comentarista em crise criativa. Jogo com cara de playoff. Deu Cavaliers, 93 a 87. O brasileiro Anderson Varejão marcou os dois últimos pontos em arremessos livres, definindo a partida.

2 - Darren Collison, jogador-revelação do Memphis Grizzlies, é filho dos corredores guianenses Dennis - recordista nos 100 e 200 metros rasos nos Jogos Pan Americanos - e June, segunda colocada nos 400 metros rasos no Pan de 1979 e correu pela Guiana na Olimpíada de Los Angeles, em 1984.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Corpos de bebê em geladeira

Deu na Folha de São Paulo que uma equipe do Ministério Público de Roraima achou seis corpos de bebês armazenados numa geladeira comum na maternidade de Boa Vista.

Corpos de fetos e crianças natimortas estavam embrulhados em plásticos pretos e em fraldas. Segundo os promotores, um deles estava no local desde agosto. A geladeira estava numa sala do Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth, única maternidade pública da cidade. Em vistoria na quinta passada, também foi encontrada na geladeira a perna de um adulto, diz a matéria.

Leia mais aqui.

PS: Que tal um novo artigo sobre saúde pública, governador?

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Polititica

Leio artigo de ghost-writer assinado pelo governador de Roraima e ainda me surpreendo com a capacidade inata de mentir dos políticos. Se assinam o que não escrevem, faz sentido descumprir o que prometem.

Roraima sedia uma espécie de Show de Truman, onde nada é real. Prometem pagar empréstimos milionários e melhorar saúde, estradas, educação (bocejo), como se o estado tivesse construído, em 20 anos de existência, bases econômicas estáveis ou pelo menos uma mentalidade auto-sustentável para poder arrogar-se a algo mais que protetorado da União Federal. Vivemos uma pré-história do intelecto: somos enganados e agradecemos com sorrisos. Nenhum ex-governador é inocente.

Pelo contrário, os “pensadores econômicos”, que assessoram o governo são os mesmos há décadas. Mas fora o desenvolvimento pessoal e a contagem de milhas aéreas, não conseguiram vislumbrar algo além da pecuária, monoculturas poluentes e extrativismo selvagem. Vez em quando, trazem aventureiros gaúchos, pesquisadores japoneses, empresários chineses e gananciosos indonésios que vão embora sem deixar rastro a não ser a conta do hotel.

No texto, velhos ardis para despertar a simpatia do eleitor: a palavra Desenvolvimento aparece quatro vezes; Povo, três vezes; Respeito quatro vezes e Economia (conta de mentiroso, dizem os antigos) em sete ocasiões. Já palavras que deviam fazer parte do discurso de qualquer político, não estão lá. Vejamos quantas vezes aparecem no artigo. Ecologia: zero; Ambiente: zero; Sustentado ou Sustentável: zero; Natureza: zero; Indígena: zero.

O governador deixa claro que é sucessor fiel dos pequenos ditadores que já passaram por seu posto e pretende conduzir um Estado com 70 por cento de áreas protegidas sem assessoria ambiental, sem desenvolvimento sustentável e sem contar com as populações indígenas. Combina bem com a monarquiazinha que se constituiu por aqui.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Pródigo

Tipo assim: assisto agora a um modorrento Orlando Magic x Denver Nuggets lembrando do tempo em que Vince Carter era sinônimo de Toronto Raptors e Steve Nash de  Dallas Mavericks, da mesma forma que Michael Jordan só ocuparia um posto no Washington Wizards depois da aposentadoria. Mas desde que Kevin Garnett passou a defender os Celtics e Ron Artest virou Lakers desde criancinha, a única notícia bacana para saudosistas de self-made players é o retorno do irrequieto Allen Iverson ao Philadelphia 76ers, depois de bizarras passagens por Hornetts e Pistons. Que os deuses da bola ao cesto mantenham-no lá e a Kobe Bryant nos Lakers e, principalmente, convença a ESPN a transmitir jogos mais interessantes. E a propósito, por que deixaram de transmitir o "massacre" do Spurs sobre os Lakers (105 a 85, com Bryant saindo machucado) como estava previsto aqui? Heim?!

sábado, 9 de janeiro de 2010

Esporte cruel

Boa Vista - Das atrocidades bôeres às mutilações em Serra Leoa; das minas terrestres em Angola ao ataque à seleção do Togo, podemos ter certeza de que são africanos os revolucionários mais imbecis do mundo. Sorry, Coetzee, but’s true.

Dia da Europa. Uma embarcação com 400 pessoas, refugiados sírios, tenta chegar à costa italiana. A gravação com vozes desesperadas, via rá...