domingo, 30 de janeiro de 2011

Sobre o jornalismo na contemporaneidade

Faz sentido exigir diploma para uma profissão marcada por sempiterna obediência às inclinações sádicas da audiência? A sociedade precisa se reunir com os meios de comunicação e chegar a um consenso sobre como a violência e o bizarro engendram a mídia que engendra novas formas narrativas da violência e do bizarro.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Benício e o MC


Boa Vista - Volta à baila a capa do disco do Erasmo Carlos que vi quando criança, que teria me causado susto e asco e fixação e pesadelos intermitentes e processos arcaicos e sociopatia e internação, caso eu não fosse o típico garoto destemido, construtor de estradas e astronauta, amigo de dragões, homúnculos e gigantes.


O tema foi criado para o álbum Amar para viver ou morrer de amor (1982) pelo ilustrador Benício, hoje com 74 anos. Autor de ilustrações e cartazes de cinema como estes aí do lado,  Benício quer processar por plágio o MC Morlockk Dilemma, um alemão que parece um mix de Phil Collins e Dave Matthews. O trabalho de Benício é bem melhor. A programação visual também. 

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Fitz

"O que você está escrevendo? Por favor, diga-me alguma coisa sobre o seu romance. E, se eu gostar da ideia, talvez a transforme num conto para o Post, a ser publicado antes do seu romance e roubar todo o clamor. Quem vai fazê-lo? Bebé Daniels? Ela é uma sensação!"

Francis Scott Key Fitzgerald, em carta a John Peale Bishop, no inverno de 1924-25

sábado, 15 de janeiro de 2011

Há nove anos, neste blog

Porto Alegre - Chego alquebrado nestas paragens meridionais. Finalmente, o Fórum Social Mundial. Ônibus sucks.

Há oito anos, neste blog

Li 
Trópico de Câncer - Henry Miller 
Miller tem a capacidade de escrever sobre toda a maldade que temos mas não externamos ou que não temos mas gostaríamos de ter. Desaconselhável para leitores neófitos.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Cadiquim de Minas

Tudo que você podia ser
(Lô Borges)

Com sol e chuva você sonhava
Que ía ser melhor depois
Você queria ser o grande herói das estradas
Tudo o que você queria ser

Sei um segredo: você tem medo
Só pensa agora em voltar
Não fala mais na bota e no anel de Zapata
Tudo que você devia ser sem medo

E não se lembra mais de mim
Você não quis deixar que eu falasse de tudo
Tudo que você podia ser na estrada

Ah! sol e chuva na sua estrada
Mas não importa não faz mal
Você ainda pensa e é melhor do que nada
Tudo que você consegue ser ou nada



Manuel, o audaz
(Toninho Horta e Fernando Brant)
Se já nem sei

O meu nome
Se eu já não sei parar
Viajar é mais
Eu vejo mais
A rua, luz, estrada, pó
O jipe amarelou
Manoel, o audaz
Manoel, o audaz
Manoel, o audaz, vamos lá
Viajar
E no ar livre
Corpo livre
Aprender ou mais, tentar
Manoel, o audaz
Manoel, o audaz
Iremos tentar
Vamos aprender
Vamos lá

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Quando éramos campeões


Boa Vista - Ainda éramos crianças do sétimo ou oitavo ano. Altemar, Israel, Osni  e eu voávamos em nossas bicicletas para jogar fliperama na Tip Ti Dog, depois da escola. Havia apenas duas máquinas de pinball hiper disputadas, a Close Enconnters of the 3rd Kind e a Klondike.

Éramos quase invencíveis. Poucas vezes perdemos nas disputas para garotos do Costa e Silva, do Oswaldo Cruz e até do Gonçalves Dias. Éramos bons nas duas máquinas e chegávamos mais cedo porque o Penha Brasil era mais perto da lanchonete do que as outras escolas.

As máquinas foram parar ali na esquina da Major Williams com José Bonifácio depois de terem passado pelo Centro, levadas pelo argentino Henrique, que depois vendeu as máquinas junto com umas mesas de pebolim ao Marreco. E o Marreco sumiu.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Vainas

Hallaca
No confundas las hallacas con tortillas; las tortillas con cachapas; las cachapas con arepas; los caneys con churuatas; los bueys con las vacas.

Dia da Europa. Uma embarcação com 400 pessoas, refugiados sírios, tenta chegar à costa italiana. A gravação com vozes desesperadas, via rá...