sábado, 30 de abril de 2005

Indômita

Divinópolis - Ela completa 10 anos hoje, e se parece com as outras meninas: tem registro de nascimento, não pára quieta, às vezes é prestativa, às vezes nonsense, poética, militante, inadequada, intolerante, violenta. No Brasil, nasceu em 30 de abril de 1995, quando teve definidas suas regras de utilização comercial pelo Ministério das Comunicações. Desde então, não conseguimos viver sem a Internet.

quinta-feira, 28 de abril de 2005

Ser, veja

Divinópolis - , mpuDivinópolis enlouquece durante a Festa da Cerveja. O trânsito está fechado a várias quadras do local. Uma faculdade deixou de dar aula porque ficou inacessível aos alunos. Que não iriam mesmo: a "falta geral" atingiu boa parte dos campi do centro-oeste mineiro.

Hoje, amanhã e sábado a festa vai atrair boêmios de 50 cidades. Para trazer mais público, a organização liberou a entrada de crianças de 12 anos acompanhadas dos pais. É a iniciação aos mistérios da cevada. A Festa é da cerveja porque é a cidade de maior consumo per capita de cerveja no Brasil. Os bares não têm do que reclamar. Muitos se instalam na porta das faculdades, levando universitários incautos a novos paradigmas de fermentação alcoólica.

A organização dividiu a festa com base no repertório. Hoje é dia de rock: Capital Inicial, Ira e Marcelo Nova. Nos dias seguintes, música de produtor: Jota Quest, Sideral, Daniela Mercury e Ivete Sangalo

quarta-feira, 27 de abril de 2005

Televisão

Hangin' out down the street
the same old thing we did last week
Nothing to do but talk to you
We're all alright!!
We're all alright!!
Hello Wisconsin!!!

terça-feira, 26 de abril de 2005

Leio Ruído Branco, de Don Delillo

Belo Horizonte - O que pode haver de interessante na vida de professor universitário que deixa a metrópole e muda com a família para uma cidade do interior, passa a viver entre tipos excêntricos, adoece repentinamente, tem medo da morte e enxerga a vida como um supermercado? Ops, lembra minha própria vida.

Ecos do Nabokov de Fogo Pálido e Lolita.

A beleza descritiva nos arrasta como um canto indígena que dura dias, em que o transe leva o professor alto das mãos grandes a virar Humbert Humbert, agonizando a perda do sagrado. E sagrado é segredo. Nesse momento, que o cinema chama de plot, que os roteiristas chamam de turning-point, em que donas-de-casa descansam, que os cães recolhem-se em seus cantos e bruxas voam, o escritor corre seu maior risco: estar na autobähn a 240 quilômetros por hora e acelerar na última curva.

Ruído Branco parece ter sido iniciado por Dr. Jekyll e finalizado por Mr. Hyde. Mas é um grande obra de Delillo, das que passam tranqüilamnete no CRF (Coeficiente de Realidade e Ficção) necessário a toda estória.

Título: Ruído Branco
Autor: Don Delillo
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 320
Preço: R$ 44,90

domingo, 24 de abril de 2005

Roraima S.A.

Folha de S. Paulo
A ação, ajuizada na 11ª Vara Cível de Belém (PA) em 3 de janeiro de 2000, originalmente cobrava R$ 9,82 milhões. Com o passar do tempo, a dívida dobrou, passando de R$ 18 milhões. Os devedores apontados pelo Basa são Romero Jucá, sua mulher, Maria Teresa Jucá, atual prefeita de Boa Vista, Getúlio Cruz, ex-governador de Roraima, sua mulher, Maria Nazaré Araújo de Souza Cruz, e a empresa Frangonorte.


Revista Época
No dia 15, ao ser entrevistado por Época, Jucá disse ter se associado à Frangonorte por solidariedade a um aliado político, Getúlio Cruz. "Nesse negócio nefasto da Frangonorte só entrei para ajudar o Getúlio". (...) Getúlio, por sua vez, disse a um oficial de justiça que não tinha nada a ver com a empresa. (...) Nos últimos anos, Jucá transferiu para familiares boa parte de seus bens. Suspeita-se que ele tenha feito isso para esconder o patrimônio. (...) Coincidência ou não, dois meses depois do pedido de penhora, Jucá começou a transferir seu patrimônio para o nome dos quatro filhos.


Associação Brasileira de Imprensa
Outra dor de cabeça para o Governo é o Ministro da Previdência, Romero Jucá. Ele é acusado pelo Procurador de ter contraído um empréstimo do Basa (Banco da Amazônia) para abrir um abatedouro de frangos nas imediações de Boa Vista, a Frangonorte, que jamais chegou a ser construída.(aliás, a corrupção parece preferir a carne branca e macia, como a dos ranários virtuais do então Senador Jader Barbalho e os frangos superfaturados do frangogate do Prefeito malufista Celso Pitta). (...) A dívida com o banco (da Amazônia) chega hoje a R$ 18 milhões. Em função disso, o banco resolve cobrar a dívida penhorando os bens. É feita uma busca e descobre-se que os imóveis são fantasmas.


Tribuna da Imprensa
Roraima descobriu que tem seu Jader Barbalho. É o caso típico de uso de cargos públicos para fazer negócios.


Diário de Cuiabá
O ministro reconheceu que se sente "desconfortável" por ser alvo de denúncias, mas "tem a determinação do presidente da República" para cuidar dos assuntos da Previdência. "Quem estiver achando que vai me tirar do rumo com qualquer acusação leviana, está redondamente enganado. Estou tranqüilo, aguardando a manifestação do Ministério Público", disse o ministro, que pretende entregar explicações ao procurador-geral da República, Claudio Fonteles, até o final da semana. O procurador deu prazo de 20 dias, a contar da última quinta-feira, para que Jucá enviasse suas explicações sobre o empréstimo de R$ 18 milhões (principal mais juros e correções) do Basa para uma empresa que lhe pertenceu entre 1994 e 1996.


Folha de S. Paulo
O documento foi assinado por Jucá, junto com representantes do Basa e com seu outro sócio, Getúlio Cruz, em 12 de agosto de 1996. Por esse instrumento, registrado em cartório de Boa Vista (RR), o ministro e Cruz apresentaram as sete propriedades rurais como garantias ao banco, sem mencionar possível transferência de cotas. O documento acrescentou as garantias, mas ratificou integralmente outro documento, de 20 de dezembro de 1995, pelo qual o ministro e Cruz assumiram as dívidas e o papel de principais pagadores e fiadores do negócio.


Tribuna do Interior
O ex-sócio de Romero Jucá no negócio, Getúlio Cruz, disse que nunca foi comunicado pelo Basa de que Luiz Carlos Fernandes de Oliveira, o "dono" das propriedades inexistentes no Amazonas, havia sido considerado inidôneo pelo banco, junto com Deoclécio Barbosa Filho. "Tudo o que soubemos sobre restrições foi via imprensa", afirmou Cruz. A reportagem tentou hoje localizar Luiz Carlos Oliveira, mas o empresário não havia respondido aos recados até o momento.


Jornal Extra - Alagoas
No esforço para isentar-se de culpa, Jucá enroscou-se numa teia feita de explicações insensatas, argumentos anêmicos, denúncias inverossímeis. O palavrório tornou-se especialmente amalucado depois da divulgação de um documento em que Jucá inclui entre as garantias do empréstimo sete fazendas espalhadas pela Amazônia. A Justiça e a imprensa constataram que Jucá é o dono da assinatura no papel, mas não das terras. Aliás, as sete fazendas não foram localizadas. Nem serão, porque nunca existiram. Jucá afirma que o banco deveria ter conferido a papelada com mais cuidado. No Brasil, enganadores transferem a culpa para os enganados.


Revista Primeira Leitura
Vamos ver como é que a Procuradoria-Geral da República vai tratar a "distração" que faz parte da defesa do ministro Romero Jucá. As fazendas fantasmas "localizadas" na imensidão da Amazônia foram dadas ao Banco da Amazônia (Basa) como garantia para a liberação da segunda parcela de R$ 750 mil em 12 de agosto de 1996. O ministro só deixou formalmente a sociedade da Frangonorte, com Getúlio Cruz, em 1997.

quinta-feira, 21 de abril de 2005

Nada

Gutierrez presidente

Divinópolis - Lucio Gutierrez, garoto pobre que virou oficial militar, tentou golpe de estado e tornou-se presidente da República, assume hoje o governo do Equador. Qualquer semelhança com Hugo Chávez não é simples coincidência. A América Latina volta a ter militares no poder, como nas décadas de 1970 e 1980. Noutro contexto, é verdade. Caudilhos politicamente à esquerda, Chávez e Gutierrez nadam contra a maré neoliberal. Sorte.

Publicado aqui, em Janeiro de 2003.

quarta-feira, 20 de abril de 2005

Dia do Índio (The day after)

Polícia do pensamento
Tentei argumentar favoravelmente à demarcação e quase fui linchado em via pública. Parece que foi feita uma lavagem cerebral nas pessoas. A maioria não tem noção nenhuma da questão, mas faz questão de dizer que o Estado está falido. Se esquecem, porém, de afirmar que a falência se deve, não aos índios, mas aos constantes roubos, saques e maracutaias praticadas pelos mesmos políticos há anos.
Nei Costa (Boa Vista-RR)


Antropos
A briga pelo território é a mais antiga do mundo, existe até entre os animais... Sou a favor da demarcação, também. Temos muito a aprender com a cultura indígena e não deixa de ser um genocídio a "expatriação" de quem é dono dessa terra, desde tempos imemoriais. O ser humano (tem gente que nem aceita que índio seja ser humano!)não é só um corpo revestido de pele: é parte integrante e contínua com o habitat.
Cláudio Costa (Belo Horizonte-MG)


Tenho dito
Aqui, onde missionários e outros conquistadores fizeram a feira com aldeamentos e escravizações dos indígenas; onde a história oficial nega que alguma vez houve conflitos durante o processo de ocupação das terras; onde meninas índias eram (e ainda são) trazidas para as cidades para estudar e viravam domésticas e brinquedinhos sexuais dos patrões; (...) onde o governador decreta luto oficial de sete dias por conta da demarcação da reserva Raposa-Serra do Sol; onde (...) onde até o vendedor de picolés diz ser contra a demarcação mesmo nunca tendo tido um pedaço de terra na região; (...) onde o Estado cancelou todas as programações referentes à data em protesto contra a demarcação; bem, aqui, eu, como neto de uma macuxi que foi casada com um fazendeiro, vou exigir o meu pedaço de terra, trabalhar com agricultura e ecoturismo e ficar rico. Afinal, eu também tenho direitos! Fui!
Edgar Borges (Boa Vista-RR)


Us and them
Não vamos esquecer da patrulha que rola no Estado. Quando os arrozeiros fecharam a cidade contra a demarcação, a TV Roraima procurou, e acho que conseguiu, fazer uma cobertura sem balançar para nenhum dos lados, mostrando o quanto a população estava sofrendo com a atitude dos fazendeiros. Fomos malhados, não quiseram mais dar entrevistas prá gente e estas coisas. Agora, acho interessante, os mesmos caras que fizeram tudo aquilo, que incentivaram o sequestro de padres e tudo mais, reclamando da polícia federal.
Vandre Fonseca (Manaus-AM)


Terra
Área contínua sim!
Área contínua sim!
De Quixadá a Tóquio!
De Oslo a Quixeramobim!
Carlos Saraiva (Fortaleza-CE)


Frase da semana
A imprensa nacional continua mentirosa e falaciosa quando se refere a Roraima.
Folha de Boa Vista (Boa Vista-RR)

terça-feira, 19 de abril de 2005

Dia do Índio

O Governo Federal finalmente homologou a terra indígena Raposa Serra do Sol em Roraima, lar de milhares de índios de seis etnias, invadidos historicamente por portugueses, holandeses, espanhóis, franceses, ingleses, latifundiários, plantadores de soja e arroz.

Nesse tempo, os invadidos eram empregados nas fazendas e nas casas de família a troco de comida ou míseros tostões. Uma convivência apelidada de "pacífica" pela inteligentzia local, formada por pseudo-pesquisadores, engenheiros agrônomos, advogados venais, fazendeiros racistas e setores da imprensa. A entrega da terra indígena e a expulsão dos invasores (que datam de décadas e estão programadas para daqui a um ano) é uma vitória da cidadania.

Enquanto isso, estrebucham raivosos latifundiários ligados aos políticos acusados de corrupção, peculato, apropriação indébita, nepotismo. O governador de Roraima, velho brigadeiro reformado que servia ao regime militar entregando intelectuais de esquerda nas universidades durante os anos de chumbo, decretou luto oficial. Uma piada racista. Apesar das instituições frágeis, Roraima é um patrimônio da humanidade, com povos indígenas primitivos, tesouros arqueológicos e natureza preservada.

A terra que retorna aos índios restabelece o sentido de justiça. O Brasil decide, o mundo aplaude. Em Roraima, o único jornalista a levantar a voz em favor da causa indígena (pelo menos abertamente) é o Jessé Souza, que ironicamente trabalha no jornal mais anti-indígena jamais publicado. Coisas da profissão.

sexta-feira, 15 de abril de 2005

Obra coletiva

Divinópolis - Edgar Borges apronta conto digital a trocentas mãos, com participações de Luis Ene e Nei Costa, entre outros. Um projeto literário interessante que vai ser continuado pelos outros participantes, cada um dando início a uma nova história. Depois juntamos tudo e transformamos em livro digital ou analógico.

Dia de índio

Lula assina decreto que homologa Raposa Serra do Sol

17:23
Nelson Motta
Repórter da Agência Brasil

Brasília ? O presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou agora há pouco o decreto que homologa de forma contínua a terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. Para o ministro da Justiça, Márcio Thomas Bastos, o decreto põe "ponto final" a um problema que se arrastava havia mais de 20 anos, produzindo inquietação na região.

"Esse é um grande momento do governo, em que nós assinalamos a firme determinação de continuar a demarcar terras indígenas, e principalmente pacificar situações, para que até o final do mandato nós tenhamos em todos os estados as situações praticamente resolvidas", destacou Thomas Bastos.

15/04/2005

Lula fez questão de homologar Raposa Serra do Sol antes do Dia do Índio, diz Thomaz Bastos

17:41
Nelson Motta
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, contou agora há pouco que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva estava muito alegre ao assinar o decreto que homologou a reserva indígena Raposa Serra do Sol (RR). Segundo o ministro, Lula fez questão de assinar o decreto esta semana. "Esse é um momento fundamental na história das causas indígenas, por isso o presidente fez questão de assinar essa homologação hoje, antes do dia do Índio, para marcar a sua determinação e a sua vontade, expressa no seu programa de governo, de resgatar essa dívida que a nação tem com os povos indígenas", afirmou Thomaz Bastos.

O ministro da Justiça lembrou que a homologação está dentro de um contexto maior, dando um "passo forte" na construção de uma "estabilidade imobiliária" no estado. "Em Roraima, havia a inquietação de se saber se a Raposa Serra do Sol ia ou não ser homologada. Por outro lado, a situação imobiliária nunca avançou muito. Eram precisas medidas fortes no sentido de fazer a regularização imobiliária do estado", disse Bastos.

Entre o conjunto de medidas que o governo tomou nesse sentido, o ministro da Justiça enumerou algumas: destinar 150 hectares de terra da União para a implantação de pólos de desenvolvimento agropecuário; regulamentar 10 mil propriedades familiares, o que viabilizará o acesso a créditos públicos; identificar e cadastrar todas as famílias a serem transferidas das terras Raposa Serra do Sol e São Marcos e instalá-las em projetos de assentamentos do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), quando preencherem os pré-requisitos do Programa Nacional de Reforma Agrária; concluir o levantamento, avaliação e indenização das benfeitorias identificadas na reserva. Além disso, segundo o ministro, nenhum ocupante de boa fé será obrigado a sair sem receber a sua indenização e ter destinada uma área para o seu reassentamento.

O decreto garante área de 1.743.089 hectares para os índios e determina também que ficam excluídas da Raposa Serra do Sol a área onde está localizado o 6º Pelotão Especial de Fronteira, em Uiramutã, os equipamentos e instalações públicas federais e estaduais atualmente existentes, as linhas de transmissão de energia elétrica e os leitos das rodovias públicas federais e estaduais.

Vivem, hoje, na Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, quase 15 mil índios das etnias Macuxi, Taurepang, Wapixana, Ingarikó e Patamona.



Povos indígenas lutavam há quase 30 anos por demarcação de reserva

13:50
Juliana Andrade
Repórter da Agência Brasil

Brasília - Para o coordenador-geral do Conselho Indígena de Roraima (CIR), Marinaldo Justino Trajano, a publicação de portaria do Ministério da Justiça confirmando a declaração de posse permanente das etnias indígenas Macuxi, Taurepang, Wapixana e Ingaripó na reserva Raposa Serra do Sol representa uma conquista dos povos que "há quase 30 anos lutam por esse reconhecimento".

A portaria foi publicada nesta sexta-feira (15) no Diário Oficial da União e prevê nova demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. Ficam de fora da reserva algumas áreas, como o núcleo urbano da sede do município de Uiramutã (com 4,7 mil habitantes, de acordo com o Ministério da Justiça), os leitos das rodovias públicas federais e estaduais e as linhas de transmissão de energia elétrica. "O importante é que saiu a homologação em área contínua, mesmo com essas exclusões. Se não chegamos a 100%, vamos dizer que chegamos a 95% e isso é uma coisa valiosa", avalia Trajano, liderança indígena da etnia Macuxi.

Ele também comemorou a decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), que extinguiu todas as ações judiciais que contestavam a portaria anterior (820/98). Nesta quinta-feira (14), o plenário do STF julgou as ações prejudicadas pela "perda do objeto", após tomar conhecimento da existência de nova portaria alterando o disposto no ato normativo anterior. "O importante é que saiu a portaria e o Supremo decidiu favoravelmente aos povos indígenas. Ficamos satisfeitos, mas não completamente ainda, porque está faltando a assinatura do nosso presidente".

A nova portaria, assinada pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, garante área de cerca de 1,74 milhão de hectares para os cerca de 15 mil índios que vivem na reserva. Além do núcleo urbano de Uiramutã, das linhas de transmissão elétrica e dos leitos das rodovias federais e estaduais, ficam excluídas da reserva a área onde está localizado o 6º Pelotão Especial de Fronteira, em Uiramutã, e os equipamentos e instalações públicas federais e estaduais atualmente existentes.

Segundo o Ministério da Justiça, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) vão transferir os 565 habitantes de três vilarejos localizados na área indígena ? Socó, Mutum e Surumu. No prazo de um ano, os arrozeiros que exploram terras na margem sudoeste da reserva também serão transferidos e os pequenos agricultores de outras áreas serão reassentados. Além disso, a União vai indenizar as benfeitorias construídas de boa-fé. Na região, há 63 ocupações em área rural: 47 pequenos pecuaristas e 16 rizicultores.

15/04/2005



Ministério da Justiça Gabinete do Ministro
PORTARIA N o 534, DE 13 DE ABRIL DE 2005


O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições, observando o disposto no Decreto n o 1.775, de 8 de janeiro de 1996, e com o objetivo de definir os limites da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, e

Considerando que a Portaria MJ n o 820/98 não contempla solução para questões de fato controvertidas ressalvadas no Despacho n o 50, de 10 de dezembro de 1998, do então Ministro da Justiça;

Considerando ser conveniente e oportuno solucionar, de modo pacífico, situações de fato controvertidas ressalvadas no referido Despacho n o 50;

Considerando que os atos praticados com fundamento na Portaria MJ n o 820, de 11 de dezembro de 1998, são válidos e devem ser aproveitados;

Considerando que o Parque Nacional do Monte Roraima pode ser submetido, por decreto presidencial, a regime jurídico de dupla afetação, como bem público da União destinado à preservação do meio ambiente e à realização dos direitos constitucionais dos índios que ali vivem;

Considerando que o Decreto n o 4.412, de 7 de outubro de 2002, assegura a ação das Forças Armadas, para defesa do território e da soberania nacionais, e do Departamento de Polícia Federal, para garantir a segurança, a ordem pública e a proteção dos direitos constitucionais dos índios, na faixa de fronteira, onde se situa a Terra Indígena Raposa Serra do Sol;

Considerando, por fim, o imperativo de harmonizar os direitos constitucionais dos índios, as condições indispensáveis para a defesa do território e da soberania nacionais, a preservação do meio ambiente, a proteção da diversidade étnica e cultural e o princípio federativo; resolve:

Art. 1 o Ratificar, com as ressalvas contidas nesta Portaria, a declaração de posse permanente dos grupos indígenas Ingarikó, Makuxi, Taurepang e Wapixana sobre a Terra Indígena denominada Raposa Serra do Sol.
Art. 2 o A Terra Indígena Raposa Serra do Sol, com superfície de um milhão, setecentos e quarenta e três mil, oitenta e nove hectares, vinte e oito ares e cinco centiares e perímetro de novecentos e cinqüenta e sete mil, trezentos e noventa e nove metros e treze centímetros, situada nos Municípios de Normandia, Pacaraima e Uiramutã, Estado de Roraima, está circunscrita aos seguintes limites: NORTE: partindo do Marco SAT RR-13=MF BV-0, de coordenadas geodésicas 05º12'07,662" N e 60º44'14,057" Wgr., localizado sobre o Monte Roraima, na trijunção das fronteiras Brasil/Venezuela/Guiana, segue pelo limite internacional Brasil/Guiana, passando pelos Marcos de Fronteira B/BG-1, B/BG-2, B/BG-3, B/BG-4, B/BG-5, B/BG-6, B/BG-7, B/BG-8, B/BG-9, B/BG-10, B/BG-11, B/BG-11A, B/BG-12 e B/BG-13, até o Ponto Digitalizado 02, de coordenadas geodésicas aproximadas 05º11'54,8" N e 60º06'32,0" Wgr., localizado na cabeceira do Rio Maú ou Ireng; LESTE: do ponto antes descrito, segue pela margem direita do Rio Maú ou Ireng, a jusante, acompanhando o limite internacional Brasil/Guiana, passando pelos Marcos de Fronteira B/5, B/4, B/3 e B/2, até o Ponto Digitalizado 03 de coordenadas geodésicas aproximadas 03º51'56,5" N e 59º35'25,1" Wgr., localizado na confluência com o Igarapé Uanamará; SUL: do ponto antes descrito, segue pela margem esquerda do Igarapé Uanamará, a montante, até o Marco 04 de coordenadas geodésicas 03º55'12,8544" N e 59º41'50,4479" Wgr., localizado na confluência com o Igarapé Nambi; daí, segue por uma linha reta até o Marco 05 (marco de observação astronômica, denominado Marco Pirarara), de coordenadas geodésicas 03º40'05,75" N e 59º43'21,59" Wgr.; daí, segue no mesmo alinhamento até a margem direita do Rio Maú ou Ireng; daí, segue por esta margem, a jusante, acompanhando o limite internacional Brasil/Guiana, até a sua confluência com o Rio Tacutu, onde está localizado o Marco de Fronteira 1 de coordenadas geodésicas 03º33'58,25" N e 59º52'09,19" Wgr; daí, segue pela margem direita do Rio Tacutu, a jusante, até o Ponto digitalizado 07 de coordenadas geodésicas aproximadas 03º22'25,2" N e 60º19'14,5" Wgr., localizado na confluência com o Rio Surumu; OESTE: do ponto antes descrito, segue pela margem esquerda do Rio Surumu, a montante, até o Ponto Digitalizado 08, de coordenadas geodésicas aproximadas 04º12'39,9" N e 60º47'49,7" Wgr., localizado na confluência com o Rio Miang; daí, segue pela margem esquerda do Rio Miang, a montante, até o Marco de Fronteira L8-82 de coordenadas geodésicas 04º29'38,731" N e 61º08'00,994" Wgr., localizado na sua cabeceira, na Serra Pacaraima, junto ao limite internacional Brasil/Venezuela; daí, segue pelo limite internacional, passando pelos Marcos de Fronteira BV-7, BV-6, BV-5, BV-4, BV-3, BV-2, BV-1 e BV-0=Marco SAT RR-13, início da descrição deste perímetro. Base cartográfica utilizada na elaboração deste memorial descritivo: NB.20-Z-B; NB.21-Y-A; NB.20-Z-D; NB.21-Y-C; NA.20-X-B e NA.21-V-A - Escala 1:250.000, RADAMBRASIL/DSG Ano 1975/76/78/80.

Art. 3 o A terra indígena de que trata esta Portaria, situada na faixa de fronteira, submete-se ao disposto no art. 20, § 2 o , da tuição.
Art. 4 o Ficam excluídos da área da Terra Indígena Raposa Serra do Sol:
I - a área do 6 o Pelotão Especial de Fronteira (6 o PEF), no Município de Uiramutã, Estado de Roraima;
II os equipamentos e instalações públicos federais e estaduais atualmente existentes;
III - o núcleo urbano atualmente existente da sede do Município de Uiramutã, no Estado de Roraima;
IV - as linhas de transmissão de energia elétrica; e
V - os leitos das rodovias públicas federais e estaduais atualmente existentes.
Art. 5 o É proibido o ingresso, o trânsito e a permanência de pessoas ou grupos de não-índios dentro do perímetro ora especificado, ressalvadas a presença e a ação de autoridades federais, bem como a de particulares especialmente autorizados, desde que sua atividade não seja nociva, inconveniente ou danosa à vida, aos bens e ao processo de assistência aos índios.
Parágrafo único. A extrusão dos ocupantes não-índios presentes na área da Terra Indígena Raposa Serra do Sol será realizada em prazo razoável, não superior a um ano, a partir da data de homologação da demarcação administrativa por decreto presidencial.
Art. 6 o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

MÁRCIO THOMAZ BASTOS

quinta-feira, 14 de abril de 2005

Sobre trabalho

Belo Horizonte - Fui convidado a dar palestra no encontro de coordenadores de cursos de Relações Públicas, promovido pela Raquel na Fabrai hoje de manhã, em BH. Foi positivo porque tratou da profissão não por suas dificuldades, mas por seus valores e pelo desafio de acreditar que quanto maior a sua participação na sociedade, maior o desenvolvimento da indústria, do comércio, da Nação.

Jornalistas e Relações Públicas são profissões que vezooutra entram em choque quando o assunto é assessoria de comunicação, filão profissional muito disputado e vezenquando bem pago. Melhor organizados e com um conselho funcionando há quase 40 anos, os RPs têm força corporativa mas pouca expressão no mercado, que ignora seu potencial como gestor de comunicação.

Neste cenário, profissões como Publicidade e Jornalismo (atividades que rendem filmes, roteiros, reportagens, produtos culturais de todo gênero) ganham espaço à medida que seu trabalho é mais exposto. Apesar disso, qualquer juiz pode requerer sua desregulamentação - será a redesregulamentação uma regulamentação?. Além disso, a falta de um Conselho Federal deixa jornalistas e publicitários fragilizados e com os limites éticos difusos.

No edifício da comunicação, enquanto os relações públicas trabalham nas fundações, jornalistas instalam vidraças e publicitários pintam a fachada. As profissões em comunicação têm muito a contribuir umas com as outras, mas pelo jeito falta um RP para convocar a reunião, discutir o planejamento estratégico e dar o grito de guerra.

Uma notícia

Blogs são canais de programas nocivos

Os autores de vírus e de outras pragas digitais estão aproveitando a popularidade dos blogs para usá-los como canais de transmissão de suas crias. De acordo com a WebSense Security Labs, existem atualmente cerca de 200 blogs disseminando principalmente cavalos-de-tróia e keyloggers (programas que capturam tudo o que é digitado).

Dan Hubbard, diretor da Websense, diz que, recentemente, mensagem postada em um comunicador instantâneo, continha um link que levava a um certo blog. Lá, os internautas incautos tinham suas máquinas contaminadas por um cavalo-de-tróia feito para roubar dados bancários.

Segundo Hubbard, a preferência dos malfeitores pelos diários pessoais online deve-se à facilidade de publicação de arquivos em grandes espaços, sem a monitoração de antivírus.

João Magalhães (O Estado de S. Paulo)

quarta-feira, 13 de abril de 2005

Do ecrã à celulose

Divinópolis - As micro-histórias ou micro-contos são tão antigas quanto os micro-escritores. Se Toulouse-Lautrec fosse escritor, seria um micro. Dizem que o Alcorão e a Bíblia Sagrada são coleções de micro-contos. Cortázar era grande micro-contista. Borges também. O guatemalteco Augusto Monterroso é uma celebridade das rapidinhas literárias.

A série de micro-contos que escrevo aqui tem influência de Cortázar, Calvino, Monterroso e do grande nome do gênero em língua portuguesa na contemporaneidade, um blogueiro do Faro que ameaça interromper as atividades virtuais para dedicar-se mais ao papel - quem pode culpá-lo, blogosfera?

Luís Ene lança o primeiro volume de Mil e uma pequenas histórias na Ler Devagar, no Bairro Alto, em Lisboa, dia 16. O livro é retirado do blog homônimo que ele começou ainda no período blogáceo (antes da febre mundial em 2002). Desejar todo sucesso a este companheiro blogueiro d'além mar, é pouco. Que a História dê lugar a este contador de histórias.

sábado, 9 de abril de 2005

Uma canção

Lenda do Pégaso
(Jorge Mautner/Morais Moreira)

Era uma vez, vejam vocês, um passarinho feio
Que não sabia o que era, nem de onde veio
Então vivia, vivia a sonhar em ser o que não era
Voando, voando com as asas, asas da quimera

Sonhava ser uma gaivota porque ela é linda e todo mundo nota
E naquela de pretensão queria ser um gavião
E quando estava feliz, feliz, ser a misteriosa perdiz
E vejam, então, que vergonha quando quis ser a sagrada cegonha

Era uma vez, vejam vocês, um passarinho feio
Que não sabia o que era, nem de onde veio
Então vivia, vivia a sonhar em ser o que não era
Voando, voando com as asas, asas da quimera

E com a vontade esparsa sonhava ser uma linda garça
E num instante de desengano queria apenas ser um tucano
E foi aquele, aquele ti-ti-ti quando quis ser um colibri
Por isso lhe pisaram o calo e aí então cantou de galo

Era uma vez, vejam vocês...

Sonhava com a casa de barro, a do joão-de-barro, e ficava triste
Tão triste assim como tu, querendo ser o sinistro urubu
E quando queria causar estorvo então imitava o sombrio corvo
E até hoje ainda se discute se é mesmo verdade que virou abutre

Era uma vez, vejam vocês...

E quando já estava querendo aquela paz dos sabiás
Cansado de viver na sombra, voar, revoar feito a linda pomba
E ao sentir a falta de um grande carinho então cantava feito um canarinho
E assim o passarinho feio quis ser até pombo-correio
Aí então Deus chegou e disse: Pegue as mágoas
Pegue as mágoas e apague-as, tenha o orgulho das águias
Deus disse ainda: é tudo azul, e o passarinho feio
Virou cavalo voador, esse tal de Pégaso

Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
Pégaso
pega o azul

sexta-feira, 8 de abril de 2005

Reflexões sobre o dia (seguinte) do jornalista

Divinópolis - O Jornalismo é uma selva. As notícias são antílopes. Jornalistas dividem-se. Entre leões e hienas.

Matéria de revista

Em meados de 84, Marcelo Z (teclados), Rocco (bateria), Bidi (guitarra), Andres (baixo) e Supra (sic) (vocal) formaram o grupo Tokyo, banda techno-pop paulista que inclui, em sua linha musical, muito da energia do punk e do bom e velho rock n? roll. Após um mês trancados em um estúdio, tocando de segunda a domingo e num pique que os levava a ficar até 18 horas em atividade, montaram o repertório com o qual sairiam para conquistar Sampa.

(Revista Roll, Ano II, número 23, página 17, 1985. Cr$ 9.000 Para Manaus, Boa Vista, Porto Velho, Rio Branco, Santarém Via Aérea Cr$ 11.700)

quinta-feira, 7 de abril de 2005

Um conselho

Olá meu querido
Por que vc usa seu blog de forma tão superficial? Por que não expõe suas ideías (sic), deve haver algo nesta sua cabecinha a não ser futilidades. Eu sei que há de ter. As pessoas não costumam gostar de perder tempo lendo asneiras praticamente sem sentido. SENTIR as (sic) vezes é bom, sentimentos, vc conhece? Espero que sim. beijos


(Comentário anônimo deixado aqui)

quarta-feira, 6 de abril de 2005

Lusofonia

Divinópolis - Entre os idiomas ocidentais, a língua de Camões, é a que mais cresce na rede. Até o Orkut agora conta com interface em português. Sexto idioma mais falado no mundo (perde para o chinês, hindi, espanhol, inglês e bengali), o português é o mais agradável de se ouvir, com seus fonemas sonoros, quase musicais: cachaça, macumba, firula, bagunça, fissura, anátema, chiste, tautologia, rinoceronte, periferia, paralelepípedo, orçamento, triste, perambulação, armário, jujuba, pilhéria, jactância, mineral, orgulho, papel, girafa, sorvete, costela, mariola, tatu. Qualquer bobagem (bobagem, bobagem) é agradável de se ouvir em português.

A metamorfose

Divinópolis - Reduziu o estômago e as coxas, correu milhares de quilômetros na esteira, usou toxinas do botulismo para corrigir rugas e cirurgia plástica no pescoço e peito. Morreu atropelada por um ônibus desgovernado na saída da clínica. Ficou irreconhecível.

segunda-feira, 4 de abril de 2005

You can't allways get what you want

You can't allways get what you want
You can't allways get what you want
You can't allways get what you want
You can't allways get what you want

sábado, 2 de abril de 2005

O infinito, segundo o Google

Divinópolis - A turma do Google garante que atingiu a perfeição no seu serviço de correio eletrônico, o Gmail, que completou hum ano e só está disponível na versão Beta.

A ambiciosa empreitada chama-se (símbolo do infinito) + 1 e prevê o aumento exponencial em gigabytes de armazenamento. A idéia é preservar todas as mensagens para ninguém mais reclamar de espaço. Por enquanto, os usuários têm 2 gigas de espaço. Tenho seis convites para o uso do serviço. Quem quer?

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...