quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Leio Como vivem os mortos, de Will Self

Boa Vista - Estória de uma sexagenária desbocada morta pelo cigarro, vagando por Londres, acompanhada de um litopédio, um aborígene excêntrico e ectoplasmas de gordura de pouca capacidade cognitiva. Lilly Bloom não é exatamente uma vovozinha querida. A lascívia e a acidez crítica tornam-lhe adorável anti-heroína pela qual torcemos neste e no outro mundo.


No caos post morten criado pelo britânico em seu quarto romance, a tabagista Bloom desobedece às regras do limbo onde vive (hahaha) para atuar com voyeur na vida das próprias filhas, uma drogada perdida e uma capitalista

O livro é um espetacular desfile de reflexões acerca da política mundial, drogas, taxistas cipriotas de costas peludas, terrorismo, judeus, moda, negros, britânicos empedernidos e norte-americanos consumistas. Às vezes fica difícil acreditar que é Lilly Bloom e não o próprio autor quem narra tantas digressões a respeito da sociedade inglesa contemporânea.

Vale a pena ler, mesmo que seus conhecimentos gerais não sejam suficientes. Will Self não está nem um pouco preocupado em que não lhe compreeendam a prosa. Escreve da forma que acha melhor, sem facilidades ou coloquialismos, com vasta erudição e verve crítica. Observar as coisas de forma tão venenosa é de causar inveja.

Pop will eat Will Self? Veremos.

Livro: Como Vivem os Mortos
Autor: Will Self
Número de páginas: 368
Editora: Objetiva
Preço: R$ 47,90

Satanistas são clientes insatisfeitos.