terça-feira, 28 de junho de 2016

Ouvi Always Somewhere pela primeira vez num intervalo de ensaio da Naja, graças ao Odely Sampaio. Fomos levados até o impressionante estúdio caseiro, Marcelo Fortes e eu, pelo insubstituível Mário Wander (IM). Foi há tanto tempo que parece ter sido noutra vida. Hoje tem show do Scorpions em Lisboa. A banda completa 50 anos em atividade.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Aos meus filhos

A História supera hipóteses. História é ciência testada e avaliada no mais alto grau de refinamento. A única que enterra todas as verdades temporárias que tentam nos encabrestar.

domingo, 19 de junho de 2016

As condições sob as quais sou compreendido, sob as quais sou necessariamente compreendido – conheço-as muito bem. Para suportar minha seriedade, minha paixão, é necessário possuir uma integridade intelectual levada aos limites extremos. Estar acostumado a viver no cimo das montanhas – e ver a imundície política e o nacionalismo abaixo de si. Ter se tornado indiferente; nunca perguntar se a verdade será útil ou prejudicial... Possuir uma inclinação – nascida da força – para questões que ninguém possui coragem de enfrentar; ousadia para o proibido; predestinação para o labirinto. Uma experiência de sete solidões. Ouvidos novos para música nova. Olhos novos para o mais distante. Uma consciência nova para verdades que até agora permaneceram mudas. E um desejo de economia em grande estilo – acumular sua força, seu entusiasmo... Auto-reverência, amor-próprio, absoluta liberdade para consigo...

Friedrich Nietzsche - O Anticristo

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Astrolábio
(Orblua)
Oh mar, doce mar, que segredos tu escondes?
Ninguém sabe quem ou o que é que tu és
O velho no cimo do monte avistava
Um navio partia sem rumo ao destino
Apenas um velho astrolábio guiava
Aquele frágil barco que por certo naufragava
Astrolábio, velho lobo do mar
Tu que tornas redondo este plano mundo
Ensina-me o rumo a tomar como certo
Conduz-nos a todos por marés e por mares
Que marinheiros nós somos deste mar oceano
Habitantes nós somos deste Grã Portugal
Portugal, Portugal, nobre país de mar
Tão parco de terra e tão rico de água
O fogo já extinto, no ar paira saudade
No oceano encontramos a certeza de estar
E tens um astrolábio e uma vela de pano
E nós navegaremos por esse mundo nosso

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Sobre crianças e armas

A empresa chama-se Fairchild. Child significa criança. Fair é feira, mas pode significar justo, correto. Ambas as traduções são interessantes.

Nos anos 1950, a Fairchild desenvolveu a ideia de Eugene Stoner para um fuzil de assalto leve, que permitia matar mais em menos tempo. O fuzil chama-se AR-15. Ao longo do tempo passou de 4 para pouco mais de 2 quilos de peso. Aperfeiçoado, hoje mata pessoas com impecável qualidade a 600 metros de distância. Despeja 800 balas por minuto. Quando disparadas, as balas voam a 3,5 mil quilômetros por hora. Cada bala pesa 20 gramas. É o fuzil preferido de assassinos em série, responsável por 14 massacres nos últimos 10 anos. Dezenas de vítimas eram crianças. Fairchild...

No último fim de semana, o norte-americano Omar Mateem saiu de casa em Port St. Lucie e dirigiu 200 quilômetros para matar gays na Boate Pulse, em Orlando. Usou o fuzil e outras armas. Foi bem-sucedido em 50 assassinatos. Deixou 53 feridos e alcançou um novo recorde com a maior chacina individual do país. A título de comparação, no Brasil 50 pessoas são assassinadas de 8 em 8 horas. O país do samba promove três massacres-recorde a cada dia.

Quanto a Eugene Stoner, é considerado o maior designer de armas de fogo de todos os tempos. Morreu aos 75 anos em 1997, em paz, rico e ao lado da família. Tem lugar garantido na História. As vítimas de sua grande obra são esquecidas pouco depois de assassinadas. Exceto pelas famílias.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Sete samurais

Toda estrada tem um preço. A beleza que os olhos veem poucas vezes é partilhada com a família; a felicidade de ter muitos amigos convive com a frustração de nunca ver todos reunidos. Porque estão em toda parte: em cidades com nomes de santos, de pedras, de acidentes geográficos. Em clima equatorial, sub-tropical, temperado, desértico. São orientais, negros, mestiços, caucasianos, índios, hindus. Vivem nas alturas andinas, em praias, no alto de edifícios em super cidades, no meio da selva amazônica, em aldeias, savanas e planaltos. Uma lista interminável lembrou do 9 de junho. Não poderia nominá-los. Então pensei em listar as cidades, mas também seriam muitas. Listar países é maçante. Nunca poderei reuni-los, mas ontem em Faro um grupo representou bem a todos. Scott Fitzgerald dizia que as melhores reuniões têm sete convidados. A noite foi especial, e por isso agradeço Luís, Paula, Pedro, Laura, Nuno, Teresa e Rogério.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Sobre jazz e novembros


Na noite de 9 de novembro do ano da graça de 1971 d.C., a boa, velha e fria Copenhague estremeceu diante de Thelonious Monk, Dizzy Gillespie, Art Blakey e outros monstros. Na boa, velha e fria Copenhague flanei e comprei CDs de jazz em novembro do ano errado. Não era 1971.

sábado, 4 de junho de 2016

A intolerância e o pensamento obtuso crescem na mesma velocidade que morrem os que lutam por justiça. Um dia, só restarão lobos e cordeiros e haverá uma felicidade artificial por ver todos os pássaros mortos.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Educar pressupõe que salvar vidas e exercer a cidadania têm a mesma importância. O sucesso do Projeto Alemão deriva de uma habilidade rara na limitada selva do capitalismo: nunca reduzir o papel da educação na vida das pessoas.

Satanistas são clientes insatisfeitos.