segunda-feira, 9 de junho de 2014

Brasília, Boa Vista, Manaus e São Luís - A política é uma arena onde ingressamos com nosso modelo de mundo ideal e a mais nobre das armas para conquistá-lo: a palavra.

Com ela expressamos a visão de mundo mais ética, correta e democrática que existe: a nossa. Nesta arena, descobrimos muitas outras visões éticas, corretas e democráticas, embora bem diferentes da nossa. E somos obrigados a avaliar pela lente do eu o que vem do outro.

Aos poucos, o processo de negociação sugere, altera e finalmente dilui nossas propostas até que fechamos um acordo repleto de cláusulas (causas?) que jamais pensaríamos defender. Ao recuarmos de nossas posições originais e nos rendermos à maioria em torno de uma pretensa unidade, verificamos o quanto os avanços sociais são freados por esse processo sobremaneira lento.

Um processo que exigirá muitos reparos ao longo dos anos. Reparos que serão propostos por especialistas que se fossem ouvidos no princípio, tornariam a arena desnecessária. Não que a arena seja sempre dispensável, o todo da população precisa ser ouvido em questões essenciais que digam respeito à vida digna, o direito ao trabalho, saúde e educação. Mas talvez a definição de política como a "Arte do possível" seja imprecisa. Ou limitada a poucos afortunados.

Dia da Europa. Uma embarcação com 400 pessoas, refugiados sírios, tenta chegar à costa italiana. A gravação com vozes desesperadas, via rá...