terça-feira, 11 de dezembro de 2007

O(s) Idiota(s)

Pacaraima - Um deputado estadual aqui de Roraima quebrou o decoro parlamentar ao comparecer a uma luta de vale-tudo e subir no ringue de cueca, provocando um desafeto. O deputado batia no peito e no rosto, com olhar tresloucado. O público, estupefato, exigia luta de verdade ou seu dinheiro de volta.

Agora a Assembléia Legislativa age em nome dos bons costumes, embora não tenha tomado qualquer atitude quando o "lutador" confirmava compra de votos para a eleição da diretoria da Câmara de Boa Vista em telefonemas interceptados. Corrupção pode. Mostrar a cueca, não.

PS: Há menos Dostoiévski que Lars Von Trier no título deste post, (e)leitor.Roraima existe?

O mundo perdido

Lethem - Enquanto o Brasil conclui a ponte sobre rio Tacutu, o pequeno comércio é vasculhado por turistas brasileiros enlouquecidos por tênis Nike, bicicletas, telefones celulares e outras quinquilharias. Há um notável crescimento da infraestrutura urbana desse pequeno povoado no sul da Guiana: linhas regulares de ônibus para a capital Georgetown (bela cidade, diga-se), aeroporto, táxis (carros brasileiros, legalizados) e, last but not least, um cybercafe.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Leio Como vivem os mortos, de Will Self

Boa Vista - Estória de uma sexagenária desbocada morta pelo cigarro, vagando por Londres, acompanhada de um litopédio, um aborígene excêntrico e ectoplasmas de gordura de pouca capacidade cognitiva. Lilly Bloom não é exatamente uma vovozinha querida. A lascívia e a acidez crítica tornam-lhe adorável anti-heroína pela qual torcemos neste e no outro mundo.


No caos post morten criado pelo britânico em seu quarto romance, a tabagista Bloom desobedece às regras do limbo onde vive (hahaha) para atuar com voyeur na vida das próprias filhas, uma drogada perdida e uma capitalista

O livro é um espetacular desfile de reflexões acerca da política mundial, drogas, taxistas cipriotas de costas peludas, terrorismo, judeus, moda, negros, britânicos empedernidos e norte-americanos consumistas. Às vezes fica difícil acreditar que é Lilly Bloom e não o próprio autor quem narra tantas digressões a respeito da sociedade inglesa contemporânea.

Vale a pena ler, mesmo que seus conhecimentos gerais não sejam suficientes. Will Self não está nem um pouco preocupado em que não lhe compreeendam a prosa. Escreve da forma que acha melhor, sem facilidades ou coloquialismos, com vasta erudição e verve crítica. Observar as coisas de forma tão venenosa é de causar inveja.

Pop will eat Will Self? Veremos.

Livro: Como Vivem os Mortos
Autor: Will Self
Número de páginas: 368
Editora: Objetiva
Preço: R$ 47,90

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Decálogo do bom pesquisador (aos alunos de Metodologia)

1 - O prazo é meu inimigo mortal. Não devo me aproximar dele;
2 - Meu trabalho é, de todos, o mais importante;
3 - Jamais irei à pesquisa de campo sem ulterior pesquisa bibliográfica;
4 - Tempestades, terremotos e inundações não interromperão meus trabalhos;
5 - Acidentes, incidentes, doenças e golpes de estado, tampouco;
6 - Cataclismas de qualquer ordem e outros incidentes não interferirão no meu cronograma;
7 - Meu orientador é meu pastor e nada me faltará;
8 - Ele me guia por bibliografias complexas e apascenta meu problema metodológico;
9 - Jamais dispensarei orientação, pois sou jovem pesquisador honesto e determinado;
10 - Meu objetivo é produzir um projeto de pesquisa. Agora ou no ano que vem, Amém.



Boa Vista, Outubro de 2007

sábado, 27 de outubro de 2007

Leio Baudolino, de Umberto Eco

Boa Vista - O às-vezes-engraçado-porém-chatíssimo Baudolino foi cometido pelo mesmo autor de O nome da Rosa e O Pêndulo de Foucault, o semiótico Umberto Eco. Por sugestão de Vandré Fonseca, passei os últimos onze meses devorando o calhamaço, enquanto acrescentava leituras contrastantes para sobreviver ao caos de mentiras, sopapos, piadas étnicas e escatologias que Baudolino, o maior mentiroso do mundo, e seu grupo excêntrico vivem na Europa dos séculos XI e XII. Baudolino acabou, mas ainda leio a Eneida (Vergílio) e caminho À sombra das raparigas em flor (Marcel Proust), enquanto finalizo Como vivem os mortos (Will Self), que deve ser a próxima mini-resenha deste blog bissexto. Vandré, valeu, viu?

Livro: Baudolino
Autor: Umberto Eco
Editora: Record
Páginas : 459
Preço: R$ 43,00


quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Um conto

O espéculo

Em certo país e cidade, há uma espécie de café e nele uma mesa em particular. A ela se sentam e a ela regressam aqueles clientes que notaram um dia o espelho defronte. Através do vidro velho, irregular e manchado, cada desses clientes tem a impressão de contemplar no lugar de si um outro, estranhamente próximo de qualquer coisa que desejaria em segredo ser: O velho eleva a chávena aos lábios dum eu antigo, de costas mais direitas; O pobre acende um cigarro amarfanhado mas saboreia a cigarrilha fina do vulto bem vestido que lhe segue os gestos; A jovem perplexa observa-se e detecta algo de claramente masculino no gesto simples de endireitar os óculos. Conheço bem aquela mesa. E esses vultos distorcidos, feitos da essência do desejo – dizer que os conheço bem seria bem pouco. Faço o que posso e me compete. Mas quando lá ao fundo a mesa está vaga e há que matar o tempo, sirvo-me deste caderninho que alguém nela deixou em desalento e vou alinhando palavras sobre as linhas azuis. Assim, devagar. Da direita para a esquerda.


(Carlos Tijolo, na Minguante)

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Duas canções

O Vento

(Rodrigo Amarante)

Posso ouvir o vento passar, assistir à onda bater
mas o estrago que faz a vida é curta pra ver
Eu pensei que quando morrer
vou acordar para o tempo e para o tempo parar
um século, um mês, três vidas e mais um passo pra trás
Por que será? Vou pensar
Como pode alguém sonhar o que é impossível saber
Não te dizer o que eu penso já é pensar em dizer
e isso, eu vi, o vento leva
Não sei mais, sinto que é como sonhar
e o esforço pra lembrar é a vontade de esquecer
E isso porque diz mais!
Uh... Se a gente já não sabe mais
rir um do outro meu bem, então o que resta é chorar
e talvez, se tem que durar, vem renascido o amor bento de lágrimas
um século, três, se as vidas atrás são parte de nós
E como será?
O vento vai dizer, lento, o que virá
e se chover demais, a gente vai saber, claro que um trovão
se alguém depois sorrir em paz
só de encontrar


Slideshow
(Rufus Wainwright)

Do I love you because you treat me so indifferently?
Or is it the medication? Or is it me?
Do I love you because you don't want me to rub your back?
Or is it the medication? Or is it you? Or is it true?
And I better be prominently featured in your next slideshow
Because I paid a lot of money to get you over here, you know?
And if I am not prominently featured in your next slideshow
I don't know what I'm gonna do
Do I love you, or is this feeling just a little pain?
A treasure chest is broken easily open
And usually I am such a happy prince
Behind the iron curtain, the city walls a solid prison
And I better be prominently featured in your next slideshow
'Cause I paid a lot of money to get you over here, you know?
And if I am not prominently featured in your next slideshow
I don't know what I'm gonna do!Do I love you?Do I love you?Yes I do
Do I love you?
Yes I do


quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Na vitrola

Peter, Bjorn and Paul

Supercordas

Silversun Pickups

Feist

e o novo do Arcade Fire.

6 comentaram


quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Damned!

Boa Vista -

Dick Cheney escapa ileso de atentado à bomba.

Bergman e Antonioni

Santa Elena de Uairén - Morrem dois grandes mestres. O cinema não vai ficar mais pobre sem eles. Já o era. E você ainda acredita em Hollywood...

alguém comentou

sexta-feira, 20 de julho de 2007

A morte de Antônio Carlos Magalhães

Santa Elena de Uairén - Está morto o velho coronel baiano, áulico de Maquiavel, defensor da ditadura, violador das votações do congresso, espião de adversários políticos e araponga assumido, símbolo-maior da falta de ética na política brasileira. ACM morre, mas deixa contemporâneos (e aprendizes) do mesmo naipe. E você ainda acredita em justiça divina...

5 comentaram

quinta-feira, 12 de julho de 2007

Leio O trovador solitário, de Arthur Dapieve

Boa Vista - A biografia de Renato Russo por quem viu quase tudo acontecer. E o que não viu, procurou saber com quem estava lá. O livro do jornalista Arthur Dapieve é respeitoso, mas não hipócrita. Narra a formação de uma das personalidades mais importantes da cultura e política brasileira das últimas décadas. Russo era fã de Rousseau, Godard e Focus. Gostava de Sex Pistols, Thomas Mann e música punk. Deixou um legado de liberdade, amor e amizade. Influenciou e influencia gerações mais de uma década depois de sua morte.

Marcadores: Arthur Dapieve, Legião Urbana, Renato Russo

Avery Veríssimo, Quinta-feira, 12 de Julho de 2007 às 15:01 | alguém comentou

Cruviana

Boa Vista - Tem feito frio por aqui, à noite. Rebarba das massas polares que sobem o continente?

sábado, 23 de junho de 2007

Epílogo


Belém -
A Amazônia tem a pior distribuição de renda, os piores índices de educação e algumas das piores condições de vida do Brasil. Por aqui temos uma imensa riqueza concentrada nas mãos dos coronéis políticos, das grandes mineradoras e do agronegócio. Nossas populações carecem de saúde, educação e moradia.

A Amazônia Legal ocupa 2/3 do Brasil. Vinte milhões de pessoas vivem aqui, pressionados por grupos que algumas vezes se igualam em radicalismo. Entre as necessidades ambientais mais urgentes está a necessidade de conservação da floresta e a produção sustentada. Mas exigir ações ecologicamente corretas de quem vive em condições sub-humanas não gera o mesmo apelo que a distribuição de moto-serras, camisetas, bonés, cestas básicas e outras moedas eleitorais. É que às vezes a ciência não cobra políticas públicas adequadas com medo de perder as poucas verbas disponíveis nos orçamentos. Mas de pouco adianta um vistoso campus em meio à cidade partida.

A pesquisa científica na região tem sido tão direcionada pelas grandes indústrias que pouco se produz sobre as populações que habitam este imenso lugar. Índios, profissionais liberais, ribeirinhos, funcionários públicos e latifundiários convivem forçosamente com todo tipo de intempérie. As principais são os políticos locais, tão ricos e tão cegos para os problemas sociais, como os do bairro Guamá, um dos mais pobres da capital paraense, a maior metrópole da Amazônia, com 1,5 milhão de habitantes. A UFPA fica no Guamá. Basta sair dos limites da cidade universitária para mergulhar num mundo insalubre e medieval, com as pessoas vivendo sobre os próprios dejetos.

Minha profissão já me levou a bairros pobres em Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Juiz de Fora, Manaus. Já estive em favelas na Venezuela, em bairros sem nenhuma infraestrutura em Georgetown e vi a pobreza extrema nos redutos orientais de Paramaribo. Masos extensos canais de podridão que substitutem as calçadas dos moradores da periferia de Belém são imbatíveis. Por ali, crianças brincam entre urubus. Açougues, oficinas, escolas, lanchonetes, toda a organização urbana suspensa sobre um grosso caldo formado por esgotos, restos de animais, garrafas plásticas e todo tipo de lixo doméstico.

Enquanto na periferia o saneamento é zero, o centro de Belém viceja com praças bem cuidadas e vigiadas contra vagabundos. O centro-histórico de quase 400 anos é um dos mais bem-conservados do Brasil. Na margem da baía, a Estação das Docas (projeto de 20 milhões de reais) se destaca como área de lazer e movimentação cultural e turística. Tem 11 bares e restaurantes e músicos suspensos sobre a platéia.

A cidade conta ainda com um grande complexo para eventos, feiras, congressos e convenções, o Hangar (98 milhões de reais), engrossa o rol de grandes obras junto com o parque ecológico Mangal das Garças, que custou 15 milhões de reais. Mas a grande expectativa por aqui chama-se Portal da Amazônia, uma via de seis quilômetros na orla da cidade que concentrará centros comerciais diversos, pretende melhorar o trânsito e vai custar mais de 100 milhões de reais.

Pergunta: quanto custaria sanear o Guamá, pelo menos no entorno da universidade, para justificar a sua existência ali? A Belém dos turistas luta contra a Belém real, mas o combate é injusto.

Acabou


Belém - O Intercom Norte encerrou ontem com palestra de Gabriel Priolli sobre TV digital e TV pública. No final da noite, foram anunciados os trabalhos que concorrerão ao prêmio Expocom nacional, em Santos (SP), em agosto. Pará e Amazonas vão, em peso.

A incansável Maria Ataíde Malcher, coordenadora do congresso, declarou sob emoção que os trabalhos estavam encerrados. Meses de preparação e semanas de trabalho ininterrupto renderam um evento bem-feito, com pouquíssimas falhas e muita dedicação da equipe de 40 estudantes voluntários. Gente que, no futuro, estará cuidando das universidades porque já foram contaminados pelo vírus da pesquisa em comunicação.

José Marques de Melo, decano dos contaminados, elogiou o evento e anunciou a próxima sede do Intercom Regional: Boa Vista, Roraima. Chegou a hora do Hemisfério Norte mostrar seu valor.

sexta-feira, 22 de junho de 2007

Mídia e Amazônia

Belém - O Pará tem um jornal impresso "de primeiro mundo" - as aspas não estão aí para negar a assertiva, mas para reforçar o lugar-comum. Com 61 anos, O Liberal segue a tendência ideológica que o nome não deixa negar. Com uma impressão sem defeitos (e edições que não mancham os dedos), O Liberal se dá ao luxo de publicar todas as suas páginas em cores, todos os dias. Coisa que nem os maiores jornais brasileiros fazem. O jornalpertence ao grupo Rômulo Mayorana - com emissoras de rádio, TV por assinatura e outros produtos de comunicação -, conhecido pela intolerância com o ativista Lúcio Flávio Pinto, que é um dos jornalistas mais processados do mundo. Pinto, por sua vez, publica o Jornal Pessoal, totalmende dedicado a denunciar os poderosos da região. É claro que o Jornal Pessoal não tem como encarar a concorrência.


Chico, Orwell, Second Life e Roraima

Belém - Muitos trabalhos interessantes nos GTs de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Cinema e Vídeo e Comunicação Aplicada, no último dia de congresso. Havia trabalhos sobre cirança e mídia, Second Life, Orkut, turismo GLS e ambiente.

Merecem destaque "Cálice: A música de Chico Buarque e as relações de poder" (Annete Marhy e Jaqueline Ferreira - UFPA); "Esfera Pública e os media" (Milena Albuquerque - IESAM); "Transtornos da mente em rede: comunidades virtuais sobre conflitos subjetivos (Ruan Sasaki Brito -UFPA); "1984: arquétipos e exercício de poder" (Allan Maués - UFPA); "Second LIfe: entretenimento, informação e negócios no universo virtual do jogo eletrônico" (Timóteo Lopes - UFPA) e "Divulgação de pesquisa científica na internet: um estudo exploratório nos sítios da Embrapa e da UFRR" (Aliny Melo - UFRR).

Chico, Orwell, Second Life e Roraima

Belém - Muitos trabalhos interessantes nos GTs de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Cinema e Vídeo e Comunicação Aplicada, no último dia de congresso. Havia trabalhos sobre cirança e mídia, Second Life, Orkut, turismo GLS e ambiente.

Merecem destaque "Cálice: A música de Chico Buarque e as relações de poder" (Annete Marhy e Jaqueline Ferreira - UFPA); "Esfera Pública e os media" (Milena Albuquerque - IESAM); "Transtornos da mente em rede: comunidades virtuais sobre conflitos subjetivos (Ruan Sasaki Brito -UFPA); "1984: arquétipos e exercício de poder" (Allan Maués - UFPA); "Second LIfe: entretenimento, informação e negócios no universo virtual do jogo eletrônico" (Timóteo Lopes - UFPA) e "Divulgação de pesquisa científica na internet: um estudo exploratório nos sítios da Embrapa e da UFRR" (Aliny Melo - UFRR).

Agora, depois

Belém - E. Almeida apresentou, em fast forward, o GT "Comunicação e pesquisa na sociedade digital: a produção científica em jornalismo na UFRR". A pesquisa revela, apesar de honrosas exceções, que há muito a ser melhorado nos trabalhos de conclusão de curso de jornalismo da UFRR. Há monografias inadequadas, video-reportagens irrelevantes, house-organs mal-feitos e um inexplicável excesso de trabalhos sobre jornalismo impresso com uma única fonte.

A titulação do corpo docente explica parte do problema, mas não é só isso: falta ousadia ao estudante roraimense de jornalismo. Há muito mais a se descobrir, pesquisar e publicar do que a série de lugares-comuns encontrados entre os mais de 190 TCCs de Jornalismo. Ao invés de fazer o bom e velho estudo de caso sobre os assuntos A ou B nas páginas do jornal X, precisamos de documentários sólidos, programas de rádio alternativos, publicações independentes, blogs coletivos e, urgentemente, crítica de mídia. É preciso emergir do lago de mesmices. Ou isso, ou não veremos tão cedo trabalhos de Roraima na Expocom nacional.

Acabou

Belém - O Intercom Norte encerrou ontem com palestra de Gabriel Priolli sobre TV digital e TV pública. No final da noite, foram anunciados os trabalhos que concorrerão ao prêmio Expocom nacional, em Santos (SP), em agosto. Pará e Amazonas vão, em peso.

A incansável Maria Ataíde Malcher, coordenadora do congresso, declarou sob emoção que os trabalhos estavam encerrados. Meses de preparação e semanas de trabalho ininterrupto renderam um evento bem-feito, com pouquíssimas falhas e muita dedicação da equipe de 40 estudantes voluntários. Gente que, no futuro, estará cuidando das universidades porque já foram contaminados pelo vírus da pesquisa em comunicação.

José Marques de Melo, decano dos contaminados, elogiou o evento e anunciou a próxima sede do Intercom Regional: Boa Vista, Roraima. Chegou a hora do Hemisfério Norte mostrar seu valor.

quinta-feira, 21 de junho de 2007

Mídia e poder

Belém - Na mesa sobre Comunicação e práticas sociais não-hegemônicas, o radialista Antônio Carlos, da Associação Brasileira de Rádios Comunitárias, alerta para o lobo em pele de cordeiro que são as "rádios proprietárias", embustes políticos outorgados pela União que nada têm de popular a não ser a busca pelo voto. Ainda bem que no resto da Amazônia não é assim...

Importantíssimo o trabalho desenvolvido pela Cepepo, ONG coordenada pela jornalista Ilma Bittencourt, que leva oficinas audiovisuais a adolescentes em situação de risco na periferia de Belém. A sede da Cepepo fica no Guamá, bairro paupérrimo que concentra altos índices de criminalidade. Hoje há sete jovens cursando jornalismo graças ao empenho da ONG. Dez estudam no nível médio e querem seguir carreira na produção audiovisual. Dois preferem engenharia. Cinco ainda estão em situação de risco. Quer ajudar? Clique aqui.

É no Guamá, a propósito, que está localizado o principal campus da Universidade Federal do Pará. Infelizmente, numa inexplicável contramão-histórica, a região do entorno da universidade não experimenta crescimento em índices básicos de saneamento, educação e infraestrutura. Como explicar isso? O ensino superior precisa contaminar com conhecimento e cidadania tudo o que está ao seu redor. Ou isso ou não há razão de ser.

Busca vida

Belém - Café da manhã às margens do rio Guamá. Gaivotas passam, perdidas no estuário. Barcos vêm e vão. Nilson Chaves canta no sistema de som do hotel.

Oralidade e virtualidade

Belém - Os primeiros painéis do dia são conduzidos pela professora doutora Maria Ataíde Malcher, que recebeu o jornalista e combatente Lúcio Flávio Pinto, o reitor Alex Fiúza de Mello (UFPA), Luiza Azevedo (UFAM) e o decano da Intercom José Marques de Melo, retido em algum aeroporto nestes dias de operação padrão dos controladores de vôo.

Dos convidados, Lúcio Flávio é reverenciado pela estudantada. Sociólogo de formação e professor de jornalismo na UFPA por sete anos, Lúcio Flávio conseguiu arrebanhar uma legião de inconformados com o coronelismo político e midiático, mas até hoje continua editando o único jornal independente destas plagas.

Já Alex Fiúza, em que pese as boas assertivas sobre Manuel Castells e as analogias entre as estradas amazônicas e as supervias de dados, não conseguiu a empatia dos estudantes. A reitoria foi ocupada recentemente por, entre outras reivindicações, direito a fazer bailes de forró na cidade universitária. Como diz Gaudêncio Torquato, essa onda de protestos nas universidades está entrando no perigoso terreno da galhofa. O président Sarcozy não hesitaria em considerar a turma como típica racaille. Que saudade da turma da AAARG no Fórum Social Mundial...

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Desciclopédia

Belém - Se já não é possível confiar plenamente nem na Wikipédia, que dizer de sítios como esse?

No final do século 19 Belém experimenta um enriquecimento meteórico com o Ciclo da Borracha. (...) . Produções teatrais e cinematográficas européias, como Emmanuelle e Sylvia Saint, aportavam primeiro em Belém, onde eram encenadas/exibidas no Theatro da Paz ou no Cinema Olympia (o mais velho do Brasil ainda em atividade), para só depois seguirem para o Sul. Por aqui também o renomado DJ Carlos Gomes viveu seus últimos anos.

Tá aqui.

A tocha

Belém - A cidade está em festa com várias convenções acontecendo, hotéis lotados e a passagem da tocha que simboliza os jogos panamericanos. Caminhões-link de todas as emissoras preparam-se para transmitir o evento. A Praça da República fervilha de curiosos, camelôs e vendedores de tacacá e maniçoba. Enquanto isso, do outro lado da praça, no interior do quase centenário Cinema Olympia, alunos e professores da Universidade Federal do Pará organizam o Intercom regional, que começa com mostras documentais. Hoje à tarde começa a Expocom no Teatro Maria Silvia Nunes, na Estação das Docas.

terça-feira, 19 de junho de 2007

Grão-Pará

Manaus - Nos próximo dias este blog será atualizado de Belém, capital do estado do Pará, onde integro a comissão avaliadora da Expocom, concurso que revela projetos experimentais (jornal impresso, programa de rádio, video-documentário, blog, etc) em Comunicação Social de toda a Amazônia Legal (Roraima, Acre, Rondônia, Amazonas, Amapá, Pará, Tocantins e Maranhão), maior região do País em área, mas a pior em índices de educação. Por aqui o profissionalismo ainda engatinha, tentando vencer obstáculos como as concessões políticas de emissoras de rádio e de TV e a pouca valorização dos profissionais com nível superior.

Ser jornalista, publicitário ou relações públicas aqui no norte não é fácil. Além de lutar contra a falta de oportunidades de ensino, depois de formados os comunicólogos precisam disputar o mercado com gente inabilitada, mas apadrinhada por quem não tem interesse no seu aprimoramento profissional. A maioria do mercado ainda é composta por gente sem formação específica. A publicidade é tosca, os RPs desprezados e o jornalismo, coitado, é assassinado diariamente por pessoas sem conhecimentos básicos da língua que julgam dominar.

Nesse cenário, é importantíssimo que eventos como a Expocom - realizada pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação - subsistam. Trata-se de uma forma de mostrar que os estudantes da área não apenas dominam a produção formal da comunicação, como podem oferecer produtos diferenciados - coisa que os rábulas julgam fazer.

A Expocom serve para aumentar o conhecido fosso que separa qualidade de mimetismo e educar os proprietários de meios de comunicação. Afinal, investir em qualidade e em gente habilitada pela universidade sempre vale a pena. Pergunte à Irlanda, à Índia, à Coréia...

sexta-feira, 15 de junho de 2007

Spurs campeão

Boa Vista - Lutar contra Duncan, Parker, Horry, Ginobilli e Bowen? Só na próxima temporada. Tony Parker, pra variar, fazia cestas em pleno desequilíbrio gravitacional e mereceu o título de melhor das finais. Lebron James vacilou muito, mas ainda é grande e jovem. Robert Horry agora é heptacampeão da NBA. Só gente do Boston Celtics havia chegado a esse número. Pena que a série durou só quatro jogos.

Spurs campeão

Boa Vista - Lutar contra Duncan, Parker, Horry, Ginobilli e Bowen? Só na próxima temporada. Tony Parker, pra variar, fazia cestas em pleno desequilíbrio gravitacional e mereceu o título de melhor das finais. Lebron James vacilou muito, mas ainda é grande e jovem. Robert Horry agora é heptacampeão da NBA. Só gente do Boston Celtics havia chegado a esse número. Pena que a série durou só quatro jogos.

terça-feira, 5 de junho de 2007

Ludopédio

Caroebe - Francisco espera o momento de se reunir com o Caroebe Futebol Clube, time da cidade que vem treinando nos últimos meses. O encontro é marcado na praça central, perto dos mini-ônibus que chegam e saem em direção a São João da Baliza, Boa Vista e estradas vicinais do interior do município. Francisco chega duas horas adiantado, divide um banco com dois amigos e conversa sobre amenidades.

Desde que começou a treinar o clube, a maioria dos resultados têm sido positivos. As últimas vitórias sobre os times de Entre Rios e das vicinais têm gerado confiança na equipe, que agora se prepara para o Campeonato Intermunicipal. O objetivo, claro, é a vitória. O técnico diz que estão treinando com regularidade e têm confiança no esquema tático.

Francisco Farias tem 50 anos, nasceu no Maranhão e vive na região sul de Roraima há 30 anos, desde antes da criação dos municípios de São Luiz do Anauá e São João da Baliza. Antes caçava onça, vendia o couro, mas logo parou por causa das leis ambientais. É atravessador de profissão, mas ultimamente tem se dedicado ao futebol mais que a qualquer outra atividade.

“Esporte é uma coisa que eu amo. Estou tentando fazer o esporte aqui em Caroebe ser uma coisa mais valorizada”, diz o técnico, de olho no campeonato de 2007, que começou na segunda semana de abril e vai até julho. Tem 12 equipes inscritas, das quais cinco são da cidade. Os demais vêm de Entre Rios (duas equipes) e das vicinais 10, 07, 04 e 34.

A produção de bananas, principal fonte de renda de Francisco, está em baixa. Os produtores reduziram a área plantada artificialmente, para forçar a alta do produto no mercado amazonense. Enquanto isso, Francisco aproveita para manter o time – formado por agricultores, atravessadores, comerciários e estudantes – treinando e em forma. Os jogadores têm entre 20 e 25 anos, exceto Baião, o “Romário” do time, que já passou dos 30.

O técnico quer repetir o resultado do Campeonato Municipal do ano passado, quando o Caroebe F. C. foi campeão. Os atacantes Fredsson e Aliabo, o lateral-esquerdo Baião e o meia-direita Chulipa foram as sensações do último campeonato. “Estamos nos preparando para ingressar na Federação, formar um time organizado, completo. Já temos CNPJ. Ainda vamos mostrar nosso talento em todo o Estado”.

Ludopédio

Caroebe - Francisco espera o momento de se reunir com o Caroebe Futebol Clube, time da cidade que vem treinando nos últimos meses. O encontro é marcado na praça central, perto dos mini-ônibus que chegam e saem em direção a São João da Baliza, Boa Vista e estradas vicinais do interior do município. Francisco chega duas horas adiantado, divide um banco com dois amigos e conversa sobre amenidades.

Desde que começou a treinar o clube, a maioria dos resultados têm sido positivos. As últimas vitórias sobre os times de Entre Rios e das vicinais têm gerado confiança na equipe, que agora se prepara para o Campeonato Intermunicipal. O objetivo, claro, é a vitória. O técnico diz que estão treinando com regularidade e têm confiança no esquema tático.

Francisco Farias tem 50 anos, nasceu no Maranhão e vive na região sul de Roraima há 30 anos, desde antes da criação dos municípios de São Luiz do Anauá e São João da Baliza. Antes caçava onça, vendia o couro, mas logo parou por causa das leis ambientais. É atravessador de profissão, mas ultimamente tem se dedicado ao futebol mais que a qualquer outra atividade.

“Esporte é uma coisa que eu amo. Estou tentando fazer o esporte aqui em Caroebe ser uma coisa mais valorizada”, diz o técnico, de olho no campeonato de 2007, que começou na segunda semana de abril e vai até julho. Tem 12 equipes inscritas, das quais cinco são da cidade. Os demais vêm de Entre Rios (duas equipes) e das vicinais 10, 07, 04 e 34.

A produção de bananas, principal fonte de renda de Francisco, está em baixa. Os produtores reduziram a área plantada artificialmente, para forçar a alta do produto no mercado amazonense. Enquanto isso, Francisco aproveita para manter o time – formado por agricultores, atravessadores, comerciários e estudantes – treinando e em forma. Os jogadores têm entre 20 e 25 anos, exceto Baião, o “Romário” do time, que já passou dos 30.

O técnico quer repetir o resultado do Campeonato Municipal do ano passado, quando o Caroebe F. C. foi campeão. Os atacantes Fredsson e Aliabo, o lateral-esquerdo Baião e o meia-direita Chulipa foram as sensações do último campeonato. “Estamos nos preparando para ingressar na Federação, formar um time organizado, completo. Já temos CNPJ. Ainda vamos mostrar nosso talento em todo o Estado”.

segunda-feira, 4 de junho de 2007

Bola ao cesto

Boa Vista - Alguém aí viu os 48 pontos de Lebron James no penúltimo jogo com o Detroit? É. Nem eu. Com essa estória de rodízio de conferências, a ESPN transmitiu apenas os playoffs do Oeste (Spurs x Suns) na temporada 2006/2007. E nada vimos da série Cavs x Pistons, que teve momentos incríveis como no já citado penúltimo jogo, quando Lebron fez os últimos 25 pontos do Cleveland Cavaliers, incluindo duas prorrogações. Que esteja assim nas finais que começam na quinta-feira. O San Antonio é um time de campeões e é favorito por causa do prognóstico. Mas vai dar Lebron e Varejão, podes crer.

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Chávez

Boa Vista - Chávez erra ao fechar a RCTV e ameaçar a Globovisión. Não à toa a direita do continente considera o presidente da Venezuela insuportável. Acham-no defeito da democracia, etcetera. Como George Bush, que foi eleito no tapetão.

Esses "defeitos" da democracia, entretanto, têm currículos diferentes. Chávez melhorou a saúde e reduziu o preço da cesta básica à custa da estatização e do totalitarismo midiático, medidas reversíveis. Bush nos legou guerra, terrorismo, democracia de falácia, crimes contra a humanidade e caos ambiental. Todos dificilmente recuperáveis.

terça-feira, 29 de maio de 2007

RCTV se fué


Boa Vista - É brega. Parece que a vida é em Technicolor. Maquilagem pesada, iluminação impecável.

Nada mais cafona que seus jingles, mas tinha seu valor emocional quando todos se sentavam em casa nas noites de Natal, ouvindo com canções alegres e comendo hallacas, assistindo a beloas imagens de picos nevados, praias e llanos, a biodiversidade do país.

Ao cancelar a concessão da RCTV, o governo Hugo Chávez torna visível sua trilha rumo ao totalitarismo. Aprender com as críticas sempre foi sinal de sabedoria.

segunda-feira, 28 de maio de 2007

O fim da RCTV


É brega. Parece que tudo é em Technicolor. Maquiagem carregada, luz impecável. Seus jingles, idem, mas ela fazia todos se sentirem em casa nas noites de Natal, com canções alegres, allacas, picos nevados, praias e llanos, mostrando a diversidade do país. Ao cancelar a concessão da RCTV, o governo Hugo Chávez torna visível sua trilha rumo ao totalitarismo. Aprender com as críticas sempre foi sinal de sabedoria.

sábado, 19 de maio de 2007

Bola ao cesto

Boa Vista -
O ataque mais fulminante da liga está fora.

Com a eliminação do Phoenix Suns, ficam menos belos os playoffs da NBA.

O San Antonio mereceu, graças ao nervosismo dos caras do Arizona. Leandrinho e Steve Nash jogaram muito pouco.

Graaaande Stoudemire, você é 10, man.

quarta-feira, 2 de maio de 2007

Leio The Dark side of the Moon, de John Harris



Boa Vista - Não há grandes novidades além de algumas fotos inéditas neste trabalho do jornalista inglês John Harris. O que pretendia ser um livro sobre a gravação de um dos mais incríveis discos da história da música termina como um registro superficial das atividades da banda, desde o começo dos anos 60 em Cambridge até a histórica apresentação no Live Aid de 2005. Nada que a imprensa musical e outros livros já não tenham publicado, como Saucerful of secrets: The Pink Floyd Odissey, de Nicholas Schaffner (2003) ou Inside Out, do baterista Nick Mason (2004).

Mas há espaço para descobertas interessantes sobre o processo de gravação e comentários sobre a estranha sincronicidade entre o The Dark side of the moon e O Mágico de Oz. Infelizmente, Harris deixa claro sua antipatia por Roger Waters e usa algumas das entrevistas para isso, como a concedida por Peter Jenner, que foi empresário da banda nos primórdios.

“O pior eram as calças vermelhas com penduricalhos dourados que ele colocava ao lado do traseiro – o tipo de coisa que se coloca em cortinas. E ainda punha o isqueiro numa espécie de coldre, pendurado no cinto. Era terrivelmente brega. Mas se achava maravilhoso”, diz Jenner.



Bom, o autor é jornalista e inglês, né?

quarta-feira, 18 de abril de 2007

Leio “Bestas, homens e deuses”, de Ferdinand Ossendowski

Boa Vista - A louca história do polonês que, perseguido pelos bolcheviques através da Sibéria, termina participando de guerras na Mongólia e no Tibete, em uma longa jornada de volta a Europa. No caminho, depara-se com garimpeiros assassinos, militares cruéis, monges guerreiros e com o enigma do Rei do Mundo. Morador de um reino subterrâneo vastíssimo, a Agartha, o Rei do Mundo é um ser atemporal cuja fala pode parar o vento, calar os animais e paralisar o crescimento das plantas. Sinistro.

quinta-feira, 12 de abril de 2007

O papa

Boa Vista - O papa Bento XVI contribui com a ignorância mundial via publicação onde espinafra a ciência, como se esta precisasse de mais inimigos do que já tem. Depois de Galilei, a Igreja ataca Charles Darwin, um dos mais importantes homens da História, que ajudou na compreensão da vida e de como os organismos se adaptam ao ambiente. Idéias fundamentais para compreender hoje o que ocorre com o clima do planeta e prever a vida de nossos descendentes no futuro calcinante que o efeito estufa nos reserva.

Ratzinger diz que a Teoria da Evolução não pode ser comprovada cientificamente, método utilizado, como se sabe, para comprovar a existência de Deus.

Como Descartes, o papa tenta usar a ciência para justificar o divino e desqualificar o homo sapiens. Nada mais apropriado em tempos de humanismo em baixa.

domingo, 8 de abril de 2007

A ausência

Boa Vista - O número 5 de Minguante traz textos inspirados de autores de Portugal, Brasil, Espanha, México e Chile. O tema da ausência permitiu enredos competentes. Carlos Seabra vem de humor negro, Luís Ene envereda pela videoarte, Alberto Monteiro desafia a temática e Maria Pragana prega sustos.

Três amigos comparecem neste número. O já citado Luís Ene, o ausente homenageado aqui e o talentoso Ricardo Divino, meu prezado das Geraes.

Impressiona a quantidade de textos sem título, nesta edição. Ou não?

quarta-feira, 14 de março de 2007

Jornalista: profissão ameaçada

Boa Vista -

A lei que regulamenta a profissão dos jornalistas no Brasil é constitucional e é esse o posicionamento que a FENAJ espera do Supremo Tribunal Federal (STF), que ainda vai decidir sobre a validade da exigência do diploma de curso superior para o exercício do Jornalismo. A FENAJ e os Sindicatos de Jornalistas de todo o país estão confiantes de que a regulamentação da profissão será reconhecida pelos ministros do STF no julgamento do mérito da questão.

No dia 6 de março, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) baixou a Portaria 22/2007, restabelecendo os registros de precários. Tal medida já era prevista e esperada, em função da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em novembro do ano passado, que acatou uma medida cautelar proposta pela Procuradoria Geral da República.

No julgamento de questões de mérito, a única decisão desfavorável aos jornslistas profissionais foi a proferida pela juíza Karla Rister, em 2001. E tal decisão deverá ser reformada no julgamento do recurso extraordinário que se encontra no STF, como o foi na decisão unânime da 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em 2005.

Os ataques sistemáticos contra a regulamentação da profissão, a formação específica em Jornalismo e o diploma só interessam àqueles que querem arrochar a categoria, pouco se importando com a qualidade da informação. O argumento de que a exigência da formação superior para o exercício profissional do Jornalismo cerceia a liberdade de expressão e o direito da sociedade à informação é frágil, inconsistente. É uma muleta para aqueles que querem, deliberadamente, distorcer a realidade.

Consistente, sim, foi a conclusão do TRF da 3a Região: “a exigência de formação em curso superior confere maior controle de qualidade na divulgação das notícias e das opiniões públicas não ferindo direito de liberdade de expressão e de profissão”.

É com o objetivo de vê-la reafirmada que, na semana passada, a coordenação do movimento em defesa do diploma lançou seu calendário de lutas para o próximo período. Os mais de 60 mil jornalistas brasileiros não podem ficar apenas aguardando uma manifestação definitiva da Justiça. A FENAJ e os 31 Sindicatos de Jornalistas conclamam a categoria a ampliar o vigor desta luta e denunciar à sociedade os interesses escusos dos grandes grupos de comunicação, principais interessados na desregulamentação da profissão e no fim do requisito do diploma para o exercício do Jornalismo.

Publicado no sítio da Fenaj


segunda-feira, 5 de março de 2007

Banda estreita

Boa Vista -
Se tivesse nascido 700 anos depois, Dante Alighieri teria criado na sua Divina Comédia um décimo círculo para o Inferno: o da conexão discada.

quinta-feira, 1 de março de 2007

Casa nova

Boa Vista - Mais de mil posts depois, deixamos este endereço para inaugurar domínio próprio. Para acessar e-pístolas 2.0, clique aqui.

terça-feira, 30 de janeiro de 2007

Busca Vida

Boa Vista - Quem chega do sul do Brasil pode se surpreender com este lugar. A cidade é plana, de ruas largas e limpas. De dia é bonita, verde e quente. À noite, a iluminação reproduz o dia. Tem praças e áreas verdes exageradamente. O trânsito ainda não causa problemas e as ruas são bem sinalizadas. Se um pedestre pisa a faixa, os carros param e esperam que ele atravesse.

As escolas preferidas ainda são as públicas, construídas com arquitetura que favorece a iluminação e a circulação dos ventos alíseos, que arrefecem o calor. A cidade tem universidade indígena e culinária idem. Tem franquias de fast food, mas continua com o mesmo único cinema.

Boa Vista é um balneário permanente, com a vantagem de não precisar de chuveiro para tirar o sal. Muitas praias. Boa Vista (250 mil habitantes) tem casas com quintais e pode-se cruzar a cidade em 15 minutos ou sair do país de carro e voltar no mesmo dia.

PS: A internet, claro, é discada.

Busca Vida

Boa Vista - Quem chega do Sudeste do Brasil pode se surpreender com este lugar. A cidade é plana, de ruas largas e limpas. De dia é bonita, verde e quente. À noite, a iluminação reproduz o dia. Tem praças e áreas verdes exageradamente. O trânsito é mínimo, as ruas bem sinalizadas. Se um pedestre pisa a faixa, todos os carros param e esperam que ele alcance a calçada. A cidade tem universidade indígena e culinária idem. Tem franquias de fast food, mas continua com o mesmo único cinema. Boa Vista é um balneário permanente, com rios limpos e muitas praias. Em seis anos este blog foi atualizado de diversas cidades pelo Brasil. Cada uma ensinou um tanto sobre a humanidade e sobre a urbe. Ao escolher Boa Vista (250 mil habitantes) para viver, optamos por qualidade de vida, churrascos e filmes. PS: A internet, claro, é discada

PS: A internet, claro, é discada

quarta-feira, 10 de janeiro de 2007

In the jungle


Manaus - Vivo um
inesperado caso
de amor com
esta cidade, como se
a antipatia do passado
fosse lavada com
a chuva fina.
Estamos ficando.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2007

A solução (?)

Porto Velho - Duas hidrelétricas que fornecerão energia para o Acre e para o Centro-Oeste são tidas como a solução para os problemas sócio-econômicos de Rondônia. Como se décadas de políticas públicas equivocadas pudessem ser esquecidas ou consertadas com o desaparecimento da Cachoeira do Teotônio e a promessa de sanear parte da capital. E viva as parcerias público-privadas!

Satanistas são clientes insatisfeitos.