sábado, 19 de dezembro de 2009

The End

Brasília - Depois de insistir muito com a organização, consegui o bilhete para voltar a Roraima. Enquanto isso, aqueles baianos do interior aguardam novidades...

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

No One Here Gets Out Alive

Brasília - Até o momento (são quase 19 horas de quinta-feira), várias delegações não sabem como voltar para seus estados de origem. Uma delegação do interior da Bahia acaba de perder o voo que lhes levaria até Salvador. De qualquer forma, não havia passagens terrestres para que eles fossem ao interior.

Da delegação de Roraima, conseguiram voltar hoje para Boa Vista apenas quatro delegados. O restante espera sair daqui amanhã. Veremos.

When the music's over

Brasília - O último dia de trabalho da Conferência Nacional de Comunicação revelou-se simbólico. Os movimentos sociais se instalaram à esquerda do imenso auditório, enquanto os representantes das empresas sentavam-se do lado direito.
Aqui, saias indianas, barbas, cabeludos, tatuados, sindicalistas. Ali, senhoras de cabelo escovado, carecas em camisas azuis portando crachás azuis e ganhando lautas diárias, além de uma maioria de funcionários obrigados a votar de acordo com o lobby.

Em cada votação de interesse das empresas, o lado direito do auditório agia em uníssono. Verdadeira colônia. Ali, a unanimidade não é burra. Enquanto isso, os movimnentos sociais se dividiam e perdiam votações importantes, como a do Conselho Nacional de Comunicação.

No final, o saldo é positivo porque conseguimos colocar em pauta diversas demandas da sociedade.Tantas, que é difícil elencá-las aqui.

Chegando na Rodoviária viu as luzes de natal

Brasília - A bela iluminação de natal de Brasília, com árvores milionárias, cascatas de luzes e painéis gigantescos lembram que esta época de congraçamento e etceteras é muito propícia para a benevolência com políticos corruptos.

Eu fico aqui, você vai no meu lugar

Brasília - ... e o governador de Roraima não foi cassado pelo TSE. José de Anchieta foi ameaçado de cassação por uso da máquina pública, caracterizando abuso de poder político.


Ottomar Pinto e seu vice José de Anchieta sortearam eletrodomésticos, deram tratores, títulos de terra, vale-alimentação, contrataram 4 mil cargos comissionados, 3 mil estagiários e isso fez a a Procuradoria Geral Eleitoral entender que Anchieta conseguiu seu mandato "graças a supostas condutas ilícitas e ilegais praticadas na campanha".  Hummm.

E tudo isso três meses antes da eleição. Nunca o axiona "A justiça é cega" pôde ser tão bem aplicado.

Agora é gov. aqui do DF (José Arruda) que espera o mesmo presente de natal.

Pergunta: Quanto vale um ministro do TSE?

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Pra lamentares

Brasília - Porrada (virtual) na conferência de comunicação. O bate-boca de centenas de cidadãos de diferentes ideologias dá nisso. O Centro de Convenções treme neste momento. O que os GTs não conseguiram acordar veio à plenária e a confusão é grande.

Enquanto isso, mais um governador de Roraima corre o risco de ser cassado. Acho bom. Quanto mais cassações, mais esperto o eleitor. Almoço no Lago Sul e encontro dois parlamentares roraimenses que, infelizmente, não nos representam bem. Pena.

Apesar de inevitável, por conta da tal democracia, ainda acho que médicos e radialistas deveriam ser impedidos de se candidatar. Para os rádio-parlamentares, é fácil convencer o eleitor incauto de que suas palavras no rádio não são apenas teatro e auto-promoção. E é muito cômodo para médicos do setor público usar essa condição para CHANTAGEAR o eleitor a votar em quem "cuidou de sua saúde".

NENHUM parlamentar eleito por RR compareceu à Confecom. Sabem que correm o risco de perder a concesão de suas "rádios comunitárias".

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Hello, I love you


Brasília - Sorry, Barack Obama, mas Lula é certamente a personalidade mais interesante do cenário internacional. A oratória e o domínio que tem sobre a platéia parece crescer a cada discurso, asim como os índices de popularidade que ostenta, maiores do que os do próprio governo.

O Ministro das Comunicaçãoes, Hélio Costa, que o diga. Falou antes de Lula e foi vaiado pela platéia, que o acusava de ligações intestinas com a Rede Globo - qual é a novidade?. Já durante a fala do presidente, a platéia interrompia seu discurso para dizer coisas como "O Brasil te ama, Lulinha".

Por isso é que bater em  Lula não dá certo. Se desse, gente como Diogo Mainardi mereceria algum respeito e venderia mais livros (?). O problema dos opositores de Lula é que sua resistência ao ex-sindicalista resvala no preconceito. Já vi acadêmicos e gente sem escola reclamar de sua baixa escolaridade, mas nada que se diga o torna menos popular e admirado.

Wild Child



Brasília - Johnny Saad, dono do grupo Bandeirantes, foi o único empresário de teledifusão presente na abertura do evento. A Band faz oposição velada ao governo e tem um pé no ruralismo, mas seu preposto veio à conferência e falou coisas interesantes - que terminaram atingindo Hélio Costa no flanco - como a imoralidade (o termo é meu) que é a participação de grupos da TV aberta comandando a distribuição de sinais fechados de TV. Aguém aí falou em Globocabo?!

A recente compra da rede aberta NBC pela Comcast, que distribui sinal fechado de televisão, é o que amedronta Saad. O medo da canibalização sempre existirá no meio empresarial, da mesma forma que os canibais.

Break on through

Brasília - Apesar da tentativa de parte do setor empresarial de boicotar a conferência, a movimentação de alguns (Rede TV! e Band, supreendentemente) deu certo e agora é inevitável. Afinal, nunca, na história deste país, se debateu a Comunicação neste nível.

Talvez o interese repentino das concessionárias de TV aberta se explique pela digitalização do sinal. Neste momento, lembrou Johnny Saad, a única fonte de renda das TVs abertas é a publicidade. A TV por asinatura consegue dinheiro pela venda do sinal e pela receita publicitária. Logo logo, com  o sinal aberto digital, essa disparidade cresceria. Principalmente se as Teles entram no mercado, o que é muito, muito provável.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

The ceremony is about to begin

Brasília - A grande batalha da Conferência Nacional de Comunicação não será contra a inabilidade do Governo Federal em regular o setor ou contra a irresponsabilidade social da mída. O problema chama-se Telebrasil, a gigante criada com partes da Alcatel Lucent, Oi, Vivo, Claro, Tim, Acel, Abeprest e Brasil Telecom.

Durante as conferências estaduais, a Tele-Frankenstein abocanhou a maioria das vagas em diversos estados. Companheira do Tocantins informa que lá a fatia das teles foi expressiva, apesar da mobilização do setor empresarial local. Em Roraima, a Telebrasil ainda ficou com 40 por cento das vagas do setor empresarial.

A Telebrasil está disposta, como Galactus, a devorar tudo o que encontra pela frente. Além de fornecer serviços de telefonia fixa, móvel, internet discada e em banda larga, o monstro quer abocanhar generosas fatias da televisão por assinatura e fornecer serviços para o setor público. Os diversos contratos da Telefonica com o Governo de São Paulo que o digam.

Isso é perigoso. Os governos (principalmente o Federal)  precisam ter sua própria plataforma de comunicações, para não depender do setor privado. Uma coisa é participar da mobilização mundial em favor do neo-liberalismo travestido de responsabilidade social. Outra é cometer este suicídio logístico e de segurança.

Precisamos fazer aqui, no Centro de Convenções Ullysses Guimarães, uma composição que envolva os três setotes (público, civil e empresarial) contra o monstro que se anuncia.

Is everybody in?

Brasília - Se Hemingway tivesse conhecido esta cidade, o título de "Paris é uma festa" teria sido diferente.

Nestes dias, Brasília é um centro de confraternização e um campo de batalha. Diversos encontros e conferências ocorrem por toda a cidade. O setor hoteleiro está lotado, o Sistema Único de Saúde faz programa de capacitação; manifestantes protestam contra politicos corruptos (o governador José Roberto Arruda é acusado de diversos crimes e o governador de Roraima, Anchieta Júnior, vai ser julgado aqui na quarta-feira pelo Tribunal Superior Eleitoral); manifestantes protestam contra a falta de chamada em concurso público. Manifestantes protestam contra a desorganização da Conferência Nacional de Comunicação...

Enquanto isso, diante da Infraero e das Lojas Americanas, um cartaz pregado num poste informa: "Esta cidade é de Jesus".

Nesse país lugar melhor não há



Manaus - Depois de doze horas de ônibus por uma BR-174 esburacada como a Lua, chegamos alquebrados a Manaus para aguardar, por mais três horas a saída do voo que levará a Brasília a equipe de delegados da I Conferência Nacional de Comunicação. A organização da Confecom simplesmente não reservou passagens para os delegados eleitos por Roraima.

A empresa responsável pela aquisição das passagens alega não ter comprado os bilhetes a tempo por causa de voos lotados. Porém descobrimos, aqui, que as passagens foram obtidas por preços promocionais. O que considerávamos ser apenas incompetência e falta de programação na verdade era um corte de custos para maior rendimento no contrato licitado com o Governo Federal. Com isso, uma agência de viagens ganha seu quinhão e um grupo de pessoas é sacrificado nas estradas amazônicas. Um mau começo, mas ainda dá tempo de protestar contra o Arruda.

Satanistas são clientes insatisfeitos.