sábado, 20 de dezembro de 2014

Quadrilha Suprapartidária

Cascadura - O delator
Ao entregar uma quadrilha de 28 políticos de diversos estados e partidos, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, presta-nos um serviço impagável: revela que no Brasil as siglas partidárias nada significam e que nossos representantes não têm pruridos ideológicos. Desviam, roubam, compram e vendem o país com tranquilidade e paciência. Nessa hora, a música do Cascadura me assalta os tímpanos - no melhor sentido. Leia, veja e escute O delator. O Brasil em cinco minutos.


O Delator
(Fábio Cascadura)

Só digo o que mandam e o que vejo
Só digo o que sei
Apontei o culpado com um beijo
Beijei mais de cem
Quem mais poderia resolver?
Quem mais poderia? Me diga! I’m in love!
Você sabe os detalhes, eu te contei
Esqueça o que eu disse...
Porque eu fiz por bem
Aquilo que eu fiz, foi por bem
E isso fica entre nós
Ninguém precisa saber
Não é confissão
É só porque eu preciso dizer
Na minha forca, o teu nó
Eu deveria saber
Minha língua tem trava, eu não ligo
Eu nem gaguejei
A minha verdade, eu não finjo
Minha voz é lei
Te olho no olho e você não vê
Eu chamo seu nome: meu bem, I’m in love!
Te disse, você sabe, eu te contei
E esqueça o que eu disse
Porque eu fiz por bem
Aquilo que eu fiz, foi por bem
Isso fica entre nós
Ninguém precisa saber
Não é confissão
É só porque eu preciso dizer
Na minha forca, o teu nó
Alguém tinha que sofrer

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

A doença da "normalidade"

Uma doença que se alastra no universo acadêmico, mas principalmente nas relações humanas. Quando o direito à alteridade é confundido com antipatia; amor com submissão; público com privado; ensino com educação. 
Vale a pena ler o texto de Renato Santos de Souza no Pragmatismo Político.  Uma análise lúcida sobre o reinado do quantitativismo no governo da papercracia.


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014


Copenhague - A sobriedade é o que mais chama atencao na capital da Dinamarca. Nao há asfalto e os calcamentos privilegiam os pedestres e os ciclistas. As ciclovias cobrem todo o centro da cidade, onde podemos observar uma arquitetura sem os rococós belgas e holandeses - lindos, claro. A cidade resolveu ser mais Bauhaus.


A sobriedade, porem, acaba aí. København é repleta de bares, lojas de conveniências e restaurantes com bebidas locais, cervejas norueguesas, drinks caribenhos e as noites ficam repletas de bebados felizes. Sem falar de Chirstiania, um distrito independente coim legislacao propria que acolhe hippies desde o historico Festival de 1971. Cheech, digo Cheers!

terça-feira, 2 de dezembro de 2014


Amsterdam - As bicicletas têm preferência sobre os bondes, Os bondes têm preferência sobre os carros. E os pedestres, ou seja, as PESSOAS têm preferência sobre todos os demais meios de transporte.

Nao a toa,  Amsterdam eh a cidade mais cosmopolita do mundo. Um passeio pelas ruas, alem de impressionar pela arquitetura, canais e restaurantes com comidas de todo o planeta, revela uma incrivel mistura de pessoas que re'une europeus, latinos, africanos e orientais de todas as partes.
A ideia de valorizar o ser humano acima de tudo eh capaz de mudar cidades, mudar vidas, mudar PESSOAS.

Um dia, nao se sabe quando, esquecemos as pessoas. Privilegiamos as grandes rodovias, as ruas largas e estacionamentos para os carros, esses grandes pedacos de lata pesadissimos em alta velocidade que matam 50 mil pessoas por ano somente no BRasil.

Um dia Amsterdam acordou e decidiu valorizar as pessoas. Valorizar a diversidade, a liberdade, mas, acima de tudo, a tolerancia. Aqui nao se julga ninguem pelas roupas, pelo cabeleireiro, pela tribo e muito menos pela etnia. Claro que existem idiotas em todo o mundo, mas Amsterdam decidiu reduzir os seus.

domingo, 30 de novembro de 2014

As Luzes

Bruxelas - A Grand Place iluminada com as luzes de Natal. Um espetaculo de luzes e som inesquecivel. 
Existem cidades belas em todo o mundo. 
Mas Bruxelas exagerou. 
Um païs socialista.

sábado, 22 de novembro de 2014

Puerto Evo Morales


Puerto Evo Morales O sol se põe em um lugar na Amazônia boliviana esquecido por Deus, mas não pelo presidente indígena mais popular do continente. Originalmente constituída como Puerto Montevideo, a pequena vila foi totalmente destruída num incêndio em 1997 e depois reerguida pela Defesa Civil, num trabalho coordenado pessoalmente por Evo Morales. Os moradores, agradecidos, rebatizaram a nova cidade - uma corrutela de ruas de barro umedecidas pela chuva constante - com o nome do presidente.Separada de Plácido de Castro (AC) por uma frágil ponte de madeira sobre o rio Abunã que se atravessa em 20 passos, oferece roupas e eletrônicos, mas os preços estão caros graças à queda do Real (a moeda circulante) diante do Dólar.
A flutuação do câmbio afugentou turistas e sacoleiros, mas Morales já tem um plano para revolucionar o pequeno distrito da Província de Cochabamba. No ano que vem, funda uma escola de Medicina e Odontologia com mensalidades entre 500 e 700 reais. Nada mal para os acreanos de Rio Branco, que pagam R$ 8 mil todos os meses para adquirir o diploma de médico no único curso particular do Estado
.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Sobre educação, bárbaros e intelectuais suicidas

Rio Branco - No dia 18 de outubro deste ano a técnica de laboratório Célia Regina Leal Bezerra desistiu da vida. Há 14 anos ela lutava judicialmente contra a Universidade de São Paulo, numa ação de assédio moral que teve origem 20 anos antes, assim que ela entrou na USP. 

Ativista dos direitos humanos, Regina Célia estudava Direito e foi a primeira a ganhar um processo desse tipo, em agosto de 2011, mesmo ano em que Antonio Calvo, professor de língua espanhola na Universidade de Princeton, se matou. Depois de passar por uma Avaliação Institucional em que professores e alunos lhe deram notas mínimas, foi demitido. Três dias depois, cometeu suicídio.

Três outubros antes de Regina Célia, o professor Sandro Costa e Silva saltou do 11o andar de um prédio da Universidade Federal do ABC. Em seu blog, a última postagem: 
"É hora de fechar este blog: eu não sei mais escrever. Ontem cheguei ao fundo do poço. No começo do dia encarei o abismo por longos minutos, decidindo se dava um passo à frente ou não, depois vaguei o dia todo a pé sem rumo, sem lugar para ir e sem praticamente falar com qualquer pessoa, só para terminar o dia muito cansado."
Os bastidores das universidades brasileiras são sórdidos. Professores produtivos são perseguidos e não recebem apoio para seu trabalho. Núcleos de pesquisa que não pesquisam e cargos são negociados em troca de apoio político. Alunos bolsistas são usados como massa de manobra, delatores, espiões. 

No último 18 de outubro, depois de uma reunião na reitoria em que soube que mais uma vez a universidade recorreria da sentença, Regina foi até o laboratório e ingeriu uma dose mortal de arsênico. Quem assistiu ao filme Rainha Margot sabe como essa substância causa morte dolorosa, por forte hemorragia. A Associação dos Servidores da USP escreveu sobre o caso e deu nome aos bois. 

Visitei o Facebook de Regina Célia e vi que temos dois amigos em comum. Ambos professores, combativos, ativistas, gente que não se curva aos desmandos dos que desmantelam o ensino público. A resistência a esse modelo perverso não recua. 

As mortes de professores são o atestado de que a universidade pública fom oi inicialmente contaminada, invadida, dominada pela barbárie. E intelectuais não sabem lidar cm bem os bárbaros. Acreditam nas diferenças e no diálogo. Não na clava e no apedrejamento. 

A última publicação de Regina Célia foi quatro dias antes de sua morte. Era um convite. Aqui está republicado o cartaz que não precisa de comentários.
“Todos conhecem a verdade das práticas científicas
e todos continuam a fingir não saber e a acreditar que isso
se passa de outro modo” (Pierre Bourdieu, 2004)

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Audiência

Hoje alguém leu este blog na Indonésia. Foi o leitor 92.815 em 12 anos de e-pístolas.
Provavelmente não sou nenhum sucesso de público. E fico curioso sobre que tema pode ter atraído os 413 acessos da Alemanha; os 113 da Holanda e os 4.269 dos Estados Unidos.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Família?

Uma enquete pública na Câmara Federal quer estabelecer o conceito nuclear de família como o único aceitável no Brasil. Como não é possível discutir o conceito de família na contemporaneidade com esses retrógrados sem projetos, simplesmente vote NÃO. Famílias são compostas de diversas formas: mães solteiras; pais solteiros; dois pais; duas mães... Há famílias formadas por pais e mães que se casam e reúnem todos os filhos com o nascimento de um irmãozinho e assim por diante. Vote contra. Neste momento, o NÃO vence com 51.09 % (1.733.507 votos). O SIM perde com 48.6 % (1.648.782 votos).  VOTO NÃO!

sábado, 1 de novembro de 2014

Amsterdam - Um lugar onde as pessoas nao se preocupam com maquiagem, chapinha, carroes e aparencias. Em que se anda de madrugada sem medo. Em que todas as tribos sao aceitas sem preconceito. A cidade mais cosmopolita do mundo eh uma licao para certas provincias.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Sobre o tempo

O tempo passa, relógios derretem, as folhas caem, cabelos branqueiam, amigos morrem, surgem novos amigos, nascem filhos e netos. Mudamos de casa, de cidade, de região, de país, de aparência, de carro, de moda. Amores vêm e vão e voltam. O tempo é implacável e ilusório. Modifica as pessoas apenas externamente. Envelhecemos por fora enquanto nossa criança interior permanece a mesma. Olhamos o céu à noite e vemos o passado na forma de luz, enquanto o planeta gira e se afasta cada vez mais, numa corrida infinita pelo universo. Insignificantes e precários e efêmeros, cultivamos nossos defeitos com zelo, esperando compreensão, compaixão, respeito e outros sinônimos para o amor, este inexplicável sentimento com sístole e diástole; esse isótopo radioativo cuja meia-vida desconhecemos. O tempo ilusório mas implacável, agita oceanos, redesenha desertos, dissolve montanhas e a cada nascer do sol, tira-nos mais um dia de vida. Talvez isso explique porque buscamos, às vezes esbarramos e não percebemos ou simplesmente nos deparamos com essa sensação vital. E nada pior desperdiçá-la. All we need is love. E não temos tempo a perder.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Brasília, Boa Vista, Manaus e São Luís - A política é uma arena onde ingressamos com nosso modelo de mundo ideal e a mais nobre das armas para conquistá-lo: a palavra.

Com ela expressamos a visão de mundo mais ética, correta e democrática que existe: a nossa. Nesta arena, descobrimos muitas outras visões éticas, corretas e democráticas, embora bem diferentes da nossa. E somos obrigados a avaliar pela lente do eu o que vem do outro.

Aos poucos, o processo de negociação sugere, altera e finalmente dilui nossas propostas até que fechamos um acordo repleto de cláusulas (causas?) que jamais pensaríamos defender. Ao recuarmos de nossas posições originais e nos rendermos à maioria em torno de uma pretensa unidade, verificamos o quanto os avanços sociais são freados por esse processo sobremaneira lento.

Um processo que exigirá muitos reparos ao longo dos anos. Reparos que serão propostos por especialistas que se fossem ouvidos no princípio, tornariam a arena desnecessária. Não que a arena seja sempre dispensável, o todo da população precisa ser ouvido em questões essenciais que digam respeito à vida digna, o direito ao trabalho, saúde e educação. Mas talvez a definição de política como a "Arte do possível" seja imprecisa. Ou limitada a poucos afortunados.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Military Madness

'E depois que as guerras tiverem terminado, e a contagem dos corpos estiver organizada, eu espero que o Homem descubra o que está tornando as pessoas selvagens'.


Military Madness - Graham Nash

terça-feira, 13 de maio de 2014




“Sinto falta da possibilidade de conversar com o senhor. Espero que esteja bem e tranquilo. Nas minhas melhores horas eu também estou e procuro fazer justiça em toda as coisas. Certamente que existe aí uma coisa certa, um germe de algo social e historicamente necessário, só que a roupagem fio em parte roubada, e está em parte desoladamente relaxada e desbotada.”

(Thomas Mann em carta a Herman Hesse, Junho de 1933)

sábado, 5 de abril de 2014

Brasília - Informe de um professor: a UFSC tornou-se um celeiro de neo-nazistas nos últimos anos, com ações contínuas de repressão que culminaram na batida policial de março passado. Na ocasião, estudantes foram humilhados e professores agredidos numa operação que custou R$ 4 milhões aos cofres públicos e terminou com a apreensão de dois míseros cigarros de maconha. O "investimento" em segurança pública virou lenda na UFSC, onde até hoje se comenta como o erário foi usado para apreender "os dois baseados mais caros da História": R$ 2 milhões por bituca.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Brasília - Hoje tomo assento no Grupo de Trabalho de Comunicação e Artes do Andes-SN. Entre as atribuições, pensar e elaborar novos produtos de comunicação, como uma área de submissão de documentos para as associações de docentes e uma revista leve, ágil e atraente para comunicar as ações do sindicatos. 

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Boa Vista - Na assembleia geral de hoje à tarde, os professores da UFRR saberão que: a) o Sinasefe, que representa docentes e técnicos da Rede Federal de Educação Básica, Técnica e Tecnológica deflagra greve nacional no dia 21 de abril; b) que a Fasubra, que representa técnicos-administrativos das IFEs está em greve desde o mês passado; c) que já foram aprovados indicativos de greve em pelo menos 12 seções sindicais de docentes federais; d) que Dilma Rousseff e o Ministério da Educação não dão a mínima.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Boa Vista - Doutor honoris causa é um título tão ou mais importante que o de doutor. É o reconhecimento da sociedade científica a quem desenvolveu ou apoiou de forma extraordinária pesquisas e outras atividades que transformaram o desenvolvimento de uma região, de uma nação, da humanidade. Transformar esta honraria em moeda política e concedê-la a pessoas envolvidas em malversação do dinheiro público atenta contra a inteligência de uma região, de uma nação. É uma vergonha para uma instituição com mais de 20 séculos de tradição. E para a humanidade.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Boa Vista - Metade da população que agora condena Jean Willys, sempre assistiu ao BBB. A outra metade, que sempre condenou o programa, agora lhe presta apoio.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Boa Vista - É absolutamente natural que jovens conservadores de direita sejam considerados os rebeldes do momento, embora oposição e rebeldia sejam coisas diferentes. A confusão ideológica é típica do pós-modernismo. Mas é provável que as pessoas ainda possam ser divididas entre as que querem progresso social ou que aceitam as coisas como são. É o que define esquerda e direita, vanguarda e tradição, avanço e regresso. A cultura rock surge no seio dessa dicotomia, mas com uma definição muito clara sobre seus objetivos: transformar. Acontece que na pós-modernidade, o visual e o som do rock são usados por qualquer idiota para auto-promoção. De Gustavo Lima a Lobão.

domingo, 9 de março de 2014

Boa Vista - O Brasil tem obrigação de indenizar a Bolívia pelas enchentes do rio Beni, que aumentou de nível por causa das hidrelétricas Santo Antônio e Jirau, em Rondônia. Um fiasco alertado há muitos anos por ambientalistas, mas o governo nunca deu ouvidos. Amazônia não é lugar de hidrelétrica. O exemplo da Bolívia precisa convencer nossos representantes a pensar em formas alternativas de produção de energia e não em megaprojetos como este que pretendem fazer no rio Branco, em Roraima. Quem vai pagar a conta quando acontecer o mesmo em Manaus?

quinta-feira, 6 de março de 2014

Boa Vista - A revista Nature, que repercutiu com estardalhaço que revistas científicas do Brasil trocavam citações entre si para elevar artificialmente seus índices, revelou que as revistas científicas Springer e IEEE publicaram mais de 120 artigos entre 2008 e 2013 feitos por geradores de lero-lero: programas de computador que alimentados com algumas palavras-chave criam artigos sem sentido. Li aqui.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Alerta? Que alerta?

Boa Vista -
Transferir dinheiro da educação pública para a privada, criar universidades sem condições de funcionamento, assédio moral e desvalorização do professor são responsabilidades que três governos (FHC, Lula e Dilma) assumem com os brasileiros do futuro.


Em 2012,  professores federais ficaram 123 dias em greve, a maior da história da educação. O movimento foi seguido por policiais federais e alastrou-se por diversas categorias nos três poderes. O governo jogou duro e não negociou. Subestimada pela imprensa e pouco compreendida entre a população, a greve não foi encerrada, mas suspensa.

Em 2013 a população reconheceu este e outros problemas e foi às ruas em manifestações grandiosas. O ano de 2014 começa com apenas uma certeza: tanto a greve quanto as manifestações populares estão momentaneamente suspensas. Professores e cidadãos continuam mobilizados.


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Boa Vista - Não sei quanto àquela professora da PUC-RJ, mas toda vez que vejo no aeroporto pessoas simples em seus vestidos baratos, cabelos alisados, as calças novas compradas para a ocasião e o entusiasmo verdadeiro dos que atingiram uma nova etapa na vida, vou às lágrimas de felicidade. O povo brasileiro precisa demonstrar ao restante da humanidade que desaprova a discriminação étnicas a, de gênero e de classe. E que lamenta por ainda haver gente assim, afinal a professora é mais vítima que ideóloga do abismo social. O futuro será de tolerância e oportunidades para todos ou não haverá futuro. Precisamos de voluntários para espalhar mais doçura e gentileza por aí.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Não é a distância dos grandes centros que mediocriza universidades. São suas componentes.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

O mais retrógrado, vergonhoso, ditatorial, fascista, espúrio e repulsivo projeto de lei desde o Ato Institucional número 5 quer usar o cadáver do jornalista Santiago Andrade como adubo. Conduzido de chofre por senadores que já foram considerados éticos (Jorge Viana e Paulo Paim, do partido que já foi considerado de esquerda, o PT), o Projeto de Lei 499/13 quer transformar o Brasil em um estado policial nos moldes dos Estados Unidos.

A tal lei antiterrorismo quer mais criminalizar as manifestações de trabalhadores contra o governo do que proteger a vidraça dos bancos das pedras dos black blocs. Enquanto do lado de lá acontece a primavera árabe, por aqui se implanta um estado policial a partir da união de um partido que se diz socialista mas se alia com os setores mais retrógrados da sociedade.

Que vergonha, Paim. Que vergonha.
O governo do PT quer debelar o direito à greve e à manifestação do povo criando uma indústria de multas para os sindicatos. E quem provocar ou infundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa ou tentativa de ofensa (Art. 2º) receberá uma pena de 15 a 30 anos de prisão. O que é pânico? O que é terror? Enquanto bandidos de colarinho branco pagam multas com vaquinhas nada magras, o direito de manifestar é tratado como ameaça à segurança nacional.

Algo me diz que isso tudo tem a ver com a histórica greve dos professores federais em 2012, que redundou na primavera brazuca de junho de 2013. Ou então o governo não teria determinado que servidores públicos sejam penalizados com o DOBRO da pena concedida à população, além de demissão sumária.

As manifestações que acontecem no Brasil não têm nada a ver com terrorismo. Elas estão relacionadas com a má gestão. Ninguém deseja a desestabilização do estado ou o fim da democracia, a não ser o acuado governo que violenta cada vez mais a sociedade. Os atos isolados de vandalismo acontecem em sua maioria contra o patrimônio particular de bancos e franquias, cujos impostos financiam o terrorismo de estado.

Terrorismo é sufocar na garganta o grito de revolta que pela primeira vez une brasileiros da extrema esquerda à extrema direita. Durante a ditadura militar, os manifestantes eram chamados de subversivos. Hoje, a democracia petista considera-os terroristas. Que país, esse.
São Luís - Nivelar por baixo não dá conta da realidade. O jornalismo é e sempre será um trabalho sério, digno e essencial. Sem ele, boa parte da população não saberia nem formular as estatísticas que chuta. Trabalho infelizmente deturpado pelos donos de veículos e asseclas capazes de qualquer coisa para permanecer no poder. Some-se a isso uma população iletrada e temos o caos. A fórmula é simples: desligar a TV, não comprar jornal, não acessar o site, não ouvir o rádio e deixar morrer pela falta de audiência o que nunca deveria ter vindo à tona.