quinta-feira, 31 de outubro de 2002

Ópio do povo
Há dois anos, uma mãe exigia às autoridades russas o retorno do filho, preso no interior do submarino Kursk, quando foi drogada por alguém da KGB. O episódio ocorreu diante das câmeras de televisão e deixou perplexa a comunidade internacional, mas a tripulação de 118 homens, sepultada viva no gelado mar de Barents, era preocupação maior. E a seringa que injetou um poderosíssimo calmante na mãe desesperada - ela perdeu a consciência em segundos - foi para o lixo da história.

Agora, o sequestro no teatro russo, termina com um saldo (parcial) de 150 mortos, entre sequestradores chechenos e reféns. Todos envenenados por um gás tóxico derivado do ópio. O método russo de controle social não mudou nada desde Soljenitzyn e seu Arquipélago Gulag.

segunda-feira, 28 de outubro de 2002

Deu Lula
Sem ufanismos e expectativas precipitadas – governar um país exige um delicado equilíbrio de forças políticas – penso estar vivendo um momento histórico. Afinal, nasci em pleno governo Médici, no auge do AI-5 e da repressão político-ideológica. Lembro da minha mãe votar na Arena “porque não se votava contra o governo”; lembro de cartazes nos postes com inscrições orwellianas: “Diga sim ao presidente Figueiredo”.

Desde o golpe militar em 1964, várias gerações de brasileiros sonham com um projeto nacional de desenvolvimento. E projetos nacionais ainda são importantes, mesmo em época de globalitarismo.

Luís Inácio Lula da Silva acaba de ser eleito presidente do Brasil, este país exótico, estereotipado como republiqueta de bananas. Um operário, misto de migrante pobre e fenômeno político, líder nato de um exército heterogêneo, chega, finalmente ao poder. Bem exótico, não, Mr. Bush?

Update: O Tupiniquim Brazilis reúne uma seleção de links da imprensa internacional sobre a eleição no Brasil.

sábado, 26 de outubro de 2002

Sem Título

Sem Legendas
1000 e uma pequenas estórias de proveito e exemplo
Revelo somente agora, por puro egoísmo, a existência deste blog português, que acompanho desde o primeiro post. Uma antologia de microenredos, com todas as qualidades de um negro humor.

quarta-feira, 23 de outubro de 2002

Dinheiro
Os Estados Unidos acabam de aprovar o maior orçamento militar da história da humanidade. O país vai investir nada menos que 355 bilhões de dólares na guerra contra o terrorismo em escala global. Uma quantidade de dinheiro inacreditável, que gente simples como eu não consegue conceber.

Pense no orçamento previsto para a Educação em Angola em 2002 (300 milhões de dólares). Seria dinheiro suficiente para investir na educação angolana até o ano 3166.

Nos últimos 30 anos, a organização não-governamental Africare conseguiu arrecadar e investir 350 milhões de dólares em 35 países africanos. Uma média de 10 milhões por país. Logo, o orçamento para a guerra significaria um investimento social anual de 10 milhões de dólares por um milênioem 35 países pobres.

O Brasil sustentaria todas as suas despesas orçamentárias por 30 anos com esse dinheiro.

Dividindo pelos seis bilhões de habitantes da Terra, cada ser humano receberia 60 dólares (ou R$ 223,80 no câmbio de hoje, bem mais que o salário mínimo).

Se todo esse capital, construído com sangue e suor africano, mexicano, indígena, sul-americano e europeu fosse bem investido, não assistiríamos à barbárie da fome em segundo plano em favor da barbárie da guerra.
Demonizando
O National Review , traz palavras toscas, mal escritas e ainda assim perigosas sobre Lula: ele seria apaixonado por armas nucleares, só porque criticou o tratado de não-proliferação que garante a alguns países - como os que hospedam este blog - um inexplicável regime de exceção.
Fora da Estante
Pemongon Patá - Paulo Santilli

terça-feira, 22 de outubro de 2002

Bananas
Mais um país latino-americano na encruzilhada entre a independência e a direitização. No Equador, o militar aposentado Lucio Gutierrez - que liderou a revolta indígena em 2000 - disputa o segundo turno com o mega-exportador de bananas Álvaro Noboa.

No placar latino-americano, persistem os governos neo-liberais de Jorge Battle, no Uruguai, Gonzalez Macchi, no Paraguai e os famigerados recém-eleitos presidentes da Colômbia, Alvaro Uribe e Sánchez de Lozada, da Bolívia.

Qual é mesmo o tal Eixo do Mal?

domingo, 20 de outubro de 2002

Um manual de sobrevivência gratuito
O que o dinheiro significa para o índio? Como sobreviver numa pindaíba em Paris? Estas e outras questões, mais Jack Kerouak e Cinema Japonês nos textos do escritor que é uma barata.

Não, não é aquele escritor.

domingo, 13 de outubro de 2002

Wise up
O diretor de Magnólia, Paul Thomas Anderson, usou trechos de letras de Aimee Mann nos diálogos. Amigos de longa data, Anderson extraiu a voz da cantora do rádio de um carro na chuva, num lamento junkie, na boca de um ancião moribundo.
Amy Mulry, pesquisadora feminista da George Washington University, acredita que as histórias de mulheres desesperadas escritas por Aimee comprovam que o sexo feminino tende a pensar coletivamente, esperando inutilmente uma contrapartida masculina. Porque os homens estariam preocupados com uma suposta escala hierárquica que confere mais ou menos status de acordo com a qualidade do relacionamento.
Coisas que procuram neste blog
ilegalidade de festas de rodeio
carta do cacique seattle
papel de parede frajola
camisetas punks
resumo do filme vidas secas
o admirável mundo novo
roger waters imagens fotos
desvantagens do CD pirata
o papel da ONU na guerra
El Tunel de Ernesto Sabato
arte feita com material reciclado
letras orientais e seu significado
slide cidadania e globalização
lobsang rampa
fotos de show the mission
fotos de luxações
ouvir rok
Resumo artista quando jovem james Joyce
Biografia Aldous Huxley
Desenho animado francês da década de 80 família seres sem formas
Dança Roraima
45 motivos para não votar em José Serra
premio Nobel de química
Verme de porco
Ilha rá-tim-bum
Slogans sobre banheiros
Blogs de israelenses em português
eua x iraque
cibercultura
blogchalk brasil mooca
paulo coelho + palestina
fotos horripilantes
lucchino visconti
la politica en epoca de el tunel ernesto sabato
rocco e seus irmãos resumo
espécie águia australia
luxação de ombro
o que diz josé serra sobre ser mãe solteira
luxação de ombro e como resolver
insomnia
esboço de projeto de restaurante
fotos de la cultura barbarismo
lips like sugar tradução
jack kerouak
reischstag de bush
misantropo
pompéia + teatro + plantas
blog bragança paulista
david bowie starman
papel de parede do filme sinais
impossíveis multi homem
adesivos malucos
magia para eliminar tatuagens
biografia de Plinio Apuleyo Mendoza
brasileira timor fotos

quinta-feira, 10 de outubro de 2002

Entrevista
Repórter
- O senhor é o maior escritor vivo.
Borges - Mentira.
Repórter - Mas o mundo acha isso.
Borges - Pobre mundo.

quarta-feira, 9 de outubro de 2002


Som e fúria
Leio num blog que a vida é feita de som e fúria e concordo, enquanto ouço The modern age.

Tão retrô como o som da banda é a lógica do Cérbero analógico-digital-autofágico em que todos estamos nos transformando enquanto comunidade virtual. Quanto de verdade há numa comunidade virtual? Toda a verdade? Verdade e meia? Fatia de verdade? Que significado têm estas linhas para alguém na Bélgica (um dos Desconocidos da Nedstat)? E para doentes terminais? Como ser interpretado por um economista nascido nas estepes da Mongólia que estudou em Moscou? Os parâmetros são tão vagos e indefinidos, que buscar uma metodologia é candidatar-se a Sísifo.

Quero dizer que não há fórmulas acabadas, não há resultados genéricos no fenônemo da comunicação. Não transferimos nossa mensagem da forma que pretendemos que ela seja entendida a ninguém. Morrerá conosco, realizada completamente apenas por nós mesmos; compreendida parcialmente por um grupo que pode ir de um punhado de amigos fiéis a milhões de fãs que lhe conferem prestígio, uma cadeira na ABL, um Nobel de Literatura, chás insípidos com a rainha.

Buscar a compreensão é buscar a deificação do trabalho.

Graal perdido, percebemos que as subjetivíssimas interpretações de cada leitor criam um resultado inesperadamente fora do controle, e para quem escreve, isso de perder o controle criativo (um controle que na verdade nunca tivemos e que confundimos com controle sobre a recepção da obra escrita) é algo pungente demais para ser digerido em apenas uma existência. E sabendo ser inevitável a multiplicidade de interpretações, just relax. Ou não escreveríamos mais como gostamos de escrever, por temer a incompreensão, mas como gostaríamos de ser compreendidos. E entre optar pela frustração da glória circunstanciada e a medíocre existência dos que só são compreendidos na posteridade, quedamos estáticos, como diante de um tepuy.

quarta-feira, 2 de outubro de 2002

São Paulo - Clique na caixinha à esquerda onde se lê view my guestmap. Clique no dardo; coloque-o onde você se localiza neste mundo e faça feliz blogger aficcionado por mapas, cartas marítimas, GPSs e outras formas de localização que pouco compreende, mas gosta.

terça-feira, 1 de outubro de 2002

Invasão à terra yanomami

São Paulo - O The New York Times de hoje traz matéria sobre a construção de novos módulos militares em terras indígenas da Amazônia. Depois de inaugurarem este ano um quartel do exército na terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, a caserna volta-se, novamente, para a terra yanomami, retomando velhos planos de ocupação dos governos militares que sabemos o quanto são prejudiciais para a Amazônia.

A presença militar em terras indígenas mantém estes povos na condição de dominados perpétuos pelo poder político e econômico. Sem respeito à sua cultura e terras, os primeiros brasileiros jamais saberão o que é cidadania.

“As grandes descobertas ocorrem quando subitamente o possível encontra o desesperadamente necessário.” (Thomas Friedman - New York Times...